segunda-feira, dezembro 02, 2013

Revista Oceanos - Índices (compilação por Ana Celeste Silva e Carina Simões)

Oceanos
 
Revista editada pela Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses entre 1989 e 2002. Inicialmente vocacionada para a alta divulgação, veio a impôr-se tanto pela qualidade dos artigos como pelo excelente aparato gráfico. Teve como directores: António Mega Ferreira (nºs 1-13), Vasco Graça Moura (14-24), António Manuel Hespanha (25-36/7) e Joaquim Romero Magalhães (38-49).
 
 
Índice por autores
A
  • ABREU, Maria Fernanda de, “A expedição de Vasco da Gama e a Índia no Romantismo literário português”, Oceanos, nº 33, 1998, pp. 163 – 175.
  • ABREU, Martha, “Uma festa portuguesa na Corte Imperial do Brasil: as comemorações do Divino Espírito Santo no Rio de Janeiro do século XIX”, Oceanos, nº 44, 2000, pp. 88 – 98.
  • ABUNGU, George, “Forte Jesus de Mombaça. Poder, autoridade e conflito”, Oceanos, nº 28, 1996, pp. 96 – 102.
  • AGUDO, F. R. Dias, “A Academia das Ciências de Lisboa e as edições de Pedro Nunes”, Oceanos, nº 49, 2002, pp. 130 – 135.
  • AGUIAR, Marcos Magalhães de, “Quotidiano da população forra em Minas Gerais do período colonial”, Oceanos, nº 42, 2000, pp. 50 – 66.
  • ALAM, Muzaffar e SUBRAHMANYAM, Sanjay, “Uma Sociedade de Fronteira do Século XVI: Perspectivas Indo-Persas no Decão Ocidental”, Oceanos, nº 34, 1998, pp. 88 – 101.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “«Roteiro e todos os sinais, conhecenças, fundos, baixios, alturas e derrotas que há na Costa do Brasil desde o Cabo de Santo Agostinho até ao estreito de Fernão de Magalhães», introdução e notas de Melba Ferreira da Costa edição da TAGOL, Lisboa, 1988”, Oceanos, p. 47.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “«Catálogo da exposição Comemorativa da edição de 1482 da Geographia de Cláudio Ptolomeu»”, p. 47.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “«A Alemanha e os Descobrimentos Portugueses»”, Oceanos, nº 2, 1989, p. 117.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “Mamlousk, Ottomans et Portugais en Mer Rouge. L’Affaire de Djedda en 1517”, Oceanos, nº 2, 1989, p. 118.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “As inovações da náutica portuguesa no tempo de Bartolomeu Dias”, Oceanos, nº 3, 1990, pp. 71 – 76.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “«Colombo vero e falso»”, Oceanos, nº 3, 1990, p. 127 – 128.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “«Voyage dans le Deltas du Congo et de L’Irraouady»”, Oceanos, nº 3, 1990, p. 129.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “Martim Behaim (1459 – 1507). Seefahrer. Entdecker. Kosmograph”, Oceanos, nº 4, 1990, p. 123.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “Die Suche Nach Dem Reiche Des Priesterkönigs Johannes (Dargestellt anhand von Reiseberichten und anderer ethnographischen Quellen des 12. bis 17. Jahrhunderts)”, Oceanos, nº 4, 1990, p. 125.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “As ilhas que estavam lá…”, Oceanos, nº 5, 1990, pp. 52 – 67.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “«Diário di bordo. Livro de la prima navigazione e scoperta della India»”, Oceanos, nº 5, 1990, p. 123.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “«La Ciência Española en el Descubrimiento de America» (Las tablas de coordenadas geograficas compiladas en la Espanã Medieval)”, Oceanos, nº 5, 1990, p. 124.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “«La Genovesita di Colombo»”, Oceanos, nº 5, 1990, p. 125.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “«O Impacto dos Descobrimentos na Exegese Bíblica – Poliglota dos Salmos, de 1516»”, Oceanos, nº 5, 1990, p. 125.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “«The Travels of Mendes Pinto»”, Oceanos, nº 6, 1991, p. 109.
  • ALBUQUERQUE, Luís, “The Periplus of the Erytraean Sea = Agatharchides of Cnidus, «On the Erytraean Sea»”, Oceanos, nº 6, 1991, p. 110 – 11.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, "«Géographie du monde au Moyen Âge et à la Renaissance»", Oceanos, nº 7, 1991, pp. 129 – 130.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “A Náutica Portuguesa Quinhentista na Europa”, Oceanos, nº 8, 1991, pp. 68 – 75.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “«Cronaca dei Fatti di Guinea»”, Oceanos, nº 8, 1991, p. 123.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “Ciência e Mito nos Descobrimentos (Ensaio iconológico sobre Cosmografia e Cartografia)”, Oceanos, nº 8, 1991, p. 124 – 125.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “I Viaggi di Giovanni e Sebastiano Caboto”, Oceanos, nº 9, 1992, p. 118.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “Roteiro do Mar Roxo de D. João de Castro”, Oceanos, nº 10, pp. 94 – 101.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “ Pedro Nunes e os homens do mar do seu tempo”, Oceanos, nº 49, 2002, pp. 143 – 147.
  • ALBUQUERQUE, Maria João, “A irmandade e Confraria da Misericórdia de Vila Verde dos Francos”, Oceanos, nº 35, 1998, pp. 100 – 109.
  • ALBUQUERQUE, Martim de, “O Atlas do Visconde de Santarém”, Oceanos, nº 3, 1990, pp. 123 – 125.
  • ALBUQUERQUE, Martim de, “A Loiça Brasonada Portuguesa”, Oceanos, nº 14, 1993, pp. 58 – 66.
  • ALBUQUERQUE, Martim de, “Portugal e a Consciência da «Europa»”, Oceanos, nº 16, 1993, pp. 13 – 23.
  • ALBUQUERQUE, Martim de, “Uma Grande Jóia: S. Miguel Cavaleiro de Cristo. Ideologia e Arte”, Oceanos, nº 21, 1995, pp. 112 – 117.
  • ALÇADA, Isabel v. MAGALHÃES, Ana Maria
  • ALGRANTI, Leila Mezan, “Honra, Devoção e Educação: a vida nos Conventos e Recolhimentos femininos”, Oceanos, nº 42, 2000, pp. 98 – 110.
  • ALMAÇA, Carlos, “Os Portugueses e o conhecimento das faunas exóticas”, Oceanos, nº 6, 1991, pp. 52 – 63.
  • ALMAÇA, Carlos “Frei Cristóvão de Lisboa e a zoologia brasileira”, Oceanos, nº 6, 1991, pp. 64 – 65.
  • ALMAÇA, Carlos “Alexandre Rodrigues Ferreira e a exploração histórico-natural do Brasil”, Oceanos, nº 9, 1992, pp. 54 - 57.
  • ALMASQUÉ, Isabel v. VELOSO, A. J. Barros
  • ALMEIDA, A. A. Marques de, “O Zangão e o Mel. Uma metáfora sobre a diáspora sefardita e a formação das elites financeiras na Europa (séculos XV a XVII)”, Oceanos, nº 29, 1997, pp. 25 – 35.
  • ALMEIDA, André Ferrand de, “Os jesuítas matemáticos e os mapas da América portuguesa (1720 - 1748)”, Oceanos, nº 40, 1999, pp. 79 – 92.
  • ALMEIDA, Bernardo Pinto de, “Tintim Nas Nossas Cabeças”, Oceanos, nº 2, 1989, p. 94.
  • ALMEIDA, Cristina Ferreira de, “Entre a Europa e o Atlântico”, [Entrevista a Kenneth Maxwell], Oceanos, nº 15, 1993, pp. 18 – 22.
  • ALMEIDA, Cristina Ferreira de, “Glória e História: O combate de Peter Russel”, Oceanos, nº 17, 1994, p. 82 – 85.
  • ALMEIDA, Germano, “A Europa e Nós Outros”, Oceanos, nº 16, 1993, pp. 40 – 42.
  • ALMEIDA, João Bento de, “A Sé da Ribeira Grande: Proposta de recuperação”, Oceanos, nº 5, 1990, pp. 88 – 89.
  • ALMEIDA, Onésimo Teotónio de, “A Presença Portuguesa na América do Norte”, pp. 93 – 95.
  • ALMEIDA, Onésimo Teotónio de, “«...fique a dúvida para Pedro Nunes»: sobre a cooperação entre «cientistas» e navegadores”, Oceanos, nº 49, 2002, pp. 9 – 17.
  • AMADO, Teresa, “Coincidências”, Oceanos, nº 30/31, 1997, p. 255.
  • AMARÍLIS, Orlanda, “Josefa de Sta. Maria nas Ilhas de Cabo Verde Achadas pelo Piloto Diogo Gomes e pelo Genovês Antonioto Usodimore, Companheiro de Cadamosto no Ano de 1460”, Oceanos, nº 10, 1992, pp. 129 – 130.
  • AMARO, Clementino, “Escavações Arqueológicas na Cidade Velha”, Oceanos, nº 5, 1990, pp. 85 – 87.
  • AMORIM, Inês, “Gestão de espaços de pesca: poder, administração e conflitos na época moderna. O estudo de um caso: as pesqueiras do rio Ave”, Oceanos, nº 47/48, 2001, pp. 30 – 46.
  • ANDRÉ, Carlos Ascenso, “Camões, na Esteira de Ovídio: A Construção Poética do Degredo”, Oceanos, nº 23, 1995, pp. 84 – 92.
  • ANDRESEN, Sophia de Mello Breyner, “Meditação do duque de Gândia sobre a morte de Isabel de Portugal”, Oceanos, nº 3, 1990, p. 47.
  • ANDRESEN, Sophia de Mello Breyner, “Ondas”, Oceanos, nº 9, 1992, p. 115.
  • ANTUNES, Luís Pequito, “O património construído da Ordem de Santiago”, Oceanos, nº 4, 1990, pp. 97 – 101.
  • ANTUNES, Manuel, “Um destino a cumprir: a universalidade”, Oceanos, nº 12, 1992, p. 119.
  • ARAÚJO, Agostinho, “Práticas votivas numa comunidade piscatória (Póvoa de Varzim, séculos XVIII-XIX)”, Oceanos, nº 47/48, 2001, pp. 94 – 112.
  • ARAÚJO, Maria Benedita, Família e grupo social no criptojudaísmo português (século XVII”, Oceanos, nº 29, 1997, pp. 49 – 66.
  • ARRUDA, Luísa, “Figuras de Convite em Portugal e no Brasil”, Oceanos, nº 36/37, 1999, pp. 126 – 154.
  • ASSAYAG, Jackie, “Por e contra, muçulmanos e hindus. A construção do outro numa cultura compósita: a Índia”, Oceanos, nº 34, 1998, pp. 152 – 162.
  • ATHAYDE, Sylvia Menezes de, “Vieira e a Bahia do seu tempo”, Oceanos, nº 30/31, 1997, pp. 231 – 254.
  • AZEVEDO, Ana Maria de, “A Carta de Pêro Vaz de Caminha e o Encontro do «Outro»”, Oceanos, nº 39, 1999, pp. 128 – 142.
  • AZEVEDO, Ana Maria de, e BOAVIDA, Maria Madalena, “O «Descobrimento do Brasil» nos manuais escolares portugueses”, Oceanos, nº 39, 1999, pp. 162 – 168.
B
  • BACELLAR, Carlos de Almeida Prado, “Os Reinóis na população paulista às vésperas da Independência”, Oceanos, nº 44, 2000, pp. 22 – 36.
  • BALDISSERA, José Alberto v. FRANZEN, Beatriz Vasconcelos
  • BALLONG–WEN–MEWUDA, J. Bato’Ora, “A Fortaleza de São Jorge da Mina. Testemunho da presença portuguesa na costa do Golfo da Guiné do século XV ao século XVII”, Oceanos, nº 28, 1996, pp. 27 – 39.
  • BAPTISTA, António Alçada, “Peregrinação, Peregrinações…”, Oceanos, nº 7, 1991, pp. 62 – 66.
  • BARATA, Maria do Rosário Themudo, “Quem foi Rui Fernandes de Almada”, Oceanos, nº 3, 1990, pp. 96 – 102.
  • BARCIELA, Fernando, “Portugal levou projecto a Madrid para celebrar o Tratado de Tordesilhas”, Diário de Notícias (20/12/89), Oceanos, nº 3, 1990, p. 17.
  • BARRETO, Luís Filipe, “O estatuto de Macau (séculos XVI e XVII)”, Oceanos, nº 32, 1997, pp. 133 – 148.
  • BARRETO, Luís Filipe, “As Ilhas Fantásticas”, Oceanos, nº 46, 2001, pp. 6 – 7.
  • BARROS, Maria de Fátima Rambouts de v. BOIÇA, Joaquim Manuel Ferreira
  • BAYLY, C. A., “A presença portuguesa no Oceano Índico e a emergência do «Estado Moderno» 1498-1798”, Oceanos, nº 34, 1998, pp. 14 – 21.
  • BELARD, Francisco, “O retrato recuperado”, Revista Expresso (15/4/89), p. 15.
  • BÉLARD, Francisco, “«The Courrier/El Correo»”, Expresso (29/7/89), Oceanos, nº 2, 1989, p. 17.
  • BELLEC, François, “França – A Dimensão Humana do Mar”, Oceanos, nº 22, 1995, pp. 38 – 44.
  • BELLEC, François, “Da «Arte de Navegar» no Zeevaerdt”, Oceanos, nº 38, 1999, pp. 36 – 52.
  • BERTINI, Giuseppe,O «Livro de Cozinha» de Maria de Portugal e a cozinha de Corte em Bruxelas e em Lisboa ao tempo das suas núpcias com Alexandre Farnésio”, Oceanos, nº 21, 1995, pp. 119 – 125.
  • BERTOLETTI, Esther Caldas Guimarães, “Brasil Colónia: 300 anos de História em documentos organizados e acessíveis”, Oceanos, nº 40, 1999, pp. 181 – 190.
  • BESSA–LUÍS, Agustina, “Um mar de lágrimas”, Oceanos, nº 9, 1992, p. 114.
  • BESSA–LUÍS, Agustina, “A mulher velada”, Oceanos, nº 16, 1993, pp. 118 – 119.
  • BLOT, Maria Luísa v. YVES-BLOT, Jean
  • BOAVIDA, Maria Madalena v. AZEVEDO, Ana Maria
  • BOIÇA, Joaquim Manuel Ferreira e BARROS, Maria de Fátima Rombouts de, “O Bugio e São Julião da Barra”, Oceanos, nº 11, 1992, pp. 78 – 89.
  • BOIÇA, Joaquim Ferreira, “A Fortaleza da Luz e a Defesa da Barra”, Oceanos, nº 2, 1989, pp. 68 – 72.
  • BOLÉO, João Paulo Paiva, “A «Peregrinação» e a banda desenhada”, Oceanos, nº 7, 1991, pp. 72 – 77.
  • BORGES, Charles J., “Questões em Torno das Formas de Representação na Arte Religiosa Indo–Portuguesa”, Oceanos, nº 19/20, 1994, pp. 72 – 86.
  • BORGES, Nelson Correia, “Os Túmulos de Prata das Santas Rainhas de Lorvão”, Oceanos, nº 43, 2000, pp. 134 – 144.
  • BOSE, Sugata, “Estado, economia e cultura na orla do Índico: teoria e história”, Oceanos, nº 34, 1998, pp. 25 – 36.
  • BOUCHON, Geneviève, “A imagem da Índia na Europa renascentista”, Oceanos, nº 32, 1997, pp. 11 – 30.
  • BOUCHON, Geneviève, “A Islamização das Regiões Costeiras da Índia na Época das Viagens de Vasco da Gama”, Oceanos, nº 33, 1998, pp. 12 – 21.
  • BOXER, Charles R., “O Governador mutilado”, Oceanos, nº 11, 1992, pp. 26 – 32.
  • BOXER, Charles R.,O Cronista João de Barros e o seu Interesse pela China Ming”, Oceanos, nº 14, 1993, pp. 114 – 116.
  • BRANCO, Manuel de Silva Castelo, “A Ordem de Santiago e a Índia”, Oceanos, nº 4, 1990, pp. 64 – 65.
  • BRANCO, Teresa Schedel Castelo, “Reinel: uma família de Lisboa”, Oceanos, nº 7, 1991, pp. 32 – 34.
  • BRANDÃO, Pedro, “Sagres, nos Jerónimos”, Público (19/11/90), Oceanos, nº 6, 1991, p. 30.
  • BRANDÃO, Raul, “Os pescadores”, Oceanos, nº 47/48, 2001, pp. 6 – 7.
  • BRANQUINHO, Isabel, “Os Capitães–mores da Viagem do Japão”, Oceanos, nº 15, 1993, pp. 92 – 98.
  • BRANQUINHO, Isabel, “Breve Dicionário Histórico de Damas Notáveis”, Oceanos, nº 21, 1995, pp. 91 – 98.
  • BRITO, Raquel Soeiro de, “Goa: Ontem e hoje”, Oceanos, nº 19/20, 1994, pp. 174 – 180.
  • BRYUNS, Willem F. J. Mörzer, “Holanda. A Época de Ouro das Descobertas Holandesas: 1594 – 1644”, Oceanos, nº 22, 1995, pp. 58 – 69.
  • BUENO, Beatriz Siqueira, “Desenho e desígnio – o Brasil dos engenheiros militares”, Oceanos, nº 41, 2000, pp. 40 – 58.
  • BUESCU, Ana Isabel, “João de Barros: Humanismo, mercancia e celebração imperial”, Oceanos, nº 27, 1996, pp. 10 – 24.
  • BUESCU, Maria Leonor Carvalhão, “Convenção e Inovação na Poética Camoniana”, Oceanos, nº 23, 1995, pp. 104 – 110.
  • BUESCU, Maria Leonor Carvalhão, “«A quem não lhe falecer matéria não lhe falecerão vocábulos». João de Barros e a Língua Portuguesa”, Oceanos, nº 27, 1996, pp. 51 – 64.
  • BURLAMAQUI, Suraya, “Azulejos de Jorge Barradas no Brasil”, Oceanos, nº 36/37, 1999, pp. 242 – 250.
C
  • CABAÇO, Mariano, “O Quadro da Misericórdia de Lisboa”, Oceanos, nº 35, 1998, pp. 52 – 60.
  • CABRITA, Teresa, “As Pinturas Murais de Meijinhos”, Oceanos, nº 18, 1994, pp. 121 – 124.
  • CAEIRO, António, “E viva a bola!”, Oceanos, nº 5, 1990, p. 98.
  • CAETANO, Joaquim Oliveira, “A identificação de um pintor”, Oceanos, nº 13, 1993, pp. 112 – 118.
  • CAETANO, Joaquim Oliveira, “A Virgem da Misericórdia: uma aproximação iconográfica”, Oceanos, nº 35, 1998, pp. 62 – 77.
  • CALADO, Rafael, “A Porcelana da China como Fonte de Inspiração da Decoração da Faiança Portuguesa no Século XVII”, Oceanos, nº 14, 1993, pp. 76 – 83.
  • CALADO, Rafael Salinas, “Os Azulejos da Rua”, Oceanos, nº 36/37, 1999, pp. 234 – 240.
  • CAMACHO, Maria João, “Olhares cruzados”, Oceanos, nº 32, 1997, pp. 8 – 9.
  • CAMÕES, Luís de, “Canção X”, Oceanos, nº 23, 1995, pp. 52 – 53.
  • CAMÕES, Luís de, “Transforma-se o amador na cousa amada”, Oceanos, nº 23, 1995,  p. 66.
  • CAMÕES, Luís de, “Canção IX”, Oceanos, nº 23, 1995, p. 69.
  • CAMÕES, Luís de, “Amor é um fogo que arde sem se ver”, Oceanos, nº 23, 1995, p. 83.
  • CAMÕES, Luís de, “No mundo quis um tempo que se achasse”, Oceanos, nº 23, 1995, p. 94.
