quarta-feira, março 18, 2009

Livros Portugueses Proibidos no Regime Fascista: Bibliografia» - Maria Luísa Alvim

extraído da Introdução

Este trabalho tem por objectivo a elaboração de uma bibliografia das obras de edição portuguesa cuja circulação esteve proibida durante o regime fascista - Estado Novo de 1926 a 1974.
A censura instituída em 1926 cria uma política de informação repressiva que controlava ideologicamente a população. Não havendo censura prévia sobre os livros, a polícia política apreende-os nas tipografias, nas casas editoras, nas livrarias, nas casas particulares e vigiava a sua circulação nos correios, com total desrespeito pelos direitos do homem. A suspensão da circulação de títulos de publicações; a destruição dos livros; a extinção da Sociedade Portuguesa de Escritores em 1965; as obras proibidas à consulta nas bibliotecas; os autos de busca; a intimação e prisão dos escritores; uma só expressão: repressão cultural.
”Subversivos. Prejudiciais à segurançado estado. Contra os bons costumes”, dizem dos livros. Os livros foram proibidos, violados e perseguidos. Desde o romance, ao ensaio político, à sátira, à reflexão social, à poesia... Os livros que são a criaçãodo espírito, património cultural da Humanidade, fizeram esta descida ao inferno durante o fascismo.
Os anos 1975, 76, 77 e seguintes, são de uma riqueza editorial impressionante. As reedições das obras proibidas sucedem-se e posso dizer que foi fascinante, ao longo de muitas horas de trabalho, nos ficheiros da Biblioteca Pública Municipal do Porto, ver reaparecer os autores proibidos em edições livres, após o 25 de Abril: Urbano Tavares Rodrigues, Manuel da Fonseca, Manuel Alegre, José Cardoso Pires, Jean-Paul Sartre, Karl Marx, Henry Miller... múltiplos rostos, percursos, ideias.
A elaboração deste trabalho tem como ponto de partida a relação dos livros proibidos da Comissão do Livro Negro Contra o Regime Fascista, que por sua vez se baseou no rol da Comissão Directiva da Associação dos Editores e Livreiros Portugueses, de Julho de 1974. Têm subjacente as comunicações recebidas, da Direcção dos Serviços de Censura e da Direcção Geral de Informação, dos livros que iam sendo proibidos, tanto edições portuguesas como estrangeiras.
Tive a constante preocupação, durante o trabalho de pesquisa bibliográfica, de proceder a um levantamento exaustivo nos catálogos manuais da Biblioteca Pública Municipal do Porto, na Biblioteca Pública de Braga, na Base Nacional de Dados Bibliográficos - PORBASE e numa biblioteca particular.
Ao percorrer as centenas de fichas, constatei que a informação fornecida nem sempre era suficiente: data de edição não expressa, a obra só identificada pelo título e autor e sem atribuição de CDU. Registo, também, o caso de algumas fichas bibliográficas, na B.P.M.P., não possuirem cota. Tiremos as inferências.
Foram identificados 508 títulos mas cerca de 927 ficaram por localizar: referências deficientes,
livros retirados da consulta nas bibliotecas devido à censura, etc. O número total das obras não identificadas contempla, também, as ediçõoes brasileiras que não foi possível distinguir das portuguesas com os dados que disponho.(...)

Sem comentários:

PORTUGAL E OS ESTRANGEIROS - Manuel Gomes Branco

Branco , Manuel Gomes – PORTUGAL E OS ESTRANGEIROS ,  Lisboa: Livraria A. M. Pereira, Imprensa Nacional, 1879-1895. 5 volumes.  In...