  • CAMÕES, Luís de, “No tempo que de Amor viver soía”, Oceanos, nº 23, 1995, p. 96.
  • CAMÕES, Luís de, “Doces lembranças da passada glória”, Oceanos, nº 23, 1995, p. 98.
  • CAMÕES, Luís de, “Labirinto”, Oceanos, nº 23, 1995, pp. 101 – 102.
  • CAMÕES, Luís de, “Esta ilha pequena, que habitamos…”, p. 125
  • CANAS, António José Duarte Costa, “A Pesca do Bacalhau nos séculos XVII e XVIII. Franceses, ingleses e americanos disputam a Terra Nova”, Oceanos, nº 45, 2001, pp. 65 – 74.
  • CANAS, António José Duarte Costa, “Pedro Nunes e as Linhas de Rumo”, Oceanos, nº 49, 2002, pp. 54 – 66.
  • CANAVEIRA, Manuel Filipe, “Os Matemáticos Jesuítas da Corte do Imperador Kam–Hi”, Oceanos, nº 14, 1993, pp. 118 – 124.
  • CANAVEIRA, Manuel Filipe, “É o Japão, Onde Nasce a Prata Fina, que Ilustrada Será Com a Lei Divina”, Oceanos, nº 15, 1993, pp. 80 – 85.
  • CANAVEIRA, Manuel Filipe, “Alessandro Valignano. Visitador da Companhia de Jesus no Império do Sol Nascente”, Oceanos, nº 15, 1993, pp. 127 – 128.
  • CANAVEIRA, Manuel Filipe,Cavaleiro, Cientista, Mercador: Imagens do Infante”, Oceanos, nº 17, 1994, pp. 66 – 72.
  • CANAVEIRA, Manuel Filipe, “O Tratado de Tordesilhas na Historiografia portuguesa e espanhola”, Oceanos, nº 18, 1994, pp. 78 – 84.
  • CANAVEIRA, Manuel Filipe, “Os Pontífices Romanos e a Partilha do Mundo”, Oceanos, nº 18, 1994, pp. 100 – 102.
  • CANAVEIRA, Manuel Filipe, “«Goa Dourada»”, Oceanos, nº 19/20, 1994, pp. 204 – 210.
  • CANAVEIRA, Manuel Filipe, “A parénese do Princeps Perfectus na oratória vieiriana”, Oceanos, nº 30/31, 1997, pp. 90 – 107.
  • CANAVEIRA, Manuel Filipe, “Dharma e Artha: Religião e política na génese da ideia de império e de realeza no Indostão”, Oceanos, nº 33, 1998, pp. 25 – 36.
  • CAPÃO, José, “Ilha de Moçambique: Sem desenvolvimento não há conservação”, pp. 67 – 74.
  • CARACCI, Ilaria Luzzana, “Colombo: metas e projectos”, Oceanos, nº 10, 1992, pp. 38 – 41.
  • CARDIM, Pedro, “Livros, literatura e homens de letras no tempo de João de Barros”, Oceanos, nº 27, 1996, pp. 27 – 47.
  • CARDIM, Pedro, “Entre Paris e Amesterdão. António Vieira, legado de D. João IV no Norte da Europa 1646–1648”, Oceanos, nº 30/31, 1997, pp. 134 – 154.
  • CARDOSO, António, “As Comemorações de Bartolomeu Dias foram mal comemoradas”, Correio da Manhã (05/04/90), Oceanos, nº 4, 1990, p. 24.
  • CARITA, Helder, “Arquitectura Civil Indo–Portuguesa. Génese e primeiros modelos”, Oceanos, nº 19/20, 1994, pp. 114 – 133.
  • CARITA, Helder v. CARITA, Rui
  • CARITA, Rui, “O códice de Santa Catarina, suas fortalezas e seus uniformes”, Oceanos, nº 28, 1996, pp. 73 – 78.
  • CARITA, Rui, “A colónia do Sacramento no Uruguai. Os engenheiros militares na construção da expansão dos séculos XVII e XVIII”, Oceanos, nº 28, 1996, pp. 81 – 94.
  • CARITA, Rui, “O Padre António Vieira e os colégios das Ilhas”, Oceanos, nº 30/31, 1997, pp. 66 – 80.
  • CARITA, Rui, “A pompa e aparato das sacristias ultramarinas portuguesas”, Oceanos, nº 36/37, 1999, pp. 114 – 124.
  • CARITA, Rui e CARITA, Helder, “Modelos, instituições e personagens. A urbanização do espaço atlântico nos séculos XV e XVI”, Oceanos, nº 41, 2000, pp. 174 – 190.
  • CARVALHAL, Francisco Dias do, “Carta de Francisco Dias a Seus Primos em Guimarães”, pp. 100 – 101.
  • CARVALHO, António Vítor Nunes de, “Os primeiros passos na modernização da frota bacalhoeira portuguesa, 1935-1945. Aspectos da construção naval”, Oceanos, nº 45, 2001, pp. 108 – 120.
  • CARVALHO, Eduardo Henrique Cansado, “A Companhia das Índias e a Porcelana. O Século XVIII e a «Família Rosa»”, Oceanos, nº 14, 1993, pp. 84 – 91.
  • CARVALHO, Filipe Nunes de, “Historiografia Henriquina: Um pretérito imperfeito”, Oceanos, nº 17, 1994, pp. 74 – 80.
  • CARVALHO, Rui Galopim de, “Algumas Gemas do Portugal de Setecentos e suas proveniências”, Oceanos, nº 43, 2000, pp. 36 – 50.
  • CASAL, Adolfo Yáñez, “A Expansão Marítima Portuguesa no Índico e as transformações culturais ao Norte de Moçambique. O caso Makwa”, Oceanos, nº 34, 1998, pp. 142 – 150.
  • CASTELNAU-L’ÉSTOILE, Charlotte, “Salvar-se, salvando os outros: o Padre António Vieira, missionário do Maranhão 1652–1661”, Oceanos, nº 30/31, 1997, pp. 55 – 64.
  • CASTELO, Cláudia, “1597. O Primeiro Martírio”, Oceanos, nº 15, 1993, pp. 64 – 70.
  • CASTELO-BRANCO, Manuel da Silva, “O «Livro das Fortalezas» de Duarte de Armas”, Oceanos, nº 5, 1990, p. 116 – 122.
  • CASTRO, Aníbal Pinto de, “De Montemor–O-Velho às Ilhas do Japão: A Peregrinação de Fernão Mendes Pinto e o Encontro de Culturas”, Oceanos, nº 15, 1993, pp. 35 – 42.
  • CASTRO, Nuno de, “Alguns Brasões Inéditos”, Oceanos, nº 14, 1993, pp. 68 – 75.
  • CATZ, Rebecca, “Em foco os gigantes das letras portuguesas”, Oceanos, nº 7, 1991, pp. 50 – 57.
  • CHAN, Mónica v. PINA-CABRAL, João de
  • CHAUDHURI, K. N., “O Estado e as formas de controlo social: os nomes e a sua atribuição na história do Oceano Índico”, Oceanos, nº 34, 1998, pp. 53 – 59.
  • CID, Margarida Sobral, “Restauro do Cristo dos Jerónimos”, Oceanos, nº 2, 1989, pp. 19 – 23.
  • CLÁUDIO, Mário, “Período Wanli, Azul e Branco”, Oceanos, nº 14, 1993, pp. 92 – 93.
  • COATES, Thimothy, “Colonização Feminina Patrocinada pelos Poderes Públicos no Estado da Índia (1550 – 1750)”, Oceanos, nº 21, 1995, pp. 34 – 43.
  • COELHO, António Borges, “A Primeira Reserva do Mundo Recém–Descoberto e a Descobrir”, Oceanos, nº 18, 1994, pp. 16 – 22.
  • COELHO, António Borges, “João de Barros e a questão judaico–cristã–nova”, Oceanos, nº 27, 1996, pp. 75 – 82.
  • COELHO, António Borges, “Judeus e Cristãos–Novos Portugueses (séculos XVI e XVII)”, Oceanos, nº 29, 1997, pp. 37 – 47.
  • COELHO, Luís, “«Uma cadeira para pensar»”, Expresso (05/10/90), Oceanos, nº 5, 1990, p. 48.
  • CONCEIÇÃO, Margarida Tavares da, “A Praça da Guerra. Aprendizagens entre a Aula do Paço e a Aula de Fortificação”, Oceanos, nº 41, 2000, pp. 24 – 38.
  • CORRÊA, Fernando Calapez, “O Processo de Martinho”, Oceanos, nº 13, 1993, pp. 20 – 24.
  • CORREIA, Ana Paula, “Palácios, Azulejos e Metamorfoses”, Oceanos, nº 36/37, 1999, pp. 179 – 208.
  • CORREIA, Hélia, “Sul”, Oceanos, nº 10, 1992, pp. 119 – 120.
  • CORREIA, João David Pinto, Viajante e escritor”, Oceanos, nº 7, 1991, pp. 38 – 42.
  • CORREIA, João David Pinto, “O Mar e as Lágrimas”, Oceanos, nº 10, 1992, pp. 72 – 79.
  • CORREIA, José Manuel, “Medos e visões dos mareantes na passagem do Cabo da Boa Esperança”, Oceanos, nº 3, 1990, pp. 78 – 81.
  • COSTA, João Paulo Oliveira e, “A Coroa Portuguesa e o Japão”, Oceanos, nº 15, 1993, pp. 26 – 33.
  • COSTA, João Paulo Oliveira e, “Um Oceano a Explorar. A Doação de Ilhas desconhecidas pela Coroa portuguesa no século XV”, Oceanos, nº 46, 2001, pp. 44 – 52.
  • COSTA, Maria Velho da, “Evocação de Luiz Távora, Marquês de Abrantes”, Oceanos, nº 14, 1993, p. 4.
  • COSTA, Maria Velho da, “Aldeias de Londres”, Oceanos, nº 16, 1993, pp. 110 – 111.
  • COSTA, Melba Ferreira da, “Acerca do Livro de Traças”, Oceanos, nº 2, 1989, pp. 122 - 128.
  • COUCEIRO, Gonçalo, “A Igreja de S. Paulo em Macau”, Oceanos, nº 6, 1991, pp. 87 – 95.
  • COUCEIRO, Gonçalo, “O Cemitério Jesuíta em Pequim”, Oceanos, nº 9, 1992, pp. 100 – 112.
  • COUCEIRO, Gonçalo, “História das relações diplomáticas entre Portugal e a China - «O padre António de Magalhães, S.J., e a embaixada de Kangxi a D. João V»””, Oceanos, nº 9, 1992, p. 119.
  • COUCEIRO, Gonçalo, “O observatório de Pequim”, Oceanos, nº 12, 1992, pp. 88 – 89.
  • COUCEIRO, Gonçalo, “Pintores jesuítas na China”, Oceanos, nº 12, 1992, pp. 92 – 101.
  • COUTO, Dejanirah, “Baçaim: A Capital do Norte”, Oceanos, nº 19/20, 1994, pp. 258 – 266.
  • COUTO, Dejanirah, A Fortaleza de Baçaim”, Oceanos, nº 28, 1996, pp. 105 – 118.
  • COUTO, Jorge, “As Ilhas Lendárias e o Descobrimento dos Açores”, p. 52 - 54.
  • COUTO, Jorge, “Vieira e o domínio neerlândes da Cidade do Salvador da Bahia 1624–1625”, Oceanos, nº 30/31, 1997, pp. 110 – 132.
  • COUTO, Jorge, “A Expedição Cabralina: Casualidade versus Intencionalidade”, Oceanos, nº 39, 1999, pp. 18 – 31.
  • COUTO, Mia, “Quinze dias na Ilha de Moçambique”, pp. 88 – 92.
  • CRESPO, Victor, “Abraão Zacuto e a Ciência Náutica dos Descobrimentos Portugueses”, Oceanos, nº 29, 1997, pp. 119 – 128.
  • CRESPO, Victor, “Navegação Medieval Árabe”, Oceanos, nº 38, 1999, pp. 19 – 34.
  • CRUZ, Duarte Ivo, “O Mar no Teatro Português”, Oceanos, nº 47/48, 2001, pp. 184 – 198.
  • CRUZ, M. Augusta Lima, “O Tratado dos Gama de Diogo do Couto”, Oceanos, nº 33, 1998, pp. 117 – 134.
  • CRUZ, Maria Augusta Lima, “As Vozes da Índia nas Décadas da Ásia de Diogo do Couto”, Oceanos, nº 19/20, 1994, pp. 182 – 188.
  • CUNHA, Ana Cannas da, “Cristãos – novos e judeus entre Portugal e o Norte de África (século XVI)”, Oceanos, nº 29, 1997, pp. 85 – 91.
  • CUNHA, Paulo Manuel Ferreira da, “O Pescador: representações do homem e do seu meio no Cinema Português”, Oceanos, nº 47/48, 2001, pp. 200 – 212.
D
  • DELIÈGE, Robert, “Cristianismo e Intocabilidade numa aldeia Paraiyar (Sul da Índia)”, Oceanos, nº 34, 1998, pp. 164 – 172.
  • DELORS, Jacques, “A Europa do Mundo”, Oceanos, nº 16, 1993, p. 1.
  • DESWÄRTE, Silvie, “A Roma de D. Miguel da Silva”, pp. 104 – 107.
  • DIAS, Francisco Maduro, “O Culto do Espírito Santo”, pp. 79 – 81.
  • DIAS, Geraldo J. A. Coelho, “A religião dos pescadores portugueses”, Oceanos, nº 47/48, 2001, pp. 114 – 134.
  • DIAS, Jill, “África e os africanos no imaginário europeu”, Oceanos, nº 11, 1992, pp. 47 – 56.
  • DIAS, João José Alves, “Em Torno das Rimas de Camões (1595–1616). A Colecção da Biblioteca Nacional”, Oceanos, nº 23, 1995, pp. 24 – 48.
  • DIAS, Pedro, “Um tríptico manuelino na Catedral de Burgos”, Oceanos, nº 12, 1992, pp. 124 – 130.
  • DIAS, Pedro, “O Século do Infante. Os Homens e a Arte”, Oceanos, nº 17, 1994, pp. 49 – 56.
  • DIAS, Pedro, “A crónica iluminada de D. João I da Biblioteca Nacional de Madrid”, Oceanos, nº 26, 1996, pp. 10 – 22.
  • DIAS, Pedro, “As fortificações portuguesas da cidade magrebina de Safi”, Oceanos, nº 28, 1996, pp. 10 – 22.
  • DODERER, Gerhard, “A música nas bodas”, Oceanos, nº 6, 1991, pp. 126 – 130.
  • DOMINGUES, Ângela, “O Brasil de Maximiliano de WeidNeuwied. Ou as Aventuras de um Príncipe Alemão em Viagem por Terras Brasileiras”, Oceanos, nº 24, 1995, pp. 39 – 54.
  • DOMINGUES, Francisco Contente e GUERREIRO, Inácio, “Viver a Bordo”, Oceanos, nº 2, 1989, pp. 37 – 63.
  • DOMINGUES, Francisco Contente, “Os Navios de Cabral”, Oceanos, nº 39, 1999, pp. 70 – 80.
  • DOMINGUES, Francisco Contente, “Pedro Nunes”, Oceanos, nº 49, 2002, pp. 6 – 7.
  • DOMINGUES, Francisco Contente, “Fernando Oliveira crítico de Pedro Nunes”, Oceanos, nº 49, 2002, pp. 86 – 94.
  • DUARTE, Cristovão Fernandes, “São Luís e Belém: marcos inaugurais da conquista da Amazônia no período filipino”, Oceanos, nº 41, 2000, pp. 152 – 160.
E
  • EARLE, T. F., “A linguagem pictórica de João de Barros nas Décadas da Ásia”, Oceanos, nº 27, 1996, pp. 84 – 90.
  • ESPÍRITO SANTO, Arnaldo do, “Apresentação da Clavis Prophetarum.Trasmissão manuscrita, estrutura e aspectos do pensamento do Padre António Vieira (à memória de Margarida Vieira Mendes)”, Oceanos, nº 30/31, 1997, pp. 156 – 172.
  • ESTEVES, Maria Luísa, “O Cacheu em meados do séc. XIX”, Oceanos, nº 3, 1990, pp. 111 – 113.
F
  • F., A. M., “Do bom uso da matemática na propagação da fé”, Oceanos, nº 12, 1992, pp. 82 – 83.
  • F., A. M., “Padre Manuel Antunes. «Do Homem ao outro do Homem»”, Oceanos, nº 12, 1992, p. 118.
  • FAGUNDES, João, “Ribeira Grande. A cidade velha”, Oceanos, nº 5, 1990, pp. 78 – 84.
  • FALLORCA, Jorge, “Pavilhão de Portugal brilha entre dez”, Diário de Lisboa (30/11/89), Oceanos, nº 3, 1990, p. 18.
  • FARIA, Miguel, “As Plantas Tintureiras”, Oceanos, nº 6, 1991, pp. 66 – 78.
  • FARIA, Miguel, “O desenho em viagem”, Oceanos, nº 9, 1992, pp. 65 – 73.
  • FARIA, Miguel, “Vaticínios e superstições 1524 – 1577”, Oceanos, nº 13, 1993, pp. 50 – 57.
  • FARIA, Miguel, “Brasil: visões europeias da América Lusitana”, Oceanos, nº 24, 1995, pp. 70 – 100.
  • FARIA, Miguel, “Príncipe da Beira: a fortaleza para além dos limites”, Oceanos, nº 28, 1996, pp. 54 – 68.
  • FARIA, Miguel, “Mato Grosso: Estado Fronteira”, Oceanos, nº 40, 1999, pp. 161 – 178.
  • FARINHA, António Dias, “A Viagem de Pedro Álvares Cabral ao Brasil e à Índia”, Oceanos, nº 39, 1999, pp. 54 – 68.
  • FELGUEIRAS, Inês, “1940. A Exposição do Mundo Português”, Oceanos, nº 6, 1991, pp. 38 - 44.
  • FELGUEIRAS, José Jordão, “Arcas Indo–Portuguesas de Cochim”, Oceanos, nº 19/20, 1994, pp. 34 – 41.
  • FERNANDES, José Manuel, “Vestígios do Manuelino na Arquitectura Religiosa de Influência Portuguesa na ndia: Malabar, Coromandel, Goa”, Oceanos, nº 19/20, 1994, pp. 136 – 154.
  • FERNANDES, José Manuel, “Chaúl: Um percurso urbano e fotográfico”, Oceanos, nº 19/20, 1994, pp. 268 – 271.
  • FERNANDES, José Manuel, “Luís Benavente e as Fortalezas de África (1956–1973)”, Oceanos, nº 28, 1996, pp. 41 – 52.
  • FERNANDES, Maria Antónia Quina Carvalho, “Novos dados para um enigma”, Oceanos, nº 13, 1993, pp. 86 – 93.
  • FERREIRA, António Mega, [Editorial], Oceanos, nº 2, 1989, p. 3.
  • FERREIRA, António Mega, “Por causa de Tordesilhas”, Oceanos, nº 3, 1990, p. 11.
  • FERREIRA, António Mega, [Editorial], Oceanos, nº 4, 1990,p. 3.
  • FERREIRA, António Mega, [Editorial], Oceanos, nº 5, 1990, p. 3.
  • FERREIRA, António Mega, [Editorial], Oceanos, nº 6, 1991, p. 3.
  • FERREIRA, António Mega, [Editorial], Oceanos, nº 7, 1991, p. 3.
  • FERREIRA, António Mega, [Editorial], Oceanos, nº 8, 1991, p. 3.
  • FERREIRA, António Mega, [Editorial], Oceanos, nº 9, 1992, p. 3.
  • FERREIRA, António Mega, “Luís de Albuquerque (1917 – 1992)”, Oceanos, nº 9, 1992, pp. 8 – 9.
  • FERREIRA, António Mega, “Antes e Depois”, Oceanos, nº 9, 1992, pp. 18 – 21.
  • FERREIRA, António Mega, “Os Oceanos, Portugal e o Futuro Expo 98”, Oceanos, nº 10, 1992, pp. 112 – 118.
  • FERREIRA, António Mega, “2000 dias para inventar o futuro”, Oceanos, nº 11, 1992, pp. 5 – 7.
  • FERREIRA, António Mega, “Bibliografia”, Oceanos, nº 12, 1992, pp. 120 - 121.
  • FERREIRA, António Mega e MATOS, José Sarmento de, [Editorial], Oceanos, nº 13, 1993, p. 3.
  • FERREIRA, Mário Clemente, “Uma ideia de Brasil num mapa inédito de 1746”, Oceanos, nº 43, 2000, pp. 184 – 195.
  • FERRONHA, António Luís A., “A Pedagogia da Sujeição”, Oceanos, nº 8, 1991, pp. 56 – 61.
  • FIGUEIREDO, António José, “Memórias do Japão na Europa”, Oceanos, nº 15, 1993, pp. 15 - 16.
  • FIGUEIREDO, Luciano, “Furores sertanejos na América portuguesa: rebelião e cultura política no sertão do rio São Francisco, Minas Gerais (1736)”, Oceanos, nº 40, 1990, pp. 128 – 144.
  • FILHO, João Lopes, “Cabo Verde, as Ilhas Hesperitanas”, Oceanos, nº 46, 2001, pp. 84 – 96.
  • FLEXOR, Maria Helena Ochi, “Oficiais Mecânicos e a vida quotidiana no Brasil”, Oceanos, nº 42, 2000, pp. 70 – 84.
  • FLORENTINO, Manolo, “Um comércio singular: tráfico e traficantes de africanos no Rio de Janeiro (1790-1830)”, Oceanos, nº 44, 2000, pp. 40 – 58.
  • FLORENTINO, Manolo e MACHADO, Cacilda, “Miscigenação e exclusão no Rio de Janeiro c. 1800-1850”, Oceanos, nº 44, 2000, pp. 100 – 110.
  • FLORES, Jorge Manuel, “A Ilha de Ceilão e o Império Asiático Português”, Oceanos, nº 46, 2001, pp. 98 – 112.
  • FOLCH, Luisa Trias, “A obra do Padre António Vieira em Espanha”, Oceanos, nº 30/31, 1997, pp. 82 – 88.
  • FONSECA, Cláudia Damasceno, “Agentes e contextos das intervenções urbanísticas nas Minas Gerais do século XVIII”, Oceanos, nº 41, 2000, pp. 84 – 102.
  • FONSECA, Luís Adão da, “Bartolomeu Dias, do pouco que se sabe...”, Oceanos, nº 3, 1990, pp. 50 – 55.
  • FONSECA, Luís Adão da, “Europa 1492. «Retrato de um continente ache quinientos años»”, Oceanos, nº 3, 1990, p. 130.
  • FONSECA, Luís Adão da, “Significado do Tratado de Tordesilhas”, Oceanos, nº 18, 1994, pp. 8 – 10.
  • FONSECA, Luís Adão da, “Vasco da Gama: uma Biografia Fantástica”, Oceanos, nº 33, 1998, pp. 73 – 89.
  • FONTES, Luís Torres, “A Amazónia”, Oceanos, nº 2, 1989, pp. 96 – 99.
  • FONTES, Luís Torres, “Notas Históricas”, Oceanos, nº 2, 1989, pp. 100 – 103.
  • FONTES, Luís Torres, “A Lenda das Amazonas”, Oceanos, nº 2, 1989, pp. 104 – 106.
  • FRANZEN, Beatriz Vasconcelos, “O «descobrimento do Brasil» nos livros didáticos brasileiros”, Oceanos, nº 39, 1999, p. 156 - 161.
  • FREITAS, Caroline Cotta de Mello, “Deolinda Imperatriz Martins, uma imigrante portuguesa em São Paulo”, Oceanos, nº 44, 2000, pp. 144 – 152.
G
  • GRANDRY,  Marie Noëlle Pradel-De (Adaptado), “1998. Como se faz uma Exposição”, Oceanos, nº 3, 1990, pp. 25 – 30.
  • GARCIA, José Manuel, “«As Viagens Portuguesas à América»”, Oceanos, nº 4, 1990, p. 126.
  • GARCIA, José Manuel, “A Vila do Infante”, Oceanos, nº 5, 1990, pp. 9 – 18.
  • GARCIA, José Manuel, “Escavações Arqueológicas em Sagres”, Oceanos, nº 5, 1990, pp. 19 – 20.
  • GARCIA, José Manuel,Uma nova carta de marear: notícia do seu descobrimento”, Oceanos, nº 5, 1990, pp. 25 – 28.
  • GARCIA, José Manuel, “Os portugueses no Golfo”, Oceanos, nº 6, 1991, pp. 8 – 13.
  • GARCIA, José Manuel, “«Catálogo dos Impressos de Tipografia Portuguesa do Século XVI: A Colecção da Biblioteca Nacional»”, Oceanos, nº 6, 1991, p. 112.
  • GARCIA, José Manuel, “A «Peregrinação» e a literatura de viagens”, Oceanos, nº 7, 1991, pp. 43 – 49.
  • GARCIA, José Manuel, “De Rui de Pina a Duarte Lopes”, Oceanos, nº 8, 1991, pp. 44 – 55.
  • GARCIA, José Manuel, “Colombo em Portugal”, Oceanos, nº 10, 1992, pp. 27 – 30.
  • GARCIA, José Manuel, “O Livro de Lisuarte de Abreu”, Oceanos, nº 13, 1993, p. 120 – 121.
  • GARCIA, José Manuel, “Exposição: «Indes Merveilleuses»”, Oceanos, nº 13, 1993, p. 121.
  • GARCIA, José Manuel, “Desastres da Carreira da Índia, Porcelanas e a Liberdade dos Mares”, Oceanos, nº 14, 1993, pp. 24 – 27.
  • GARCIA, José Manuel, “Contradições e Diferenças de Costumes Entre a Europa e o Japão no Século XVI”, Oceanos, nº 15, 1993, pp. 44 – 47.
  • GARCIA, José Manuel, “A Carta de D. Manuel a Maximiliano Sobre o Descobrimento do Caminho Marítimo para a Índia”, Oceanos, nº 16, 1993, pp. 28 – 32.
  • GARCIA, José Manuel, “O Elogio do Infante D. Henrique pelo Humanista Poggio Bracciolini”, Oceanos, nº 17, 1994, pp. 12 – 14.
  • GARCIA, José Manuel, “Um pedido do Infante D. Henrique”, Oceanos, nº 17, 1994, p. 39.
  • GARCIA, José Manuel,O Encontro de D. João II com Cristóvão Colombo em 1483”, Oceanos, nº 17, 1994, pp. 104 – 108.
  • GARCIA, José Manuel, “A Minuta do Tratado de Tordesilhas”, Oceanos, nº 18, 1994, pp. 62 – 76.
  • GARCIA, José Manuel,D. Leonor e a «Grande Desavença»”, Oceanos, nº 18, 1994, pp. 114 – 118.
  • GARCIA, José Manuel, “Poder, História e Exotismo na Iluminura Portuguesa Quinhentista”, Oceanos, nº 26, 1996, pp. 25 – 48.
  • GARCIA, José Manuel, “Breve Roteiro das fortificações portuguesas no Estado da Índia”, Oceanos, nº 28, 1996, pp. 121 – 126.
  • GARCIA, José Manuel, “Vasco da Gama em Terras da Índia”, Oceanos, nº 33, 1998, pp. 93 – 114.
  • GARRIDO, Álvaro, “O Estado Novo e a frota bacalhoeira. Economia e política da pesca à linha”, Oceanos, nº 45, 2001, pp. 90 – 106.
  • GARRIDO, Álvaro, “O Estado Novo e a pesca do bacalhau. Encenação épica e representações ideológicas”, Oceanos, nº 45, 2001, pp. 124 – 134.
  • GIL, Juan, “As Ilhas Imaginárias”, Oceanos, nº 46, 2001, pp. 11 – 24.
  • GIRALDO, Manuel Lucena, “Reformar as florestas. O Tratado de 1777 e as demarcações entre a América espanhola e a América portuguesa”, Oceanos, nº 40, 1999, pp. 66 – 76.
  • GODINHO, Vitorino Magalhães, “Portugal e a Comemoração do Centenário da Independência do Brasil”, Oceanos, nº 49, 2002, pp. 149 – 152.
  • GOETHE, “Veneza”, Oceanos, nº 16, 1993, pp. 122 – 123.
  • GÓES, Synésio Sampaio, “Navegantes do Brasil”, Oceanos, nº 39, 1999, pp. 34 – 52.
  • GÓES, Synésio Sampaio, “Alexandre de Gusmão e o Tratado de Madrid”, Oceanos, nº 40, 1999, pp. 45 – 62.
  • GOLDSCHMIDT, Eliana Rea, “Vida Familiar em São Paulo Colonial. Alternativas conjugais e o «modo de vida dos casados» (1719-1822)”, Oceanos, nº 42, 2000, pp. 36 – 48.
  • GOMES, Luísa Costa, “Uma aventura na Holanda (Primeira Missão Diplomática de Vieira nos Países Baixos)”, Oceanos, nº 16, 1993,  pp. 126 – 128.
  • GOMES, Paulo Dórdio v. REAL, Manuel Luís
  • GOMES, Paulo Varela, “«Os Lusíadas» segundo Vieira Portuense”, Oceanos, nº 4, 1990, pp. 116 – 122.
  • GOMES, Paulo Varela e ROSSA, Walter, “O primeiro território. Bombaim e os Portugueses”, Oceanos, nº 41, 2000, pp. 210 – 224.
  • GONÇALVES, António Manuel, “Navios com História. Lugares do gelo, cisnes dos oceanos”, Oceanos, nº 45, 2001, pp. 154 – 175.
  • GONÇALVES, António Manuel, “A náutica no Roteiro de Lisboa a Goa (1538), de D. João de Castro: inovações e continuidade”, Oceanos, nº 49, 2002, pp. 68 – 80.
  • GOULÃO, Maria-José, “Ourivesaria Luso-Brasileira no Rio da Prata”, Oceanos, nº 4, 1990, pp. 36 – 42.
  • GRANJA, Cecília, “Os monstros no imaginário quinhentista”, Oceanos, nº 13, 1993, pp. 72 – 75.
  • GSCHWEND, Annemarie Jordan, “Catarina de Áustria: Colecção e Kunstkammer de uma Princesa Renascentista”, Oceanos, nº 16, 1993, pp. 62 – 70.
  • GUEDES, Maria Ana Marques, “O estabelecimento português no Sirião segundo uma crónica birmane”, Oceanos, nº 32, 1997, pp. 35 – 43.
  • GUEDES, Max Justo, “Brasil – O Museu Naval e Oceanográfico”, Oceanos, nº 22, 1995, pp. 8 – 13.
  • GUEDES, Max Justo, “Portugal e o Mar”, Oceanos, nº 38, 1999, pp. 8 – 15.
  • GUEDES, Max Justo, “O Descobrimento do Brasil”, Oceanos, nº 39, 1999, pp. 8 – 16.
  • GUERREIRO, António, “ Lusitália”, Expresso (22/12/90), Oceanos, nº 6, 1991, p. 32.
  • GUERREIRO, Inácio, “Particularidades da vida no mar”, Oceanos, nº 38, 1999, pp. 149 – 160.
  • GUERREIRO, Inácio, “A revelação da Imagem do Brasil (1500-1540)”, Oceanos, nº 39, 1999, pp. 114 – 126.
  • GUERREIRO, Inácio, “Fonteiras do Brasil Colonial. A cartografia dos limites na segunda metade do século XVIII”, Oceanos, nº 40, 1999, pp. 24 – 42.
  • GUERREIRO, Inácio, “Reflexos Carto-Geográficos das Navegações no Atlântico Noroeste no século XVI”, Oceanos, nº 45, 2001, pp. 32 – 46.
  • GUERREIRO, Inácio, “Tradição e Modernidade nos Isolarios ou «Livros de Ilhas» dos séculos XV e XVI”, Oceanos, nº 46, 2001, pp. 28 – 40.
  • GUERREIRO, Inácio v. DOMINGUES, Francisco Contente
  • GUILLAUME, Jean, “Relatório sobre S. João da Foz”, pp. 111 – 113.
  • GUY, John, “Têxteis, Sociedade e Comércio no Oceano Índico”, Oceanos, nº 34, 1998, pp. 41 – 50.
H
  • HAASUM, Sibylla v. KVARING, Lars – Ake
  • HENRIQUES, Cristina Delgado, “Velha Goa”, Oceanos, nº 19/20, 1994, pp. 199 – 202.
  • HENRIQUES, Isabel Castro, “As Outras Africanas: As reais e as inventadas”, Oceanos, nº 21, 1995, pp. 53 – 63.
  • HENRIQUES, Paulo, “Conto da Maia (1890 – 1981)”, Oceanos, nº 6, 1991, pp. 96 – 107.
  • HENRIQUES, Paulo, “Módulo, padrão e jogo. Azulejos de repetição na segunda metade do século XX”, Oceanos, nº 36/37, 1999, pp. 253 – 269.
  • HESPANHA, António Manuel, “O Estatuto Jurídico da Mulher na Época da Expansão”, Oceanos, nº 21, 1995, pp. 8 – 16.
  • HESPANHA, António Manuel, “Editorial”, p. 5.
  • HESPANHA, António Manuel, “Editorial”, Oceanos, nº 26, 1996, p. 5.
  • HESPANHA, António Manuel, “Editorial”, Oceanos, nº 27, 1996, p. 5.
  • HESPANHA, António Manuel, “Editorial”, Oceanos, nº 28, 1996, p. 5.
  • HESPANHA, António Manuel, “Editorial”, Oceanos, nº 29, 1997, p. 5.
  • HESPANHA, António Manuel, “Editorial”, Oceanos, nº 30/31, 1997, p. 5.
  • HESPANHA, António Manuel, “Editorial”, Oceanos, nº 32, 1997, p. 5.
  • HESPANHA, António Manuel, “Editorial”, Oceanos, nº 33, 1998, p. 7.
  • HESPANHA, António Manuel, “Editorial”, Oceanos, nº 34, 1998, p. 7.
  • HESPANHA, António Manuel, “Editorial”, Oceanos, nº 35, 1998, p. 5.
  • HESPANHA, António Manuel, “Editorial”, Oceanos, nº 36/37, 1999, p. 5.
  • HIGUERAS RODRIGUEZ, Maria Dolores, “Espanha – Valiosa e Profunda Memória”, Oceanos, nº 22, 1995, pp. 16 – 26.
  • HORCH, Rose Marie Erika, “Notas Bibliográficas sobre a obra do Príncipe Maximiliano de Wied – Neuwied”, Oceanos, nº 24, 1995, pp. 102 – 110.
I
  • INTINO, Rafaella D’, “A «utopia chinesa» de Fernão Mendes Pinto”, Oceanos, nº 7, 1991, pp. 67 – 71.
  • INTINO, Rafaella D’, “A Viagem das Palavras”, Oceanos, nº 13, 1993, pp. 36 – 38.
  • INTINO, Rafaella D’, “A Imagem da China nas Informações Portuguesas do Século XVI”, Oceanos, nº 14, 1993, pp. 28 – 30.
  • IGNATIA, Irmã (Rumiko Kataoka), “Fundação e Organização da Confraria da Misericórdia de Nagasáqui”, Oceanos, nº 35, pp. 111 – 120.
  • ISÓCRATES, “Elogio de Atenas”, Oceanos, nº 16, 1993,p. 121.
J
  • JAMBA, José Sousa, “Reflexões Sobre uma Europa Multiétnica”, Oceanos, nº 16, 1993, pp. 49 – 51.
  • JÚNIOR, Romeu Darte, “Ceará no século XVIII: Icó, Aracati e Sobral”, Oceanos, nº 41, 2000, pp. 104 – 118.
K
  • KAMAT, Pratima, “Instituições Cristãs de Caridade e a Mulher em Goa (1510 – 1835)”, Oceanos, nº 21, 1995, pp. 45 – 51.
  • KAVAFIS, Constandinos, “Reis de Alexandria”, Oceanos, nº 16, 1993, pp. 130.
  • KERN, Arno Alvarez, “Nas Fonteiras do Brasil Meridional: Jesuítas, Bandeirantes e Guaranis”, Oceanos, nº 40, 1999, pp. 112 – 126.
  • KNOPFLI, Rui, “Muipiti”, p. 109.
  • KNOPFLI, Rui, “Mesquita grande”, p. 117.
  • KORCHAGIN, E., “Rússia – A Casa que Encerra os Tesouros da Glória Naval Russa”, Oceanos, nº 22, 1995, pp. 72 – 78.
  • KVARING, Lars – Ake e HAASUM, Sibylla, “Suécia – Dois Museus e Uma Memória”, Oceanos, nº 22, 1995, pp. 81 – 93.
L
  • LACERDA, Alberto de, “L’Isle joyeuse”, p. 113.
  • LEÃO, Francisco G. Cunha, “Os Caminhos da Piedade: o impressor Valentim Fernandes e a Misericórdia de Lisboa”, Oceanos, nº 35, 1998, pp. 80 – 88.
  • LEITÃO, Ana Maria Ramalho Prosérpio, “1623. O Afastamento”, Oceanos, nº 15, 1993, pp. 72 – 78.
  • LEITÃO, Henrique, “Sobre a difusão europeia da obra de Pedro Nunes”, Oceanos, nº 49, 2002, pp. 110 – 128.
  • LEITE, Ana Cristina, “A Lisboa de Camões”, pp. 31 – 35.
  • LEITE, José Guilherme Reis, “Os Cortes Reais: O Ramo Açoriano e o Seu Significado”, pp. 87 – 91.
  • LELLO, Maria João Ortigão v. TRIGUEIROS, António Miguel
  • LEME, Carlos Câmara, “À espera de meio milhão de portugueses”, Público (11/12/91), Oceanos, nº 9, 1992, p. 16.
  • LEMOS, Manuel Jorge Correia de, “Reviver a Ilha, na Mafalala”, pp. 60 – 64.
  • LEMOS, Virgílio de, “Sophia: «As navegações portuguesas foram uma epopeia do espanto»”, [Entrevista a Sophia de Mello Breyner Andresen], Oceanos, nº 4, 1990, p. 127 – 130.
  • LEMOS, Virgílio de, “Êxito em França da «Peregrinação»”, Oceanos, nº 7, 1991, pp. 78 - 79.
  • LEMOS, Virgílio de, “De Camões a Mafalala ou o milagre da língua”, [Entrevista a José Craveirinha], Oceanos, nº 8, 1991, pp. 127 – 130.
  • LISBOA, Eugénio, “Sonhar Europa”, Oceanos, nº 16, 1993, pp. 52 – 53.
  • LISBOA, Eugénio, “Camões, a Ilha de Moçambique e Nós”, pp. 76 – 80.
  • LLANSOL, Maria Gabriela, “Nós Estamos de Volta”, Oceanos, nº 2, 1989, pp. 129 – 130.
  • LOBATO, Manuel, “A Ilha de Moçambique antes de 1800. Algumas Notas Sobre a História e o Património de uma Capital Colonial”, pp. 10 – 26.
  • LOBO, Manuela Sousa, “Austrolírica”, p. 119.
  • LOPES, Carlos, “Mosaicos que Encaixam”, Oceanos, nº 16, 1993, pp. 36 – 38.
  • LOPES, Marília, “Documentos sobre a História da Expansão Europeia. Encontro de professores na Alemanha”, p. 46.
  • LOPES, Marília, “Carta da Alemanha”, p. 120.
  • LOPES, Marília, “Brasiliana. Uma colecção particular exposta em Heidelberg”, Oceanos, nº 2, 1989, p. 116.
  • LOPES, Marília dos Santos, “Portugueses do século XVI no Trachtenbuch de Christoph Weiditz”, Oceanos, nº 26, 1996, pp. 104 – 107.
  • LOPES, Óscar, “Apologia e Crítica Contemporâneas da Expansão”, Oceanos, nº 18, 1994, pp. 126 – 131.
  • LOPES, Óscar, “Camões. Um Pacto de Leitura”, Oceanos, nº 23, 1995, pp. 8 – 20.
  • LOUREIRO, Rui Manuel, “Lagos e o Infante D. Henrique”, Oceanos, nº 17, 1994, pp. 41 – 47.
  • LOURENÇO, Eduardo, “Portugal e a Europa”, p. 123 - 130.
  • LOURENÇO, Eduardo, “O Livro do Deslumbramento”, Oceanos, nº 7, 1991, pp. 58 – 62.
  • LOURENÇO, Eduardo, “Portugal e os Jesuítas”, Oceanos, nº 12, 1992, pp. 47 – 53.
  • LOURENÇO, Eduardo,Portugal: Entre a Realidade e o Sonho”, Oceanos, nº 16, 1993, pp. 10 – 11.
  • LUÍS, Fernando, “Europalia 91 Portugal”, Oceanos, nº 8, 1991, pp. 26 – 30.
  • LUÍS, Fernando, “Europália 91 Portugal. Um balanço”, Oceanos, nº 9, 1992, pp. 92 – 95.
  • LUÍS, Fernando, “Onde o Mar Acaba. Antologia de Poesia e Prosa sobre as Descobertas”, Oceanos, nº 9, 1992, p. 113.
M
  • MACEDO, Jorge Borges de, “A política atlântica de D. João II e o Mediterrâneo”, Oceanos, nº 3, 1990, pp. 62 – 70.
  • MACEDO, Jorge Borges de, “O Mar e a História”, Oceanos, nº 10, 1992, pp. 65 – 71.
  • MACEDO, Jorge Borges de, “Tratado de Tordesilhas. Relatividade e relevâncias”, Oceanos, nº 18, 1994, pp. 24 – 30.
  • MACEDO, Jorge Borges de, “Mulheres e Política no Século XV Português. Consideração crítica”, Oceanos, nº 21, 1995, pp. 18 – 24.
  • MACHADO, Cacilda v. FLORENTINO, Manolo
  • MACHADO, Raúl de Sousa v. REIS, António Estácio dos
  • MACHADO, Raúl Sousa, “Das Barcas aos Galeões”, Oceanos, nº 38, 1999, pp. 98 – 110.
  • MAGALHÃES, Ana Maria e ALÇADA, Isabel, “Negócio da China”, Oceanos, nº 14, 1993, pp. 125 – 128.
  • MAGALHÃES, Ana Maria e ALÇADA, Isabel, “Henrique, O Príncipe dos Oceanos”, Oceanos, nº 17, pp. 133 – 136.
  • MAGALHÃES, Ana Maria e ALÇADA, Isabel, “Os Portugueses na Europa”, Oceanos, nº 16, pp. 133 – 136.
  • MAGALHÃES, Isabel Allegro, “A «Boa Selvagem» n’ A Carta, de Pero Vaz de Caminha: Um olhar europeu, masculino, de Quinhentos”, Oceanos, nº 21, 1995, pp. 26 – 31.
  • MAGALHÃES, Joaquim Romero, “Editorial”, Oceanos, nº 38, 1999, p. 5.
  • MAGALHÃES, Joaquim Romero, “Editorial”, Oceanos, nº 39, 1999, p. 5.
  • MAGALHÃES, Joaquim Romero, “O reconhecimento da costa”, Oceanos, nº 39, 1999, pp. 102 – 112.
  • MAGALHÃES, Joaquim Romero, “Editorial”, Oceanos, nº 40, 1999, p. 5.
  • MAGALHÃES, Joaquim Romero, “Editorial”, Oceanos, nº 41, 2000, p. 5.
  • MAGALHÃES, Joaquim Romero, “Editorial”, Oceanos, nº 42, 2000, p. 5.
  • MAGALHÃES, Joaquim Romero, “Editorial”, Oceanos, nº 43, 2000, p. 5.
  • MAGALHÃES, Joaquim Romero, “Editorial”, Oceanos, nº 44, 2000, p. 5.
  • MAGALHÃES, Joaquim Romero, “Editorial”, Oceanos, nº 45, 2001, p. 5.
  • MAGALHÃES, Joaquim Romero, “Ilhas, isolamento, solidão”, [Editorial], Oceanos, nº 46, 2001, p. 5.
  • MAGALHÃES, Joaquim Romero, “Editorial”, Oceanos, nº 47/48, 2001, p. 5.
  • MAGALHÃES, Joaquim Romero, “Editorial”, Oceanos, nº 49, 2002, p. 5.
  • MAIA, Pedro Moacir, “Uma visão panorâmica da Azulejaria e na Iconografia na Igreja e no Convento da Ordem Terceira de S. Francisco, em Salvador, Bahia”, Oceanos, nº 36/37, 1999, pp. 88 – 98.
  • MALLEY, Richard C., “Estados Unidos da América – O Controlo dos Mares”, Oceanos, nº 22, 1995, pp. 29 – 36.
  • MARKL, Dagoberto L., “O Xadrez e os Descobrimentos. O Tempo de João de Barros (1496–1570)”, Oceanos, nº 27, 1996, pp. 92 – 98.
  • MARQUES, Alfredo Pinheiro, “Um Novo Mapa e a Sua Representação do Atlântico Pré-Colombiano”, pp. 55 – 57.
  • MARQUES, Luísa Pacheco, “Génova 92. Pavilhão Português”, Oceanos, nº 10, 1992, pp. 18 – 21.
  • MARQUES, Francisco Correia, “A Pesca do Bacalhau”, Oceanos, nº 45, 2001, pp. 136 – 152.
  • MARQUES, João Francisco, “O Pescador Poveiro na História e na Literatura”, Oceanos, nº 47/48, 2001, pp. 162 – 182.
  • MARTINS, Guilherme d’Oliveira, “Europa: Abertura e Interesses Comuns - A Liberdade Solidária”, Oceanos, nº 16, 1993, pp. 24 – 27.
  • MARTINS, Maria João, “A malta das naus”, Diário de Lisboa (05/01/90), Oceanos, nº 3, 1990, p. 18.
  • MARTINS, Rui Sousa, “Os Processos Criativos e as Origens do Povoamento”, Oceanos, nº1, 1989, pp. 65 – 67.
  • MARTINS, Vasco, “Variações sobre a origem da morna”, Oceanos, nº 5, 1990, pp. 94 – 96.
  • MARX, Murillo, “Costa do Mar e Serra Acima”, Oceanos, nº 42, 2000, pp. 86 – 96.
  • MATHIAS, Marcello, “A Memória Presente”, Oceanos, nº 19/20, 1994, p. 3.
  • MATOS, Artur Teodoro de, “Açores: Ponto de Convergência de Rotas Comerciais”, pp. 83 – 86.
  • MATOS, Artur Teodoro de, “Rotas portuguesas do Atlântico”, Oceanos, nº 10, 1992, pp. 80 – 85.
  • MATOS, José Sarmento de, “Açores: O Fascínio do Atlântico”, p. 50.
  • MATOS, José Sarmento de, “S. João da Foz. Entre Sonhos e Realidades”, p. 103.
  • MATOS, José Sarmento de, “O Fascínio do Atlântico”, p. 50.
  • MATOS, José Sarmento de, “Representação das Armas de Lisboa”, Oceanos, nº 2, 1989, pp. 24 - 25.
  • MATOS, José Sarmento de, “Cascais. Os Segredos da Fortaleza”, Oceanos, nº 2, 1989, p. 65.
  • MATOS, José Sarmento de, “Retábulo da Igreja de Jesus de Setúbal”, Oceanos, nº 2, 1989, p. 83.
  • MATOS, José Sarmento de, “No Rio das Amazonas”, Oceanos, nº 2, 1989, p. 93.
  • MATOS, José Sarmento de, “As Navegações Portuguesas no Atlântico e no Índico”, Oceanos, nº 2, 1989, p. 119.
  • MATOS, José Sarmento de, “Tratado de Seguros de Pedro de Santarém”, Oceanos, nº 2, 1989, p. 119.
  • MATOS, José Sarmento de, [Editorial], Oceanos, nº 3, 1990, p. 3.
  • MATOS, José Sarmento de, “Bartolomeu Dias. O capitão do fim”, Oceanos, nº 3, 1990, pp. 48 - 49.
  • MATOS, José Sarmento de, “Palácio Almada-Carvalhais: Uma ruína lisboeta”, Oceanos, nº 3, 1990, p. 91.
  • MATOS, José Sarmento de, “Um Homem, Uma Casa, Uma Família”, Oceanos, nº 3, 1990, pp. 93 – 95.
  • MATOS, José Sarmento de, “Comemorar as Comemorações”, Oceanos, nº 3, 1990, p. 115.
  • MATOS, José Sarmento de, “A ordem Santiago”, Oceanos, nº 4, 1990, pp. 56 – 57.
  • MATOS, José Sarmento de, “Hospitais de Lisboa no Século XV”, Oceanos, nº 4, 1990, p. 102.
  • MATOS, José Sarmento de, “Comemorar as Comemorações”, Oceanos, nº 4, 1990, pp. 114 – 115.
  • MATOS, José Sarmento de, “Ver Cabo Verde”, Oceanos, nº 5, 1990, pp. 50 – 51.
  • MATOS, José Sarmento de, “Borges de Macedo: «Os Portugueses deram à Europa a noção dos Oceanos»”, [Entrevista a Borges de Macedo], Oceanos, nº 5, 1990, pp. 126 – 130.
  • MATOS, José Sarmento de, “1940. A Exposição que mudou Belém”, Oceanos, nº 6, 1991, p. 36.
  • MATOS, José Sarmento de, “Comemorar a Restauração”, Oceanos, nº 6, 1991, p. 79.
  • MATOS, José Sarmento de, “Marfins em exposição”, Oceanos, nº 8, 1991, pp. 8 - 9.
  • MATOS, José Sarmento de, Brilhos Régios”, Oceanos, nº 8, 1991, p. 10.
  • MATOS, José Sarmento de, “Josefa de Óbidos em exposição”, Oceanos, nº 8, 1991, p. 12.
  • MATOS, José Sarmento de, “O Congo no Século XIX”, Oceanos, nº 8, 1991, pp. 62 – 66.
  • MATOS, José Sarmento de, “A Senhora do Povo”, Oceanos, nº 8, 1991, pp. 79 – 88.
  • MATOS, José Sarmento de, “A Baixela da Coroa Portuguesa”, Oceanos, nº 8, 1991, p. 120.
  • MATOS, José Sarmento de, “D. João II – um percurso humano e político nas origens da modernidade em Portugal”, Oceanos, nº 8, 1991, p. 121.
  • MATOS, José Sarmento de, “O confronto do olhar. O encontro dos povos na época das Navegações portuguesas”, Oceanos, nº 8, 1991, p. 121.
  • MATOS, José Sarmento de, “1992”, Oceanos, nº 9, 1992, pp. 90 – 91.
  • MATOS, José Sarmento de, “José Mattoso: «Questões históricas são aquelas que nos atingem, o resto é erudição»”, [Entrevista a José Mattoso], Oceanos, nº 9, 1992, pp. 125 – 130.
  • MATOS, José Sarmento de, “Colombo”, Oceanos, nº 10, 1992, pp. 24 - 26.
  • MATOS, José Sarmento de, “Portugal e o Mar”, Oceanos, nº 10, 1992, pp. 62 – 64.
  • MATOS, José Sarmento de, “Charles R. Boxer. O português visto de fora”, Oceanos, nº 11, 1992, p. 25.
  • MATOS, José Sarmento de, «Sucesso do segundo cerco de Diu» de Jerónimo Corte–Real”, Oceanos, nº 11, 1992, pp. 90 – 91.
  • MATOS, José Sarmento de, Sevilha”, Oceanos, nº 11, 1992, pp. 114 – 130.
  • MATOS, José Sarmento de, “Os Jesuítas e a Ideia de Portugal”, Oceanos, nº 12, 1992, pp. 36 – 39.
  • MATOS, José Sarmento de, “Padre António Vieira”, Oceanos, nº 12, 1992, pp. 54 – 55.
  • MATOS, José Sarmento de, “O Convento da Arrábida. As Conferências do Convento”, Oceanos, nº 13, 1993, pp. 6 – 15.
  • MATOS, José Sarmento de, “Medos, Fantasias e Visões”, Oceanos, nº 13, 1993, pp. 41 – 43.
  • MATOS, José Sarmento de, “As Tapeçarias de D. João de Castro”, Oceanos, nº 13, 1993, pp. 82 – 83.
  • MATOS, José Sarmento de, “Ideias e imagens em Portugal na época dos Descobrimentos. Francisco de Holanda e a  Teoria da Arte”, Oceanos, nº 13, 1993, p. 120.
  • MATOS, José Sarmento de, “Portugal e a Ordem de Malta. Aspectos da Europa”, Oceanos, nº 13, 1993, p. 120.
  • MATOS, José Sarmento de, “A Aventura das Plantas”, Oceanos, nº 13, 1993, p. 121.
  • MATOS, José Sarmento de, “As regências na menoridade de D. Sebastião. Elementos para história estrutural”, Oceanos, nº 13, 1993, p. 121.
  • MATOS, José Sarmento de v. FERREIRA, António Mega
  • MATOS, Jorge Semedo de, “A navegação atlântica dos portugueses em 1500”, Oceanos, nº 39, 1999, pp. 82 – 99.
  • MATOS, Luís Jorge Semedo de, “O Atlântico Noroeste e a Terra Nova (Terra dos Corte Reais)”, Oceanos, nº 45, 2001, pp. 8 – 20.
  • MATOS, Luís Jorge Semedo de, “Em defensam da carta de marear”, Oceanos, nº 49, 2002, pp. 36 – 52.
  • MATOS, Maria Antónia Pinto de, “Porcelanas de Encomenda. Histórias de um Intercâmbio Cultural entre Portugal e a China”, Oceanos, nº 14, 1993, pp. 40 – 56.
  • MATOS, Maria Vitalina Leal de, “O Mar em Camões”, Oceanos, nº 23, 1995, pp. 54 – 65.
  • MATOS, Rita Cortez de, “O Cosmógrafo-Mor: O Ensino Náutico em Portugal nos séculos XVI e XVII”, Oceanos, nº 38, 1999, pp. 55 – 64.
  • MAXWELL, Kenneth, “O adeus a Colombo”, Oceanos, nº 13, 1993, pp. 122 – 130.
  • MCPHERSON, Kenneth, “Uma História de Duas Conversões: Deus, a Cobiça e o Desenvolvimento de Novas Comunidades na Região do Oceano Índico”, Oceanos, nº 34, 1998, pp. 74 – 85.
  • MEA, Elvira Cunha de Azevedo, “Resistência da minoria judaica transmontana à assimilação (século XVI)”, Oceanos, nº 29, 1997, pp. 71 – 82.
  • MECO, José, “A Expansão da Azulejaria Portuguesa”, Oceanos, nº 36/37, 1999, pp. 8 – 17.
  • MECO, José, “Azulejaria Portuguesa na Bahia”, Oceanos, nº 36/37, 1999, pp. 52 – 86.
  • MECO, José, “Glossário”, Oceanos, nº 36/37, 1999, pp. 270 – 272.
  • MELLID-FRANCO, Luísa, "A world on the move”, Oceanos, nº 14, 1993, p. 18.
  • MELLID-FRANCO, Luísa, “O Japão visto pelos Portugueses”, Oceanos, nº 15, 1993, p 11.
  • MELO, António, “Os Descobrimentos em imagens”, Público, (21/09/91), Oceanos, nº 9, 1992, p. 16.
  • MELO, Eurico de, “Mensagem do Presidente de Honra Para as Comemorações dos 450 Anos da Chegada dos Portugueses ao Japão”, Oceanos, nº 15, 1993, p. 1.
  • MENDES, Luís Filipe de Castro, “Monólogo da Rainha Maria Teresa da Hungria e Boémia a Propósito do Conselheiro da sua Corte Manuel Teles da Silva Tarouca”, Oceanos, nº 16, 1993, p. 120.
  • MENDES, Orlando, Minha Ilha”, p. 115.
  • MENDONÇA, Manuela, “D. João II e a Europa do seu Tempo: Uma visão das relações externas de Portugal”, Oceanos, nº 18, 1994, pp. 86 – 98.
  • MENDONÇA, Manuela, “A Iluminura nos Arquivos Nacionais: conservação e comunicação”, Oceanos, nº 26, 1996, pp. 83 – 88.
  • MENESES, Avelino de Freitas de, “Povoamento e Administração”, pp. 59 – 64.
  • MENESES, José de Vasconcelos e, “Cristóvão de Mendonça e a nau Vitória”, Oceanos, nº 5, 1990, pp. 41 – 42.
  • MENEZES, José Luiz Mota, “Olinda e o Recife: 1537-1630”, Oceanos, nº 41, 2000, pp. 136 – 150.
  • MERWE, Pieter Van Der, “Grã–Bretanha – Colecções de Três Museus”, Oceanos, nº 22, 1995, pp. 46 – 56.
  • MIRANDA, José A. Bragança de, “Europa e Extraterritorialidade”, Oceanos, nº 16, 1993, pp. 94 – 101.
  • MIRANDA, Tiago C. P. dos Reis, “Rasgos de Veracidade”, [Recensão Crítica], Oceanos, nº 39, 1999, pp. 170 – 172.
  • MONTEIRO, João Pedro, “O frontal de altar da capela de Nossa Senhora da Piedade, Jaboatão, Pernambuco”, Oceanos, nº 36/37, 1999, pp. 158 – 176.
  • MONTEIRO, Maria Inês Líbano, “A Quarta Coberta. Novos dados sobre a Baixela do Germain”, Oceanos, nº 47/48, 2001, pp. 226 – 240.
  • MONTEIRO, Sandra Amaral, “1582. O Apogeu”, Oceanos, nº 15, 1993, pp. 58 – 63.
  • MOREIRA, Rafael, “A Obra de D. Miguel da Silva”, pp. 108 – 110.
  • MOREIRA, Rafael, “Arquitectura Militar: História da Arte e Arqueologia”, Oceanos, nº 2, 1989, pp. 66 – 67.
  • MOREIRA, Rafael, “D. Álvaro de Castro. Filho do vice-rei”, Oceanos, nº 13, 1993, pp. 96 – 98.
  • MOREIRA, Rafael, “A Primeira Comemoração: O Arco dos Vice–Reis”, Oceanos, nº 19/20, 1994, pp. 156 – 160.
  • MOREIRA, Rafael, e THOMAS, William M., “Desventuras de João de Barros primeiro colonizador do Maranhão. O achado da nau de Aires da Cunha naufragada em 1536”, Oceanos, nº 27, 1996, pp. 101 – 111.
  • MORENO, Humberto Baquero, O Infante D. Henrique na Regência do Infante D. Pedro”, Oceanos, nº 17, 1994, pp. 16 – 18.
  • MORENO, Humberto Baquero, “Dois negociantes do Tratado de Tordesilhas: Rui de Sousa e João de Sousa”, Oceanos, nº 18, 1994, pp. 12 – 14.
  • MOURA, Vasco Graça, “Editorial”, p. 3.
  • MOURA, Vasco Graça, “O Retrato pintado a Vermelho”, pp. 18 – 25.
  • MOURA, Vasco Graça, “Retratos de Isabel”, Oceanos, nº 3, 1990, pp. 35 – 46.
  • MOURA, Vasco Graça, “Mensagem da C.N.C.D.P. na visita das caravelas de Espanha”, Oceanos, nº 8, 1991, p. 13.
  • MOURA, Vasco Graça, [Editorial], Oceanos, nº 10, 1992, p. 3.
  • MOURA, Vasco Graça, “Camões e os Descobrimentos”, Oceanos, nº 10, 1992, pp. 44 – 49.
  • MOURA, Vasco Graça, [Editorial], Oceanos, nº 14, 1993, p. 1.
  • MOURA, Vasco Graça, “Uns Panos Pintados que se Dobram ou Editorial com Paraventos”, Oceanos, nº 15, 1993, pp. 4 – 8.
  • MOURA, Vasco Graça, “Viagens na Nossa Terra” [Editorial], Oceanos, nº 16, 1993, p. 5.
  • MOURA, Vasco Graça, “Camões e uma Concepção da Europa”, Oceanos, nº 16, 1993, pp. 58 – 61.
  • MOURA, Vasco Graça,O Toucado de Roma (Gaspar Correia, Erasmo, Gil Vicente e o Mais que se Verá)”, Oceanos, nº 16, 1993, pp. 72 – 85.
  • MOURA, Vasco Graça, “Itinerário da Terra Santa, um quarteto”, Oceanos, nº 16, 1993, pp. 108 – 109.
  • MOURA, Vasco Graça, “Brilho das Esferas” [Editorial], Oceanos, nº 17, 1994, p. 5.
  • MOURA, Vasco Graça, “Tordesilhas e algumas diagonalidades” [Editorial], Oceanos, nº 18, 1994, p. 5.
  • MOURA, Vasco Graça, “Indo-Portuguesmente Falando” [Editorial], Oceanos, nº 19/20, 1994, p. 2.
  • MOURA, Vasco Graça, “Mulheres no Mar Salgado” [Editorial], Oceanos, nº 21, 1995, pp. 4 – 5.
  • MOURA, Vasco Graça, “Heranças de Neptuno” [Editorial], Oceanos, nº 22, 1995, p. 5.
  • MOURA, Vasco Graça, “regresso de camões a lisboa”, [Editorial], Oceanos, nº 23, 1995, pp. 4 – 5.
  • MOURA, Vasco Graça, “Uma viagem ao Brasil” [Editorial], Oceanos, nº 24, 1995, p. 7.
  • MOURA, Vasco Graça, “A ilha que não se chamava assim”, Oceanos, nº 46, 2001, pp. 125 - 127.
  • MOURÃO, António Martins, “Flor de la Mar: tesouro a fundo perdido”, Oceanos, nº 5, 1990, pp. 114 – 115.
  • MOURÃO, António Martins, “Daniel Boorstin: «O propósito do Infante era alcançar o desconhecido»”, [Entrevista a Daniel Boorstin], Oceanos, nº 6, 1991, pp. 19 – 21.
  • MOURÃO, António Martins, “John Roberts a Oceanos: «É impossível conceber Colombo sem a inspiração portuguesa»”, [Entrevista a John Roberts], Oceanos, nº 7, 1991, pp. 22 – 23.
  • MOURÃO, Isabel A. Tavares, “Notícias do Laos...”, Oceanos, nº 32, 1997, pp. 87 – 101.
  • MOURÃO, Isabel A. Tavares, “Olhares portugueses sobre o reino do Dai-Viet no século XVI e na primeira metade do século XVII”, Oceanos, nº 32, 1997, pp. 105 – 117.
N
  • NASCIMENTO, Aires A., “Leitura de Príncipes: Gui de Warwick, um Romance de Cavalaria na Corte de Avis”, Oceanos, nº 17, 1994, pp. 58 – 64.
  • NETO, Maria Amélia, “Caminhos e Vozes”, Oceanos, nº 11, 1992, pp. 103 – 105.
  • NEVES, Guilherme Pereira das, “Um Mundo ainda Encantado. Religião e Religiosidade ao fim do Período Colonial”, Oceanos, nº 42, 2000, pp. 114 – 130.
  • NEVES, Leonor Curado, “A Menina e Moça de Bernardim Ribeiro e os debates em torno da Mulher”, Oceanos, nº 21, 1995, pp. 72 – 79.
  • NEVES, Lúcia Maria Bastos P., “A Política na Praça Pública ao fim do Período Colonial”, Oceanos, nº 42, 2000, pp. 148 – 160.
  • NEWITT, Malyn, “O impacto dos portugueses no comércio, política e estruturas de parentesco da África Oriental no século XVI”, Oceanos, nº 34, 1998, pp. 62 – 72.
  • NÓBREGA, Tolentino de, “«O português como língua de encontros»”, O Público, (06/06/90), Oceanos, nº 4, 1990, p. 27.
  • NOGUEIRA, Ana Maria de Moura, “Ponta d’Areia: um bairro português em Niterói”, Oceanos, nº 44, 2000, pp. 112 – 122.
  • NOGUEIRA, Fernando, “Palavras Proferidas pelo Ministro da Presidência e da Defesa Nacional e Presidente da Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses por Ocasião da Cerimónia de Inauguração das Comemorações do VI Centenário do Nascimento do Infante D. Henrique no Porto”, Oceanos, nº 17, 1994, p. 1.
  • NOGUEIRA, Paulo, “Manuel Graça Dias: «O nosso projecto é uma homenagem à forma portuguesa de construir cidades»”, [Entrevista a Manuel Graça Dias], Oceanos, nº 3, 1990, p. 22 – 24.
  • NOGUEIRA, Paulo, “Um palácio na Lisboa dos Descobrimentos”, Oceanos, nº 3, 1990, pp. 103 – 105.
  • NOGUEIRA, Paulo, “O Preço do Céu”, Oceanos, nº 4, 1990, pp. 111 – 112.
O
  • O´NEILL, Brian Juan, “A tripla identidade dos portugueses de Malaca”, Oceanos, nº 32, 1997, pp. 63 – 83.
  • OI, Célia Abe, “Yo Nom Compurende («Eu não Compreendo»). A Língua na História dos 85 anos de Imigração Japonesa”, Oceanos, nº 15, 1993, pp. 103 – 108.
  • OLIVAL, Fernanda, “A Ordem de Santiago e o Sal do Sado”, Oceanos, nº 4, 1990, pp. 93 – 96.
  • OLIVEIRA, Fernando de, “O Vestuário Feminino dos Séculos XV e XVI”, Oceanos, nº 21, 1995, pp. 128 – 142.
  • OREY, Leonor D’, “Esplendor e Fantasia”, Oceanos, nº 43, 2000, pp. 8 – 32.
  • OSSWALD, Maria Cristina, “Marfins formas e técnicas, com especial incidência na imaginária indo-portuguesa”, Oceanos, nº 19/20, 1994, pp. 60 – 70.
P
  • P., J. F., “Cronologia da Companhia de Jesus”, Oceanos, nº 12, 1992, pp. 41 – 46.
  • P., J. F., “Azevedo, Padre Simão Rodrigues de”, Oceanos, nº 12, 1992, p. 70.
  • P., J. F., “Xavier, S. Francisco”, Oceanos, nº 12, 1992, p. 71.
  • P., J. F., “Andrade, Padre António de”, Oceanos, nº 12, 1992, p. 81.
  • P., J. F., “Góis, Irmão Bento de”, Oceanos, nº 12, 1992, p. 81.
  • P., J. F., “Câmara, Padre Luíz Gonçalves da”, Oceanos, nº 12, 1992, p. 90.
  • P., J. F., “Silveira, Padre D. Gonçalo da”, Oceanos, nº 12, 1992, p. 90 – 91.
  • P., J. F., “Brito, Beato João de”, Oceanos, nº 12, 1992, p. 91.
  • P., J. F., “Nóbrega, Padre Manuel da”, Oceanos, nº 12, 1992, p. 102.
  • P., J. F., “Anchieta, Padre José de”, Oceanos, nº 12, 1992, pp. 102 – 103.
  • P., J. F., “Gusmão, Padre Bartolomeu Lourenço de”, Oceanos, nº 12, 1992, p. 103.
  • PAIS, Alexandre Nobre, “O «Theatro Moral de la Vida Humana» no Convento de São Francisco da Bahia”, Oceanos, nº 36/37, 1999, pp. 100 – 112.
  • PATRAQUIM, Luís Carlos, “Mapeamento Onírico para a Descoberta da «Rua de Fogo»”, pp. 82 – 86.
  • PATRAQUIM, Luís Carlos, “Muhipiti”, p. 111.
  • PAULINO, Francisco Faria, “Como Comemorar?”, Oceanos, nº 2, 1989, pp. 9 – 10.
  • PAVIOT, Jacques, “As relações económicas entre Portugal e a Flandres no séc. XV”, Oceanos, nº 4, 1990, pp. 28 – 34.
  • PAVIOT, Jacques e RIETH, Éric, Um Relatório Sobre a Construção de Caravelas Portuguesas em Bruxelas (1438–1439)”, Oceanos, nº 16, 1993, pp. 86 – 92.
  • PEDREIRINHO, José Manuel, “Sagres: Será desta?”, JL, (18/09/90), Oceanos, nº 5, 1990, pp. 46 - 47.
  • PEIXEIRO, Horácio Augusto, “Um Missal Iluminado de Santa Cruz”, Oceanos, nº 26, 1996, pp. 52 – 72.
  • PENALVA, Luísa, “Jóias e Representação. As festas da Corte portuguesa no século XVIII”, Oceanos, nº 43, 2000, pp. 112 – 130.
  • PENRAD, Jean-Claude, “O encontro dos mundos. Islamismo, redes de confrarias e competição na África Oriental”, Oceanos, nº 34, 1998, pp. 132 – 140.
  • PENTEADO, Pedro, “Os arquivos e a História das Misericórdias em Portugal: problemas e perspectivas”, Oceanos, nº 35, 1998, pp. 90 – 97.
  • PENTEADO, Pedro, “A Nazaré e os seus pescadores: entre representações sociais e novas leituras histórico-antropológicas”, Oceanos, nº 47/48, 2001, pp. 80 - 92.
  • PEPETELA, “As Minhas Europas”, Oceanos, nº 16, 1993, pp. 34 – 35.
  • PEREIRA, André, [Carta ao Pe Geral da Companhia de Jesus, Pequim, 20 de Novembro de 1732], Oceanos, nº 12, 1992, pp. 84 – 87.
  • PEREIRA, António Collares, “«A missão e a comissão»”, O Dia, (14/04/90), Oceanos, nº 4, 1990, p. 27.
  • PEREIRA, Fernando António Baptista, “O Retábulo de Jesus e a Pintura Portuguesa do Séc. XVI”, Oceanos, nº 2, 1989, pp. 85 – 91.
  • PEREIRA, Fernando António Baptista, “O Retábulo de Santiago”, Oceanos, nº 4, 1990, pp. 66 – 74.
  • PEREIRA, Fernando António Baptista, “A Arte em Portugal no tempo do Tratado de Tordesilhas. 1470 – 1530”, Oceanos, nº 18, 1998, pp. 44 – 59.
  • PEREIRA, João Castel-Branco, “Azulejos Neoclássicos”, Oceanos, nº 36/37, 1999, pp. 211 – 232.
  • PEREIRA, João Castelo Branco, “Os «Tronos Rolantes» da monarquia portuguesa”, Oceanos, nº 3, 1990, pp. 116 – 122.
  • PEREIRA, José Fernandes, “O pensamento artístico de Vieira”, Oceanos, nº 30/31, 1997, pp. 187 – 200.
  • PEREIRA, Maria Helena Rocha, “Presenças Femininas na Época dos Descobrimentos”, Oceanos, nº 21, 1995, pp. 65 – 70.
  • PEREIRA, Maria Helena da Rocha, “As Amazonas: Destino de um Mito Singular”, Oceanos, nº 42, 2000, pp. 162 – 170.
  • PEREIRA, Paulo, “A esfera armilar na arquitectura do tempo de D. Manuel”, Oceanos, nº 4, 1990, pp. 43 – 50.
  • PEREIRA, Paulo, “A Arquitectura Jesuíta. Primeiras Fundações”, Oceanos, nº 12, 1992, pp. 104 – 111.
  • PEREIRA, Paulo, “A Arquitectura Manuelina e o Problema do Exotismo”, Oceanos, nº 33, 1998, pp. 151 – 160.
  • PEREIRA, Paulo, “Iconografia dos Descobrimentos”, Expresso (15/12/89), Oceanos, nº 3, 1990, p. 17.
  • PEREIRA, Paulo, “«Oceanos»”, Expresso (7/89), Oceanos, nº 2, 1989, p. 17.
  • PEREIRA, Paulo, “Oceanos n.º 2”, Expresso (30/12/89), Oceanos, nº 3, 1990, p. 18.
  • PEREIRA, Rui, “Amazónia Redescoberta”, Oceanos, nº 9, 1992, pp. 80 – 83.
  • PEREIRA, Rui, “As Índias Maravilhosas”, Oceanos, nº 14, 1993, pp. 6 – 8.
  • PEREIRA, Rui Mateus, “A formação territorial do Brasil”, Oceanos, nº 40, 1999, pp. 6 – 7.
  • PEREIRA, Rui Mateus, “Terra Nova: a epopeia do bacalhau”, Oceanos, nº 45, 2001, pp. 6 – 7.
  • PEREIRA, Rui Mateus, e VIEGAS, Francisco José, “José Blanco: A Paixão de Goa”, [Entrevista a José Blanco], Oceanos, nº 19/20, 1994, pp. 162 – 164.
  • PEREZ, Rosa Maria, “Goa: Modos de Olhar”, Oceanos, nº 19/20, 1994, pp. 232 – 238.
  • PEREZ, Rosa Maria, “Hinduísmo e cristianismo em Goa (II). Deuses clandestinos e devotos e fiéis”, Oceanos, nº 34, 1998, pp. 174 – 180.
  • PEREZ, Rosa Maria de Figueiredo, “Os Jesuítas portugueses e a representação das culturas”, Oceanos, nº 12, 1992, pp. 74 – 80.
  • PERRONE-MOISÉS, Beatriz, “A vida nas aldeias dos Tupi da costa”, Oceanos, nº 42, 2000, pp. 8 – 20.
  • PESSÔA, José, “Em tudo semelhante, em nada parecido. Modelos e modos de urbanização na América Portuguesa”, Oceanos, nº 41, 2000, pp. 70 – 81.
  • PIJNING, Ernest, “O ambiente científico da época e a viagem ao Brasil do príncipe alemão Maximiliano de Weid-Newwied“, Oceanos, nº 24, 1995, pp. 26 – 36.
  • PIMENTA, Maria Cristina Gomes, “A Ordem de Santiago em Portugal”, Oceanos, nº 4, 1990, pp. 58 – 63.
  • PIMENTEL, Alberto, “«De Xabregas à Povoa de Santa Iria»”, Oceanos, nº 7, 1991, pp. 97 – 119.
  • PIMENTEL, António Filipe, “Ourivesaria luso-brasileira do ciclo do ouro e dos diamantes”, Oceanos, nº 43, 2000, pp. 6 – 7.
  • PIMENTEL, António Filipe, “Percursos do Barroco nos Caminhos do Atlântico: o Culto e o Tesouro Açoriano do Senhor Santo Cristo dos Milagres”, Oceanos, nº 43, 2000, pp. 55 – 64.
  • PIMENTEL, António Filipe, “A Honra e os seus Ícones. Sobre a joalharia de função”, Oceanos, nº 43, 2000, pp. 94 – 110.
  • PIMENTEL, António Filipe, “Uma jóia em forma de templo. A capela de São João Baptista”, Oceanos, nº 43, 2000, pp. 146 – 164.
  • PINA-CABRAL, João de e CHAN, Mónica, “O Parasita do Mandarim: a lotaria dos exames imperiais (vaeseng) em Cantão e Macau”, Oceanos, nº 32, 1997, pp. 151 – 163.
  • PINHARANDA, João, “À Bolina”, O Público, (27/03/90), Oceanos, nº 4, 1990, p. 26.
  • PINHARANDA, João, “ O outro muro…”, Público (25/09/90), Oceanos, nº 5, 1990, p. 47.
  • PINTO, Ana Fernandes, “Oda Nobunaga nos escritos de Fróis: uma imagem política”, Oceanos, nº 32, 1997, pp. 165 – 174.
  • PINTO, P. António Vaz, s.j., “A imagem de Deus na obra e acção do Padre António Vieira”, Oceanos, nº 30/31, 1997, pp. 10 – 22.
  • PINTO, Carla Alferes, “Arte Namban: Arte para Bárbaros?”, Oceanos, nº 15, 1993, pp. 117 – 126.
  • PINTO, Fernando Maia, “Tempos Sobrepostos”, Oceanos, nº1, 1989, p. 114.
  • PINTO, João da Rocha, “Os signos de Deus e o expansionismo português”, Oceanos, nº 13, 1993, pp. 44 – 49.
  • PINTO, João Rocha, “O Idealismo Alemão e os Índios do Brasil. A Vertente Etnográfica do Livro da Viagem ao Brasil, de Maximiliano, Príncipe de WeidNeuwied, Naturalista e Filósofo“, Oceanos, nº 24, 1995, pp. 57 – 66.
  • PINTO, Maria Helena Mendes, “Sentando-se em Goa”, Oceanos, nº 19/20, 1994, pp. 43 – 58.
  • PINTO, Paulo Jorge de Sousa, “Capitães e casados. Um retrato de Malaca nos finais do século XVI”, Oceanos, nº 32, 1997, pp. 45 – 60.
  • PIRES, Maria Lucília Gonçalves, “O protótipo do Missionário em textos de Vieira”, Oceanos, nº 30/31, 1997, pp. 25 – 32.
  • PITTA, Eduardo, “Fragmentos de uma memória clandestina”, pp. 95 – 97.
  • PIWNIK, Marie- Hélène, “Os Pescadores, de Raul Brandão, ou a poesia do real”, Oceanos, nº 47/48, 2001, pp. 214 – 224.
  • POEIRA, Maria de Lourdes, “Goa: Civilização e Ambiente”, Oceanos, nº 19/20, 1994, pp. 239 – 244.
  • POLÓNIA, Amélia v. AMORIM, Inês
  • POMAR, Alexandre, “O muro de Sagres”, Expresso (08/09/90), Oceanos, nº 5, 1990, p. 46.
  • PONTE, Salete da, “O Infante D. Henrique em Tomar”, Oceanos, nº 17, 1994, pp. 26 – 31.
  • POPPE, Manuel, “Roma: a educação permanente”, Oceanos, nº 16, 1993, pp. 124 – 125.
  • PORTAS, Nuno, “Os tempos das formas nas cidades lusas do Brasil”, Oceanos, nº 41, 2000, pp. 162 – 172.
  • PTAK, Roderich, “A China e Portugal no Mar: Comparação Entre o Sistema Ming e o Estado da Índia”, Oceanos, nº 14, 1993, p. 104 – 113; nº 17, 1994, pp. 126 – 131.
Q
  • QUITÉRIO, José, “Camões e a mesa”, pp. 36 – 40.
R
  • RADULET, Carmen M., “Diogo Cão no Reino do Congo”, Oceanos, nº 8, 1991, pp. 38 – 43.
  • RADULET, Carmen M., “O feito de Vasco da Gama: política nacional e reflexos internacionais”, Oceanos, nº 33, 1998, pp. 138 – 148.
  • RADULET, Carmen M., “As sociedades do Índico e as relações com o Cataio através da documentação relativa às viagens de Vasco da Gama e Pedro Álvares Cabral”, Oceanos, nº 34, 1998, pp. 118 – 126.
  • RAMALHO, Américo da Costa, A Rainha D. Leonor e o seu tempo”, Oceanos, nº 8, 1991, pp. 96 – 101.
  • RAMALHO, Américo da Costa, “A Cultura na época do Tratado de Tordesilhas”, Oceanos, nº 18, 1994, pp. 32 – 40.
  • RAMALHO, Américo da Costa, “João de Barros, Humanista”, Oceanos, nº 27, 1996, pp. 68 – 73.
  • RAMALHO, Margarida, “Em busca da Torre Perdida”, Oceanos, nº 2, 1989, pp. 75 – 81.
  • RAMALHO, Margarida de Magalhães, “A Barra do Tejo e a defesa de Lisboa”, Oceanos, nº 11, 1992, pp. 71 – 75.
  • RAMOS PÉREZ, Demetrio, “De Lisboa saiu a Lisboa voltou”, Oceanos, nº 10, 1992, pp. 32 – 35.
  • RAMOS, Luís A. de Oliveira, “Apúlia, terra de lavradores-sargaceiros e pescadores”, Oceanos, nº 47/48, 2001, pp. 64 – 76.
  • RAPOSO, Francisco Hipólito, “Os Azulejos Náuticos da Quinta de São Lourenço”, Oceanos, nº 17, 1994, pp. 109 – 115.
  • RAPOSO, Francisco Hipólito, “O Encanto dos Contadores Indo–Portugueses”, Oceanos, nº 19/20, 1994, pp. 16 – 32.
  • REAL, Manuel Luís, GOMES, Paulo Dórdio e TEIXEIRA, Ricardo Jorge, “Casa do Infante. Uma história a refazer”, Oceanos, nº 12, 1992, pp. 17 – 22.
  • REAL, Manuel Luís, “Sobre o Local de Nascimento do Infante D. Henrique”, Oceanos, nº 17, 1994, pp. 8 – 10.
  • REBELO, Luís de Sousa, “Bucolismo e Eticidade N’ Os Lusíadas”, Oceanos, nº 23, 1995, pp. 72 – 80.
  • REIS, António Estácio dos, “Astrolábios Portugueses adquiridos em leilão na Christie’s”, Oceanos, nº 2, 1989, pp. 32 – 35.
  • REIS, António Estácio dos, “A mais antiga agulha de marear portuguesa”, Oceanos, nº 4, 1990, pp. 53 – 55.
  • REIS, António Estácio dos, “Viagem à roda de um astrolábio pintado”, Oceanos, nº 7, 1991, pp. 81 – 93.
  • REIS, António Estácio dos, “O Gabinete de Física da Universidade de Coimbra”, Oceanos, nº 8, 1991, pp. 31 – 35.
  • REIS, António Estácio dos, “Globos antigos em colecção imaginária”, Oceanos, nº 9, 1992, pp. 36 – 49.
  • REIS, António Estácio dos, “Um astrolábio diferente de todos os outros”, Oceanos, nº 11, 1992, 1992, pp. 35 – 42.
  • REIS, António Estácio dos, “A vida atribulada de um dique”, Oceanos, nº 12, 1992, pp. 24 – 29.
  • REIS, António Estácio dos, “Artífice e Poeta”, Oceanos, nº 13, 1993, pp. 26 – 35.
  • REIS, António Estácio dos, “Medir Estrelas, Direis...”, Oceanos, nº 17, 1994, pp. 117 – 124.
  • REIS, António Estácio dos, “Um Erro que o Cosmógrafo Jaime Ferrer Não Cometeu”, Oceanos, nº 18, 1994, pp. 105 – 112.
  • REIS, António Estácio dos, “Navio de Marfim com Alguma Prata e Muitas Safiras”, Oceanos, nº 22, 1995, pp. 110 – 118.
  • REIS, António Estácio dos, “Instrumentos Náuticos na Iluminura Portuguesa Quinhentista”, Oceanos, nº 26, 1996, pp. 109 – 111.
  • REIS, António Estácio dos, “O Nónio de Pedro Nunes”, Oceanos, nº 38, 1999, pp. 66 – 80.
  • REIS, António Estácio dos, “Os instrumentos de medida de Pedro Nunes”, Oceanos, nº 49, 2002, pp. 20 – 34.
  • REIS, António Estácio dos e MACHADO, Raúl de Sousa, “Os instrumentos náuticos dos Descobrimentos”, Oceanos, nº 10, 1992, pp. 87 – 93.
  • REIS, Nestor Goulart, “As principais cidades e vilas do Brasil – importância da vida urbana colonial”, Oceanos, nº 41, 2000, pp. 60 – 67.
  • REIS, Patrícia, “«A ópera por descobrir»”, Sábado (28/09/90), Oceanos, nº 5, 1990, p. 47.
  • RHODEN, Luiz Fernando, “A formação da rede urbana do sul do Brasil nos séculos XVII e XVIII”, Oceanos, nº 41, 2000, pp. 120 – 134.
  • RIBEIRO, António Silva, “As Marés na Náutica Quinhentista”, Oceanos, nº 38, 1999, pp. 84 – 96.
  • RIBEIRO, Gladys Sabina, “A guerra aos portugueses no Rio de Janeiro no final do século XIX”, Oceanos, nº 44, 2000, pp. 68 – 84.
  • RIETH, Éric v. PAVIOT, Jacques
  • RITA–FERREIRA, António, “Ilha de Moçambique. Cidade de um Oceano”, pp. 30 – 44.
  • ROCHA, Rui, “Oceanos Mare Liberum”, Expresso (27/04/91), Oceanos, nº 7, 1991, p. 26.
  • RODRIGUES, Graça Almeida, “Carta dos Estados Unidos”, p. 119.
  • RODRIGUES, Isabel Vieira, “A Política de Francisco Xavier de Mendonça Furtado no Norte do Brasil (1751-1759)”, Oceanos, nº 40, 1999, pp. 94 – 110.
  • RODRIGUES, Jorge, “«Oceanos»”, Revista Sábado (19/8/89), Oceanos, nº 2, 1989, p. 17.
  • RODRIGUES, Manuel Ferreira, “O regresso à Terra Nova dos bacalhaus de navios armados em Aveiro e Ílhavo”, Oceanos, nº 45, 2001, pp. 76 – 88.
  • RODRIGUES, Vítor Luís Gaspar, “As Primeiras Plantas”, pp. 72 – 74.
  • RODRIGUES, Vítor Luís Gaspar, “As Companhias de Ordenança no Estado Português da Índia, 1510 – 1580: Ensaios de criação do insucesso”, Oceanos, nº 19/20, 1994, pp. 212 – 218.
  • ROSA, Mercedes, “Jóias luso-brasileiras. Museu Carlos Costa Pinto (Salvador, Bahia)”, Oceanos, nº 43, 2000, pp. 178 – 182.
  • ROSSA, Walter, “A construção do Brasil urbano”, Oceanos, nº 41, 2000, pp. 8.
  • ROSSA, Walter, “No primeiro dos elementos. Dados para uma leitura sintética do Urbanismo e da Urbanística Portugueses da Idade Moderna”, Oceanos, nº 41, 2000, pp. 8 – 21.
  • ROSSA, Walter v. Gomes, Paulo Varela
  • ROWLAND, Robert, “Portugueses no Brasil independente”, Oceanos, nº 44, 2000, pp. 6 – 7.
  • ROWLAND, Robert, “Portugueses no Brasil independente: processos e representações”, Oceanos, nº 44, 2000, pp. 8 -20.
  • RUIVO, Mário, “D. Carlos de Bragança. Naturalista e Oceanógrafo (1863 – 1908)”, Oceanos, nº 10, 1992, pp. 102 – 111.
  • RUSSELL-WOOD, A. J. R., “Novos caminhos no estudo da expansão portuguesa”, Oceanos, nº 5, 1990, pp. 33 – 34.
  • RUSSELL-WOOD, A. J. R., “Fronteiras no Brasil Colonial”, Oceanos, nº 40, 1990, pp. 8 – 20.
S
  • SÁ, Isabel dos Guimarães, “Práticas de caridade e salvação da alma nas Misericórdias metropolitanas e ultramarinas (séculos XVI-XVIII): algumas metáforas”, Oceanos, nº 35, 1998, pp. 42 – 50.
  • SALGADO, Abílio José v. SALGADO, Anastásia Mestrinho
  • SALGADO, Abílio José e SALGADO, Anastásia Mestrinho, “Luís de Almeida. Missionário e Médico Português no Japão do Século XVI”, Oceanos, nº 15, 1993, pp. 99 – 102.
  • SALGADO, Anastácia Mestrinho e SALGADO, Abílio José, “Hospitais de Lisboa até ao séc. XV”, Oceanos, nº 4, 1990, pp. 103 – 109.
  • SALGADO, Anastásia Mestrinho v. SALGADO, Abílio José
  • SALGADO, Augusto A. Alves, “O confronto pelo domínio do Atlântico Norte”, Oceanos, nº 45, 2001, pp. 48 – 60.
  • SALGADO, Abílio José e SAlGADO, Anastásia Mestrinho, “Luís de Almeida, Missionário e Médico Português no Japão do Século XVI”, Oceanos, nº 15, 1993, pp. 99 – 102.
  • SALGADO, Abílio José v. SALGADO, Anastácia Mestrinho
  • SANTOS, N. Valdez dos, “Artilharia e Artilheiros do Mar”, Oceanos, nº 38, 1999, pp. 130 – 147.
  • SANTOS, Paula Ferreira, “1563. Religião e Comércio: Confluência de Interesses?”, Oceanos, nº 15, 1993, pp. 49 – 56.
  • SAPAGE, António, “Porcelana no Comércio Luso–Chinês”, Oceanos, nº 14, 1993, pp. 31 – 38.
  • SARDO, Susana, “Goa: Sons e Silêncios”, Oceanos, nº 19/20, 1994, pp. 246 – 256.
  • SAÚTE, Nelson, “A ilha dos poetas”, p. 123.
  • SAÚTE, Nelson, e SOPA, António, “De longe esta ilha parece pequena”, p. 127.
  • SCHOUTEN, Maria Johanna, “Encontros e desencontros na zona leste do arquipélago malaio”, Oceanos, nº 32, 1997, pp. 121 – 130.
  • SCOTT, Ana Silvia Volpi, “Verso e reverso da imigração portuguesa: o caso de São Paulo entre as décadas de 1820 a 1930”, Oceanos, nº 44, 2000, pp. 126 – 142.
  • SENA, Jorge de, “Camões na Ilha de Moçambique”, p. 121.
  • SERRÃO, Joaquim Veríssimo, “Nos 5 séculos da Misericórdia de Lisboa: um percurso na História”, Oceanos, nº 35, 1998, pp. 8 – 22.
  • SERRÃO, Vitor, “Fernão Gomes. Pintor Maneirista de «Bravo Talento»”, pp. 27 – 29.
  • SERRÃO, Vitor, “A «Criação do Homem»: de Gregório Lopes”, Oceanos, nº 4, 1990, pp. 76 – 81.
  • SERRÃO, Vitor, “Sagres... ponto final”, Público (30/11/90), Oceanos, nº 6, 1991, p. 31.
  • SERRÃO, Vitor, “O mecenato da rainha D. Leonor e a pintura de corte”, Oceanos, nº 8, 1991, pp. 104 – 107.
  • SERRÃO, Vitor, “Quadros de Vida de S. Francisco de Xavier”, Oceanos, nº 12, 1992, pp. 56 – 69.
  • SERRÃO, Vitor, “A Pintura na Antiga Índia Portuguesa nos Séculos XVI e XVII”, Oceanos, nº 19/20, 1994, pp. 102 – 112.
  • SERRÃO, Vitor, “A linguagem da pintura portuguesa proto-barroca e a arte da parenética na obra do Padre António Vieira (à memória de Margarida Vieira Mendes)”, Oceanos, nº 30/31, 1997, pp. 202 – 214.
  • SERRÃO, Vitor, “Sobre a iconografia da Mater Omnium: a pintura de intuitos assistenciais nas Misericórdias durante o século XVI”, Oceanos, nº 35, 1998, pp. 134 – 144.
  • SEVERY, Merle, “A Estrada Para Shimabara”, Oceanos, nº 15, 1993, pp. 109 – 116.
  • SEVERY, Merle, “Marrocos: o Sonho Dourado do Infante D, Henrique. Fatal miragem para Portugal”, Oceanos, nº 17, 1994, pp. 92 – 102.
  • SEVERY, Merle, “Três Homens em Goa”, Oceanos, nº 19/20, 1994, pp. 220 – 230.
  • SILVA, Alberto da Costa e, “A Europa e o Brasil”, Oceanos, nº 16, 1993, pp. 44 – 47.
  • SILVA, Amélia Polónia da, “Os Náuticos das Carreiras Ultramarinas”, Oceanos, nº 38, 1999, pp. 113 – 128.
  • SILVA, António Correia e, “Os fundamentos do povoamento”, Oceanos, nº 5, 1990, pp. 68 – 77.
  • SILVA, António Correia e, “A construção do Atlântico e as cidades-porto cabo-verdianas”, Oceanos, nº 41, 2000, pp. 192 – 207.
  • SILVA, Chandra R. de, “Algumas reflexões sobre o impacto português na religião entre os singaleses durante os séculos XVI e XVII”, Oceanos, nº 34, 1998, pp. 104 – 116.
  • SILVA, Denise, “A Embaixada dos Príncipes Japoneses na Penha Longa”, Oceanos, nº 15, 1993, pp. 86 – 90.
  • SILVA, Francisco Ribeiro da, “A Pesca e os Pescadores na rede dos Forais Manuelinos”, Oceanos, nº 47/48, 2001, pp. 8 – 28.
  • SILVA, Isabel L. Morgado S., “A Ordem de Jesus Cristo. Do mestrado de D. Gil Martins, à administração e Governo do Infante D. Henrique”, Oceanos, nº 17, 1994, pp. 20 – 24.
  • SILVA, Luciano Pereira da, “Os dois Doutores Pedro Nunes”, Oceanos, nº 49, 2002, pp. 137 – 142.
  • SILVA, Maria Beatriz Nizza da, “A História Natural no Brasil antes das viagens do Príncipe Maximiliano”, Oceanos, nº 24, 1995, pp. 12 – 24.
  • SILVA, Maria Beatriz Nizza da, “A saga dos sertanistas”, Oceanos, nº 40, 1999, pp. 148 – 158.
  • SILVA, Maria Beatriz Nizza da, “Viver no Brasil colónia”, Oceanos, nº 42, 2000, pp. 6 – 7.
  • SILVA, Maria Beatriz Nizza da, “Culinária colonial”, Oceanos, nº 42, 2000, pp. 22 – 32.
  • SILVA, Maria Regina Tavares da, “O Que se Dizia Sobre as Mulheres”, Oceanos, nº 21, 1995, pp. 81 – 88.
  • SILVA, Nuno Vassallo e, O Relicário que fez Mestre João”, Oceanos, nº 8, 1991, pp. 110 – 113.
  • SILVA, Nuno Vassallo e, “O Ouro de Quíloa”, Oceanos, nº 10, 1992, pp. 54 – 61.
  • SILVA, Nuno Vassallo e, “A Baixela Wellington”, Oceanos, nº 11, 1992, pp. 98 – 101.
  • SILVA, Nuno Vassallo e, “Os Relicários de São Roque”, Oceanos, nº 12, 1992, pp. 112 – 117.
  • SILVA, Nuno Vassallo e, “A cruz de Filipe I”, Oceanos, nº 13, 1993, pp. 108 – 111.
  • SILVA, Nuno Vassallo e, “Tesouros da «Terra de Promissam»: A ourivesaria entre Portugal e a Índia”, Oceanos, nº 19/20, 1994, pp. 88 – 100.
  • SILVA, Nuno Vassallo e, “A Joalharia Feminina em Portugal na Época dos Descobrimentos”, Oceanos, nº 21, 1995, pp. 102 – 110.
  • SILVA, Nuno Vassallo e, “Algumas Iluminuras Quinhentista nas Misericórdias Portuguesas”, Oceanos, nº 26, 1996, pp. 75 – 80.
  • SILVA, Nuno Vassallo e, “«Obras da Índia» nas Misericórdias Portuguesas”, Oceanos, nº 35, 1998, pp. 123 – 132.
  • SILVA, Nuno Vassallo e, “Os Pollet, joalheiros de D. Maria I”, Oceanos, nº 43, 2000, pp. 66 – 76.
  • SILVA, Nuno Vassallo e, “As Custódias-jóias de Setecentos”, Oceanos, nº 43, 2000, pp. 78 – 92.
  • SILVEIRA, Martim Cunha da, “Os Flamengos nos Açores”, pp. 69 – 71.
  • SILVEIRA, Pedro da, Biblioteca Açoriana”, pp. 97 – 98.
  • SIMÕES, J. M. dos Santos, “Iconografia lisboeta em azulejos no Brasil. Visitas de Lisboa em painéis de azulejos na cidade do Salvador”, Oceanos, nº 36/37, 1999, pp. 20 – 50.
  • SMULDERS, Frits, “Palavras antigas e modernas; universalismo intelectual de António Vieira (À memória do amigo-professor J. J. van den Besselaar)”, Oceanos, nº 30/31, 1997, pp. 174 – 184.
  • SOBRAL, Luís de Moura, “A Ordem de Cister e a Restauração Brigantina. Um ciclo emblemático em Salzedas, Oceanos, nº 6, 1991, pp. 80 – 85.
  • SOBRAL, Luís de Moura, “Pintura e composição de lugar: um ciclo jesuítico na Bahia do Padre António Vieira”, Oceanos, nº 30/31, 1997, pp. 218 – 229.
  • SOEIRO, Teresa, “Pescadores de terra adentro”, Oceanos, nº 47/48, 2001, pp. 136 – 158.
  • SOPA, António, “Alguns aspectos culturais da Ilha de Moçambique na segunda metade do século XIX”, pp. 48 – 58.
  • SOPA, António, v. SAÚTE, Nelson,
  • SOUSA, Ivo Carneiro de, “Da Fundação e da Originalidade das Misericórdias Portuguesas (1498 – 1500)”, Oceanos, nº 35, 1998, pp. 24 – 39.
  • SOUSA, João Silva de, “A Casa Senhorial do Infante D. Henrique”, Oceanos, nº 17, 1994, pp. 33 – 38.
  • SOUSA, Maria Leonor Machado de, “Em torno de D. Sebastião”, Oceanos, nº 9, 1992, pp. 121 – 123.
  • SOUSA, Maria Leonor Machado de, “Uma hipótese romântica do fantástico nos Descobrimentos”, Oceanos, nº 13, 1993, pp. 66 – 69.
  • SOUSA, Nestor de, “Tempos de Arquitectura nos Açores”, pp. 76 – 78.
  • SOUSA, Teotónio R. de, “A Arte Cristã de Goa: Uma introdução histórica para a dialéctica da sua evolução”, Oceanos, nº 19/20, 1994, pp. 8 – 14.
  • SOUZA, Teotónio R. de, “Qual a Imagem dos Europeus Entre os Indianos?”, Oceanos, nº 16, 1993, pp. 54 – 56.
  • SUBRAHMANYAM, Sanjay, “O Gentio Indiano Visto Pelos Portugueses do Século XVI”, Oceanos, nº 19/20, 1994, pp. 190 – 196.
  • SUBRAHMANYAM, Sanjay,  “Profecias e Feitiços: Gaspar Correia e a Primeira Viagem de Vasco da Gama”, Oceanos, nº 33, 1998, pp. 41 – 54.
  • SUBRAHMANYAM, Sanjay v. ALAM, Muzaffar
T
  • TARRÍO, Ana Maria S., “Do humanista Pedro Nunes”, Oceanos, nº 49, 2002, pp. 96 – 108.
  • TAVARES, Maria José Ferro, “D. Leonor e a fundação das Misericórdias”, Oceanos, nº 8, 1991, pp. 89 – 93.
  • TAVARES, Maria José Ferro, “O medo à pobreza”, Oceanos, nº 13, 1993, pp. 60 – 63.
  • TAVARES, Maria José Ferro, “A Expulsão dos Judeus de Portugal: conjuntura peninsular”, Oceanos, nº 29, 1997, pp. 10 – 20.
  • TAVIM, José Alberto Rodrigues da Silva, “Uma presença portuguesa em torno da «sinagoga nova» de Cochim”, Oceanos, nº 29, 1997, pp. 108 – 117.
  • TÁVORA, Luís de Lancastre e (Marquês de Abrantes), “A Origem Social dos Navegadores”, Oceanos, nº 1, 1989, pp. 41 – 42.
  • TÁVORA, Luís de Lancastre e (Marquês de Abrantes), “Nuno da Cunha”, Oceanos, nº 7, 1991, pp. 29 – 30.
  • TÁVORA, Luís de Lancastre e (Marquês de Abrantes), “D. Luís de Ataíde Conde Atouguia Vice – Rei da Índia”, Oceanos, nº 8, 1991, pp. 22 – 23.
  • TÁVORA, Luiz de Lancastre e (Marquês de Abrantes), “Um homem e as suas origens”, Oceanos, nº 3, 1990, pp. 82 – 88.
  • TÁVORA, Luiz de Lancastre e (Marquês de Abrantes), “O senhor D. Jorge”, Oceanos, nº 4, 1990, pp. 82 – 92.
  • TÁVORA, Luiz de Lancastre e (Marquês de Abrantes), “Garcia de Sá”, Oceanos, nº 6, 1991, pp. 45 – 46.
  • TEIXEIRA, Ricardo Jorge v. REAL, Manuel Luís
  • THOMAS, William M. v. MOREIRA, Rafael
  • THOMAZ, Luís Filipe F. R., “O projecto imperial de D. João II”, Oceanos, nº 3, 1990, pp. 57 – 61.
  • TOFFIN, Gérard, “Notas sobre o Sincretismo Hindu-budista dos Newar do Vale de Katmandu, Nepal”, Oceanos, nº 34, 1998, pp. 182 – 192.
  • TOSTES, Vera Lucia Bottrel, “Ourivesaria luso-brasileira do século XVIII. Colecção Museu Histôrico Nacional (Rio de Janeiro)”, Oceanos, nº 43, 2000, pp. 166 – 176.
  • TRIGUEIROS, António Miguel, “Os Descobrimentos na Numismática”, pp. 43 – 45.
  • TRIGUEIROS, António Miguel, “As moedas também falam do Livro de Horas de D. João III”, Oceanos, nº 11, 1992, pp. 58 – 67.
  • TRIGUEIROS, António Miguel, “Moedas e medalhas comemoram o século Namban no Japão”, Oceanos, nº 15, 1993, p. 14.
  • TRIGUEIROS, António Miguel, “Moedas Iluminadas”, Oceanos, nº 26, 1996, pp. 91 – 102.
  • TRINDADE, José Maria v. PENTEADO, Pedro
V
  • VALE, José, “Portugal – Humanismo e Descobertas”, Oceanos, nº 22, 1995, pp. 97 – 108.
  • VARELA, Consuelo, “A Influência Portuguesa”, Oceanos, nº 10, 1992, pp. 36 – 37.
  • VARELA, Consuelo, “O Controlo das Rotas do Bacalhau nos séculos XV e XVI”, Oceanos, nº 45, 2001, pp. 22 – 30.
  • VARELA, Consuelo, “Do território de Mayi às ilhas Filipinas”, Oceanos, nº 46, 2001, pp. 114 – 122.
  • VASCONCELLOS, Jorge Ferreira de, “Memorial das Proezas da Segunda Távola Redonda”, Oceanos, nº 7, 1991, pp. 120 – 125.
  • VEIGA, Manuel, “O Crioulo”, Oceanos, nº 5, 1990, pp. 91 – 93.
  • VELEZ, João Paulo, “«Três locais em alternativa»”, O Público, (20/04/90), Oceanos, nº 4, 1990, p. 25.
  • VELOSO, A. J. Barros e ALMASQUÉ, Isabel, “Casas com Barcos”, Oceanos, nº 2, 1989, pp. 26 – 31.
  • VENANCIO, Renato Pinto, “A imigração portuguesa, 1822-1930”, Oceanos, nº 44, 2000, pp. 60 – 66.
  • VENTURA, Maria da Graça A., “Cristãos-novos portugueses nas Índias de Castela: dos negócios aos cárceres da Inquisição (1590-1639), Oceanos, nº 29, 1997, pp. 93 – 105.
  • VERGÉ–FRANCESCHI, Michel, Henrique, o Navegador. Um Descobridor no século XV”, Oceanos, nº 17, 1994, pp. 86 – 89.
  • VICENTE, António Pedro, “O «Bom Sucesso» numa viagem ao Brasil dos Pescadores de Olhão na época das Invasões Francesas”, Oceanos, nº 47/48, 2001, pp. 50 – 62.
  • VIEGAS, Francisco José, “Milred Motahedeh: Peças de Sonho”, Oceanos, nº 14, 1993, pp. 99 – 102.
  • VIEGAS, Francisco José, “Os dois mares de Irlanda”, Oceanos, nº 16, 1993, pp. 112 – 116.
  • VIEGAS, Francisco José, “O Céu da Islândia”, Oceanos, nº 16, 1993, pp. 131 – 132.
  • VIEGAS, Francisco José, “Um Sábado em Thor–Shilah. Páginas de um diário em Tordesilhas”, Oceanos, nº 18, 1994, pp. 133 – 136.
  • VIEGAS, Francisco José, “Diário encontrado entre os papéis da Ilha”, pp. 98 – 104.
  • VIEGAS, Francisco José v. PEREIRA, Rui Mateus
  • VIEIRA, Alberto, “A Fortuna das Afortunadas”, Oceanos, nº 46, 2001, pp. 56 – 80.
  • VILLALTA, Luiz Carlos, “Posse e usos dos livros”, Oceanos, nº 42, 2000, pp. 132 – 144.
  • VILELA, Magno, “Uma questão de igualdade... António Vieira e a escravidão negra na Bahia”, Oceanos, nº 30/31, pp. 37 – 52.
  • VILLIERS, John, “Vasco da Gama, o Preste João das Índias e os cristãos de S. Tomé”, Oceanos, nº 33, 1998, pp. 57 – 70.
W
  • WASHBURN, Wilcomb E., “Os Primeiros Contactos com os Índios na América”, Oceanos, nº 2, 1989, pp. 109 – 113.
  • WEHLING, Arno, “As Recepções do Descobrimento. História, memória e identidade no historicismo brasileiro”, Oceanos, nº 39, 1999, pp. 144 – 154.
Y
  • YVES – BLOT, Jean e BLOT, Maria Luísa, “Arqueologia de um navio: o «San Pedro da Alcântara»”, Oceanos, nº 5, 1990, pp. 100 – 105.
  • YVES – BLOT, Jean e BLOT, Maria Luísa, O passado debaixo de água”, Oceanos, nº 5, 1990, pp. 106 – 113.
Índice geral da revista
  • 1 - Açores: o Fascínio do Atlântico. Camões: O Retrato Pintado a Vermelho. Castelo da Foz: o Sonho de D. Miguel da Silva, Lisboa, CNCDP, Junho de 1989.
  • 2 - Viver a Bordo. Cascais: Os Segredos de uma Fortaleza. No Rio das Amazonas: Entre o Mito e a História, Lisboa, CNCDP, Outubro de 1989.
  • 3 - Bartolomeu Dias. O Capitão do Fim. Retratos de Isabel - Imagens de uma Imperatriz. Palácio Almada – Carvalhais - Uma Ruína Lisboeta, Lisboa, CNCDP, Março de 1990.
  • 4 - Ordem de Santiago, Lisboa, CNCDP, Julho de 1990.
  • 5 - Sagres. Cabo Verde, Lisboa, CNCDP, Novembro de 1990.
  • 6 - A Descoberta da Natureza. Os portugueses no Golfo, Lisboa, CNCDP, Abril de 1991.
  • 7- Fernão Mendes Pinto: Lisboa: o Oriente a descobrir, Lisboa, CNCDP, Julho de 1991.
  • 8 - A Rainha D. Leonor, Lisboa, CNCDP, Outubro de 1991.
  • 9 - O Ano de 92, Lisboa, CNCDP, Janeiro de 1992.
  • 10 - Portugal e o Mar, Lisboa, CNCDP, Abril de 1992.
  • 11 - Sevilha, Lisboa, Lisboa, CNCDP, Julho de 1992.
  • 12 - Os Jesuítas e a Ideia de Portugal, Lisboa, CNCDP, Novembro de 1992.
  • 13 - Medos, Fantasias e Visões, Lisboa, CNCDP, Março de 1993.
  • 14 - Porcelanas e Mares da China, Lisboa, CNCDP, Junho de 1993.
  • 15 - O Regresso do Japão, Lisboa, CNCDP, Setembro de 1993.
  • 16 - O repto da Europa, Lisboa, CNCDP , Dezembro 1993.
  • 17 - O ano do Infante, Lisboa, CNCDP, Março 1994.
  • 18 - Tordesilhas. A partilha do Mundo, Lisboa, CNCDP, Junho 1994.
  • 19/20 - Indo-portuguesmente, Lisboa, CNCDP, Setembro / Dezembro 1994.
  • 21 - Mulheres no Mar Salgado, Lisboa, CNCDP, Janeiro/Março 1995.
  • 22 - Heranças de Neptuno, Lisboa, CNCDP, Abril/Junho 1995.
  • 23 - Agora, peregrino vago e errante, Lisboa, CNCDP, Julho/Setembro de 1995.
  • 24 - O Teatro da Natureza. Maximiliano no Brasil, Lisboa, CNCDP, Outubro/Dezembro 1995.
  • 25 - Ilha de todos. Ilha de Moçambique, Lisboa, CNCDP, Janeiro/Março 1996.
  • 26 - A luz do mundo. Iluminura Portuguesa Quinhentista, Lisboa, CNCDP, Abril/Junho 1996.
  • 27 - João de Barros e o Cosmopolitismo do Renascimento, Lisboa, CNCDP, Julho/Setembro 1996.
  • 28 - Fortalezas da Expansão Portuguesa, Lisboa, CNCDP, Outubro/Dezembro 1996.
  • 29 - Diáspora e Expansão. Os Judeus e os Descobrimentos Portugueses, Lisboa, CNCDP, Janeiro/Março 1997.
  • 30/31 - Vieira, Lisboa, CNCDP, Abril/Setembro de 1997.
  • 32 - Olhares cruzados, Lisboa, CNCDP, Outubro/Dezembro 1997.
  • 33 - Vasco da Gama, Lisboa, CNCDP, Janeiro/Março 1998.
  • 34 - Culturas do Índico, Lisboa, CNCDP, Abril/Junho 1998.
  • 35 - Misericórdias. Cinco Séculos, Lisboa, CNCDP, Julho/Setembro 1998.
  • 36/37- Azulejos. Portugal e Brasil, Lisboa, CNCDP, Outubro 1998/Março 1999.
  • 38 - Navios e navegações. Portugal e o Mar, Lisboa, CNCDP, Abril/Junho 1999.
  • 39 - O achamento do Brasil, Lisboa, CNCDP, Julho/Setembro 1999.
  • 40 - A formação territorial do Brasil, Lisboa, CNCDP, Outubro/Dezembro 1999.
  • 41 - A Construção do Brasil Urbano, Lisboa, CNCDP, Janeiro/Março 2000.
  • 42 - Viver no Brasil colónia, Lisboa, CNCDP, Abril/Junho 2000.
  • 43 - Ourivesaria luso-brasileira do ciclo do ouro e dos diamantes, Lisboa, CNCDP, Julho/Setembro 2000.
  • 44 - Portugueses no Brasil independente, Lisboa, CNCDP, Outubro/Dezembro 2000.
  • 45 -Terra Nova. A epopeia do bacalhau, Lisboa, CNCDP, Janeiro/Março 2001.
  • 46 - Ilhas Fantásticas, Lisboa, CNCDP, Abril/Junho 2001.
  • 47/48 - Os pescadores, Lisboa, CNCDP, Julho/Dezembro 2001.
  • 49 - Pedro Nunes, Lisboa, CNCDP, Janeiro/Março 2002.
Índice por números
1 - Açores: o Fascínio do Atlântico. Camões: O Retrato Pintado a Vermelho. Castelo da Foz: o Sonho de D. Miguel da Silva, Lisboa, CNCDP, Junho de 1989
  • MOURA, Vasco Graça, “Editorial”, p. 3.
  • “Os Descobrimentos Portugueses em Bruges”, p. 8.
  • “Conferência Europa – Mundo em Lisboa”, p. 8.
  • “Descobrimentos Portugueses na Universidade de Bolonha”, p. 9.
  • “Televisão australiana quer filmar navegações portuguesas”, p. 9.
  • “«Correio» da Unesco: Número sobre os Descobrimentos”, p. 9.
  • “Portugal e a Expo’92”, pp. 10 – 11.
  • “Cinco Séculos de Evangelização e Encontro de Culturas”, p. 11.
  • “Comissão dos Descobrimentos promove série de televisão”, p. 11.
  • “II Encontro Algarve–Andaluzia”, p. 12.
  • “Editora francesa vai publicar livros sobre os navegadores portugueses”, p. 12.
  • “Professores estrangeiros no Conselho Científico”, p. 12.
  • “Vasco da Gama vai ter ópera e Philip Glass é o autor”, p. 13.
  • “Emanuel Nunes compõe obra coral sobre os Descobrimentos”, p. 13.
  • “Rei de Espanha realça colaboração Luso–Espanhola”, p. 14.
  • “Iniciativas conjuntas nos programas comemorativos. Descobrimentos: festa em cooperação ibérica”, O Comércio do Porto (1/3/89), p. 15.
  • “Um acto de cultura”, Diário de Notícias (27/4/89), p. 15.
  • “Descobrimentos portugueses na Universidade de Bolonha”, Diário Popular (12/4/89), p. 15.
  • BELARD, Francisco, “O retrato recuperado”, Revista Expresso (15/4/89), p. 15.
  • MOURA, Vasco Graça, “O Retrato pintado a Vermelho”, pp. 18 – 25.
  • SERRÃO, Vitor, “Fernão Gomes. Pintor Maneirista de «Bravo Talento»”, pp. 27 – 29.
  • LEITE, Ana Cristina, “A Lisboa de Camões”, pp. 31 – 35.
  • QUITÉRIO, José, “Camões e a mesa”, pp. 36 – 40.
  • TÁVORA, Luís de Lancastre e (Marquês de Abrantes), “A Origem Social dos Navegadores”, pp. 41 – 42.
  • TRIGUEIROS, António Miguel, “Os Descobrimentos na Numismática”, pp. 43 – 45.
  • LOPES, Marília, “Documentos sobre a História da Expansão Europeia. Encontro de professores na Alemanha”, p. 46.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “«Roteiro e todos os sinais, conhecenças, fundos, baixios, alturas e derrotas que há na Costa do Brasil desde o Cabo de Santo Agostinho até ao estreito de Fernão de Magalhães»”, p. 47.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “«Catálogo da exposição Comemorativa da edição de 1482 da Geographia de Cláudio Ptolomeu»”, p. 47.
  • MATOS, José Sarmento de, “Açores: O Fascínio do Atlântico”, p. 50.
  • MATOS, José Sarmento de, “O Fascínio do Atlântico”, p. 50.
  • COUTO, Jorge, “As Ilhas Lendárias e o Descobrimento dos Açores”, p. 52 - 54.
  • MARQUES, Alfredo Pinheiro, “Um Novo Mapa e a Sua Representação do Atlântico Pré-Colombiano”, pp. 55 – 57.
  • MENESES, Avelino de Freitas de, “Povoamento e Administração”, pp. 59 – 64.
  • MARTINS, Rui Sousa, “Os Processos Criativos e as Origens do Povoamento”, pp. 65 – 67.
  • SILVEIRA, Martim Cunha da, “Os Flamengos nos Açores”, pp. 69 – 71.
  • RODRIGUES, Vítor Luís Gaspar, “As Primeiras Plantas”, pp. 72 – 74.
  • SOUSA, Nestor de, “Tempos de Arquitectura nos Açores”, pp. 76 – 78.
  • DIAS, Francisco Maduro, “O Culto do Espírito Santo”, pp. 79 – 81.
  • MATOS, Artur Teodoro de, “Açores: Ponto de Convergência de Rotas Comerciais”, pp. 83 – 86.
  • LEITE, José Guilherme Reis, “Os Cortes Reais: O Ramo Açoriano e o Seu Significado”, pp. 87 – 91.
  • ALMEIDA, Onésimo Teotónio de Almeida, “A Presença Portuguesa na América do Norte”, pp. 93 – 95.
  • SILVEIRA, Pedro da, “Biblioteca Açoriana”, pp. 97 – 98.
  • CARVALHAL, Francisco Dias do, “Carta de Francisco Dias a Seus Primos em Guimarães”, pp. 100 – 101.
  • MATOS, José Sarmento de, “S. João da Foz. Entre Sonhos e Realidades”, p. 103.
  • DESWÄRTE, Silvie, “A Roma de D. Miguel da Silva”, pp. 104 – 107.
  • MOREIRA, Rafael, “A Obra de D. Miguel da Silva”, pp. 108 – 110.
  • GUILLAUME, Jean, “Relatório sobre S. João da Foz”, pp. 111 – 113.
  • PINTO, Fernando Maia, “Tempos Sobrepostos”, p. 114.
  • “Marfins Afro-Portugueses. Exposição nos E.U.A.”, pp. 116 – 117.
  • RODRIGUES, Graça Almeida, “Carta dos Estados Unidos”, p. 119.
  • LOPES, Marília, “Carta da Alemanha”, p. 120.
  • “Portugal e Brasil juntos em Sevilha”, [Entrevista a D. Manuel de Orleans-Bragança], p. 121.
  • LOURENÇO, Eduardo, “Portugal e a Europa”, p. 123 - 130.
2 - Viver a Bordo. Cascais: Os Segredos de uma Fortaleza. No Rio das Amazonas: Entre o Mito e a História, Lisboa, CNCDP, Outubro de 1989
  • FERREIRA, António Mega, [Editorial],  p. 3.
  • “Vasco Graça Moura: «Plano de Acções até 92 será divulgado em breve»”, pp. 6 – 8.
  • PAULINO, Francisco Faria, “Como Comemorar?”,  pp. 9 – 10.
  • “Homenagem a Colombo na ilha de Santa Maria – Açores”, p. 10.
  • “A partida da armada de 1537 nos estaleiros da Ribeira das Naus”, p. 11.
  • “Viagens no Atlântico no lugre «Creoula»”,  p. 12.
  • “Viagens de alunos da margem norte para a margem sul do Tejo, visitas a locais de interesse histórico e pequenas viagens fluviais num veleiro… e viagens do interior para o litoral”, p. 12.
  • “Philip Glass: uma ópera sobre os Descobrimentos”,  p. 13.
  • “Festival de Sagres 89”, p. 13.
  • “O Infante na RDA”,  p. 14.
  • “Plenário do Conselho Científico reune em Lisboa”,  p. 14.
  • “A Arte, os Descobrimentos e a Universidade debatidos em Coimbra”,  p. 15.
  • “Seminário para novos Investigadores”,  p. 15.
  • “Portugal assina protocolo com Guiné-Bissau”,  p. 15.
  • “Acordo com o Benim”,  p. 15.
  • “Exposições em 30 cidades assinalam a 10 de Junho”, O Dia (01/06/89),  p. 16.
  • “«Descobrimentos Portugueses»: vela é a grande vedeta”, O Comércio do Porto (2/6/89),  p. 16.
  • “Descobrimentos comemorados no Castelo de Leiria”, Jornal Europeu (9/6/89),  p. 16.
  • ”«O Rosto de Camões» ”, O Século (10/6/89),  p. 17.
  • BÉLARD, Francisco, “«The Courrier/El Correo»”, Expresso (29/7/89),  p. 17.
  • PEREIRA, Paulo, “«Oceanos»”, Expresso (7/89),  p. 17.
  • RODRIGUES, Jorge, “«Oceanos»”, Revista Sábado (19/8/89),  p. 17.
  • CID, Margarida Sobral, “Restauro do Cristo dos Jerónimos”,  pp. 19 – 23.
  • MATOS, José Sarmento de, “Representação das Armas de Lisboa”,  pp. 24 - 25.
  • VELOSO, A. J. Barros e ALMASQUÉ, Isabel, “Casas com Barcos”,  pp. 26 – 31.
  • REIS, António Estácio dos, “Astrolábios Portugueses adquiridos em leilão na Christie’s”,  pp. 32 – 35.
  • DOMINGUES, Francisco Contente e GUERREIRO, Inácio, “Viver a Bordo”,  pp. 37 – 63.
  • MATOS, José Sarmento de, “Cascais. Os Segredos da Fortaleza”,  p. 65.
  • MOREIRA, Rafael, “Arquitectura Militar: História da Arte e Arqueologia”,  pp. 66 – 67.
  • BOIÇA, Joaquim Ferreira, “A Fortaleza da Luz e a Defesa da Barra”,  pp. 68 – 72.
  • “Fortaleza de Nossa Senhora da Luz e a Cidadela em 1738”,  p. 73.
  • “Fortaleza de Nossa Senhora da Luz – Prisão de Estado (1833)”,  p. 73.
  • RAMALHO, Margarida, “Em busca da Torre Perdida”,  pp. 75 – 81.
  • MATOS, José Sarmento de, “Retábulo da Igreja de Jesus de Setúbal”,  p. 83.
  • PEREIRA, Fernando António Baptista, “O Retábulo de Jesus e a Pintura Portuguesa do Séc. XVI”,  pp. 85 – 91.
  • MATOS, José Sarmento de, “No Rio das Amazonas”,  p. 93.
  • ALMEIDA, Bernardo Pinto de, “Tintim Nas Nossas Cabeças”,  p. 94.
  • FONTES, Luís Torres, “A Amazónia”,  pp. 96 – 99.
  • FONTES, Luís Torres, “Notas Históricas”,  pp. 100 – 103.
  • FONTES, Luís Torres, “A Lenda das Amazonas”,  pp. 104 – 106.
  • WASHBURN, Wilcomb E., “Os Primeiros Contactos com os Índios na América”,  pp. 109 – 113.
  • “Extractos da Carta de Pêro Vaz de Caminha”,  p. 114.
  • LOPES, Marília, “Brasiliana. Uma colecção particular exposta em Heidelberg”,  p. 116.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “«A Alemanha e os Descobrimentos Portugueses»”,  p. 117.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “Mamlousk, Ottomans et Portugais en Mer Rouge. L’Affaire de Djedda en 1517”,  p. 118.
  • MATOS, José Sarmento de, “As Navegações Portuguesas no Atlântico e no Índico”,  p. 119.
  • MATOS, José Sarmento de, “Tratado de Seguros de Pedro de Santarém”,  p. 119.
  • “Livro de Traças de Carpintaria”, p. 121.
  • COSTA, Melba Ferreira da, “Acerca do Livro de Traças”,  pp. 122 - 128.
  • LLANSOL, Maria Gabriela, “Nós Estamos de Volta”,  pp. 129 – 130.
3 - Bartolomeu Dias. O Capitão do Fim. Retratos de Isabel - Imagens de uma Imperatriz. Palácio Almada – Carvalhais - Uma Ruína Lisboeta, Lisboa, CNCDP, Março de 1990
  • MATOS, José Sarmento de, [Editorial], p. 3.
  • “Plano a médio prazo propõe etapas para as Comemorações”,  pp. 6 – 8.
  • “Exposição leva cinco mil pessoas aos Jerónimos”,  p. 9.
  • “Executivo apresenta em Madrid proposta de comemorações conjuntas”,  p. 10.
  • FERREIRA, António Mega, “Por causa de Tordesilhas”,  p. 11.
  • “«Celebrar os Descobrimentos é um acto amplificador de horizontes»”, [Entrevista a Luís Adão da Fonseca],  pp. 12 – 13.
  • “Agência Lusa vai divulgar os Descobrimentos”,  p. 13.
  • “Descobrimentos evocados em Estrasburgo”,  p. 14.
  • “CNCDP vai apoiar Arquivos”,  p. 14.
  • “Pen Clube edita Antologia sobre os Descobrimentos”,  p. 14.
  • “Congresso Bartolomeu Dias: Primeiro volume das actas”,  p. 15.
  • “Igreja comemora Descobrimentos”,  p. 15.
  • “Os Descobrimentos e a Arte – Assinatura de protocolo”,  p. 15.
  • “Comemorações em Madrid”, ABC (Madrid) (21/12/89),  p. 17.
  • “«Descobrimentos em exposição nos Jerónimos»”, A Capital (04/01/90),  p. 17.
  • BARCIELA, Fernando, “Portugal levou projecto a Madrid para celebrar o Tratado de Tordesilhas”, Diário de Notícias (20/12/89),  p. 17.
  • PEREIRA, Paulo, “Iconografia dos Descobrimentos”, Expresso (15/12/89),  p. 17.
  • “«Exposição Internacional em 1998 celebra descoberta da Índia»”, Diário de Notícias (15/12/89),  p. 18.
  • “«Letras» e Comissão dos Descobrimentos – Cooperação até 1994”, Jornal de Notícias (23/12/89),  p. 18.
  • FALLORCA, Jorge, “Pavilhão de Portugal brilha entre dez”, Diário de Lisboa (30/11/89),  p. 18.
  • MARTINS, Maria João, “A malta das naus”, Diário de Lisboa (05/01/90),  p. 18.
  • PEREIRA, Paulo, “Oceanos n.º 2”, Expresso (30/12/89),  p. 18.
  • “Sevilha 92, Lisboa 98. Portugal entre duas exposições”,  pp. 20 – 21.
  • NOGUEIRA, Paulo, “Manuel Graça Dias: «O nosso projecto é uma homenagem à forma portuguesa de construir cidades»”, [Entrevista a Manuel Graça Dias],  p. 22 – 24.
  • GRANDRY, Marie Noëlle Pradel-De (Adaptado), “1998. Como se faz uma Exposição”,  pp. 25 – 30.
  • “Expo 98: Todo o mundo em Lisboa”,  pp. 31 – 34.
  • MOURA, Vasco Graça, “Retratos de Isabel”,  pp. 35 – 46.
  • “Uma carta de Aretino”,  p. 47.
  • ANDRESEN, Sophia de Mello Breyner, “Meditação do duque de Gândia sobre a morte de Isabel de Portugal”,  p. 47.
  • MATOS, José Sarmento de, “Bartolomeu Dias. O capitão do fim”,  pp. 48 - 49.
  • FONSECA, Luís Adão da, “Bartolomeu Dias, do pouco que se sabe...”,  pp. 50 – 55.
  • THOMAZ, Luís Filipe F. R., “O projecto imperial de D. João II”,  pp. 57 – 61.
  • MACEDO, Jorge Borges de, “A política atlântica de D. João II e o Mediterrâneo”,  pp. 62 – 70.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “As inovações da náutica portuguesa no tempo de Bartolomeu Dias”,  pp. 71 – 76.
  • CORREIA, José Manuel, “Medos e visões dos mareantes na passagem do Cabo da Boa Esperança”,  pp. 78 – 81.
  • TÁVORA, Luiz de Lancastre e (Marquês de Abrantes), “Um homem e as suas origens”,  pp. 82 – 88.
  • MATOS, José Sarmento de, “Palácio Almada-Carvalhais: Uma ruína lisboeta”,  p. 91.
  • MATOS, José Sarmento de, “Um Homem, Uma Casa, Uma Família”,  pp. 93 – 95.
  • BARATA, Maria do Rosário Themudo, “Quem foi Rui Fernandes de Almada”,  pp. 96 – 102.
  • NOGUEIRA, Paulo, “Um palácio na Lisboa dos Descobrimentos”,  pp. 103 – 105.
  • “Saudades de um escolar”,  pp. 106 – 107.
  • “Por terras da Guiné”,  p. 109.
  • ESTEVES, Maria Luísa, “O Cacheu em meados do séc. XIX”,  pp. 111 – 113.
  • MATOS, José Sarmento de, “Comemorar as Comemorações”,  p. 115.
  • PEREIRA, João Castelo Branco, “Os «Tronos Rolantes» da monarquia portuguesa”,  pp. 116 – 122.
  • ALBUQUERQUE, Martim de, “O Atlas do Visconde de Santarém”,  pp. 123 – 125.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “«Colombo vero e falso»”,  p. 127 – 128.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “«Voyage dans le Deltas du Congo et de L’Irraouady»”,  p. 129.
  • “A expansão em Marrocos”,  p. 130.
  • “Literatura Hispanica, Reyes Catolicos y Descubrimiento”,  p. 130.
  • “Histórias dos Jerónimos”,  p. 130.
  • “A fundação do Império Português (1415 – 1580), Vol. I”,  p. 130.
  • FONSECA, Luís Adão da, “Europa 1492. «Retrato de um continente ache quinientos años»”,  p. 130.
4 - Ordem de Santiago, Lisboa, CNCDP, Julho de 1990
  • FERREIRA, António Mega, [Editorial], p. 3.
  • “Grupo de Trabalho prepara estudo de viabilidade”,  p. 7.
  • “Portugal e a construção do Mundo Moderno”,  p. 10.
  • "Portugal – Brazil: «The Age of Atlantic Discoveries»”,  p. 11.
  • “A semana do Portugal das Descobertas”,  p. 12.
  • “Les Découvertes Portugaises Dans Le Monde",  p. 12.
  • “Calendário das exposições a realizar no estrangeiro (Julho/Setembro)”,  p. 12.
  • “Um projecto descentralizado”,  p. 13.
  • “«Primacías de América en la Española 1492 – 1542». Exposição na Casa dos Bicos”,  p. 16.
  • “Macau em Lisboa”,  p. 16.
  • “Inscrição portuguesa descoberta na África do Sul”,  pp. 17 – 18.
  • “Prémios de Investigação D. João de Castro”,  pp. 19 – 20.
  • “«Camões constituiu uma ponte de nós para os outros»”,  pp. 20 – 22.
  • “Com a passagem do Cabo da Boa Esperança encontrou-se a chave da Idade Moderna”,  pp. 22 – 23.
  • “«Editadas Actas sobre Bartolomeu Dias»”, Comércio do Porto (21/04/90),  p. 24.
  • “«Descobrimentos: apoio a projectos de investigação»”, Jornal de Letras (02/04/90),  p. 24.
  • “«Pasta didáctica ensina Descobertas»”, Diário de Notícias (18/04/90),  p. 24.
  • CARDOSO, António, “As Comemorações de Bartolomeu Dias foram mal comemoradas”, Correio da Manhã (05/04/90),  p. 24.
  • “«Expansão ibérica celebrada em comum»”, Diário de Notícias, (09/04/90),  p. 25.
  • VELEZ, João Paulo, “«Três locais em alternativa»”, O Público, (20/04/90),  p. 25.
  • “«Descobrimentos têm plano a médio prazo»”, Diário de Lisboa, (10/03/90),  p. 26.
  • “«Descobertas na cooperação»”, O Público, (10/04/90),  p. 26.
  • PINHARANDA, João, “À Bolina”, O Público, (27/03/90),  p. 26.
  • “«Ricci faz catálogo sobre Descobrimentos»”, Público, (10/03/90),  p. 27.
  • “«Torre do Tombo edita livro comemorativo»”, Diário de Notícias, (05/05/90),  p. 27.
  • NÓBREGA, Tolentino de, “«O português como língua de encontros»”, O Público, (06/06/90),  p. 27.
  • PEREIRA, António Collares, “«A missão e a comissão»”, O Dia, (14/04/90),  p. 27.
  • PAVIOT, Jacques, “As relações económicas entre Portugal e a Flandres no séc. XV”,  pp. 28 – 34.
  • GOULÃO, Maria-José, “Ourivesaria Luso-Brasileira no Rio da Prata”,  pp. 36 – 42.
  • PEREIRA, Paulo, “A esfera armilar na arquitectura do tempo de D. Manuel”,  pp. 43 – 50.
  • REIS, António Estácio dos, “A mais antiga agulha de marear portuguesa”,  pp. 53 – 55.
  • MATOS, José Sarmento de, “A ordem Santiago”,  pp. 56 – 57.
  • PIMENTA, Maria Cristina Gomes, “A Ordem de Santiago em Portugal”,  pp. 58 – 63.
  • BRANCO, Manuel de Silva Castelo, “A Ordem de Santiago e a Índia”,  pp. 64 – 65.
  • PEREIRA, Fernando António Baptista, “O Retábulo de Santiago”,  pp. 66 – 74.
  • SERRÃO, Vitor, “A «Criação do Homem»: de Gregório Lopes”,  pp. 76 – 81.
  • TÁVORA, Luiz de Lancastre e (Marquês de Abrantes), “O senhor D. Jorge”,  pp. 82 – 92.
  • OLIVAL, Fernanda, “A Ordem de Santiago e o Sal do Sado”,  pp. 93 – 96.
  • ANTUNES, Luís Pequito, “O património construído da Ordem de Santiago”,  pp. 97 – 101.
  • MATOS, José Sarmento de, “Hospitais de Lisboa no Século XV”,  p. 102.
  • SALGADO, Anastácia Mestrinho e SALGADO, Abílio José, “Hospitais de Lisboa até ao séc. XV”,  pp. 103 – 109.
  • NOGUEIRA, Paulo, “O Preço do Céu”,  pp. 111 – 112.
  • MATOS, José Sarmento de, “Comemorar as Comemorações”,  pp. 114 – 115.
  • GOMES, Paulo Varela, “«Os Lusíadas» segundo Vieira Portuense”,  pp. 116 – 122.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “Martim Behaim (1459 – 1507). Seefahrer. Entdecker. Kosmograph”,  p. 123.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “Die Suche Nach Dem Reiche Des Priesterkönigs Johannes (Dargestellt anhand von Reiseberichten und anderer ethnographischen Quellen des 12. bis 17. Jahrhunderts)”,  p. 125.
  • GARCIA, José Manuel, “«As Viagens Portuguesas à América»”,  p. 126.
  • LEMOS, Virgílio de, “Sophia: «As navegações portuguesas foram uma epopeia do espanto»”, [Entrevista a Sophia de Mello Breyner Andresen],  p. 127 – 130.
5 - Sagres. Cabo Verde, Lisboa, CNCDP, Novembro de 1990
  • FERREIRA, António Mega, [Editorial],  p. 3.
  • “Sagres”, Oceanos, nº 5, p. 8.
  • GARCIA, José Manuel, “A Vila do Infante”,  pp. 9 – 18.
  • GARCIA, José Manuel, “Escavações Arqueológicas em Sagres”,  pp. 19 – 20.
  • “Um projecto em questão”,  pp. 21 - 23.
  • GARCIA, José Manuel,Uma nova carta de marear: notícia do seu descobrimento”,  pp. 25 – 28.
  • “«O Olhar do Corvo» Canta Portugal”,  pp. 29 – 30.
  • “Portugal – Brasil. Exposição e Colóquio”,  p. 31.
  • RUSSEL-WOOD, A. J. R., “Novos caminhos no estudo da expansão portuguesa”,  pp. 33 – 34.
  • “Actividades do grupo de Trabalho do Ministério da Educação”,  pp. 35 – 36.
  • “«Autrement» dedica número aos Descobrimentos Portugueses”,  p. 36.
  • “Em contagem decrescente”,  pp. 37 – 38.
  • “Fragata D. Fernando II e Glória”,  pp. 39 – 40.
  • MENESES, José de Vasconcelos e, “Cristóvão de Mendonça e a nau Vitória”,  pp. 41 – 42.
  • “Um americano em Lisboa”,  p. 43.
  • “Conferência em Lisboa”,  p. 44.
  • “Jornadas Luso-Brasileiras de História da Arte”,  p. 44.
  • “Exposições de Cartografia Portuguesa: Na Hungria”,  p. 44.
  • “A Expansão Europeia: O diálogo Luso-Italiano”,  p. 45.
  • “Colóquio em Washington trás novidades”,  p. 45.
  • “II Curso de Verão de História da Arte”,  p. 45.
  • “Prémio «Colombus: Countdown 1992»”,  p. 45.
  • “Mare Liberum”,  p. 45.
  • PEDREIRINHO, José Manuel, “Sagres: Será desta?”, JL, (18/09/90),  pp. 46 - 47.
  • POMAR, Alexandre, “O muro de Sagres”, Expresso (08/09/90),  p. 46.
  • “Descobrimentos vão ter ópera em 1992”, Diário de Notícias (28/09/90),  p. 47.
  • PINHARANDA, João, “ O outro muro…”, Público (25/09/90),  p. 47.
  • REIS, Patrícia, “«A ópera por descobrir»”, Sábado (28/09/90),  p. 47
  • “«Um dia na Ópera»”, Público, (28/09/90),  p. 48.
  • “Diálogo das culturas constrói o futuro”, Diário de Notícias (04/10/1990),  p. 48.
  • COELHO, Luís, “«Uma cadeira para pensar»”, Expresso (05/10/90),  p. 48.
  • MATOS, José Sarmento de, “Ver Cabo Verde”,  pp. 50 – 51.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “As ilhas que estavam lá…”,  pp. 52 – 67.
  • SILVA, António Correia e, “Os fundamentos do povoamento”,  pp. 68 – 77.
  • FAGUNDES, João, “Ribeira Grande. A cidade velha”,  pp. 78 – 84.
  • AMARO, Clementino, “Escavações Arqueológicas na Cidade Velha”,  pp. 85 – 87.
  • ALMEIDA, João Bento de, “A Sé da Ribeira Grande: Proposta de recuperação”,  pp. 88 – 89.
  • “Temas de uma cultura”,  p. 90.
  • VEIGA, Manuel, “O Crioulo”,  pp. 91 – 93.
  • MARTINS, Vasco, “Variações sobre a origem da morna”,  pp. 94 – 96.
  • “Álbum de família”, Oceanos, nº5, 1990, p. 97.
  • CAEIRO, António, “E viva a bola!”,  p. 98.
  • “Tesouros no abismo”,  p. 99.
  • YVES-BLOT, Jean e BLOT, Maria Luísa, “Arqueologia de um navio: o «San Pedro da Alcântara»”, Oceanos,  nº 5, 1990, pp. 100 – 105.
  • YVES-BLOT, Jean e BLOT, Maria Luísa, “O passado debaixo de água”,  pp. 106 – 113.
  • MOURÃO, António Martins, “Flor de la Mar: tesouro a fundo perdido”,  pp. 114 – 115.
  • CASTELO-BRANCO, Manuel da Silva, “O «Livro das Fortalezas» de Duarte de Armas”,  p. 116 – 122.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “«Diário di bordo. Livro de la prima navigazione e scoperta della India»”,  p. 123.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “«La Ciência Española en el Descubrimiento de America» (Las tablas de coordenadas geograficas compiladas en la Espanã Medieval)”,  p. 124.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “«La Genovesita di Colombo»”,  p. 125.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “«O Impacto dos Descobrimentos na Exegese Bíblica – Poliglota dos Salmos, de 1516»”,  p. 125.
  • MATOS, José Sarmento de, “Borges de Macedo: «Os Portugueses deram à Europa a noção dos Oceanos»”, [Entrevista a Borges de Macedo],  pp. 126 – 130.
6 - A Descoberta da Natureza. Os portugueses no Golfo, Lisboa, CNCDP, Abril de 1991
  • FERREIRA, António Mega, [Editorial],  p. 3.
  • “Expo 98: Lisboa reforça candidatura”,  pp. 6 - 7.
  • GARCIA, José Manuel, “Os portugueses no Golfo”,  pp. 8 – 13.
  • “O Golfo Pérsico visto pelos Portugueses. Antologia de textos dos séculos XVI e XVII”,  pp. 14 – 18.
  • MOURÃO, António Martins, “Daniel Boorstin: «O propósito do Infante era alcançar o desconhecido»”, [Entrevista a Daniel Boorstin],  pp. 19 – 21.
  • “Extractos de «Os Descobridores» de Daniel Boorstin”,  pp. 21 – 23.
  • “Mário Soares apela à participação do país nas comemorações dos descobrimentos”,  p. 25.
  • “Raide Macau – Lisboa”,  p. 25.
  • “Portugal lança pavilhão em Sevilha”,  p. 25.
  • “Audiovisuais e os Descobrimentos”,  p. 25.
  • “Projecto Finisterra Povos e Culturas”,  p. 26.
  • “As Caravelas Portuguesas nos Caminhos da Índia”,  p. 26.
  • “Rui Veloso canta os Descobrimentos”,  p. 26.
  • “Colóquio Luso – Francês Descobrimentos e Encontro de Culturas”,  p. 27.
  • “Fontes para a História de Portugal em exposição”,  p. 27.
  • “Exposição itinerante de «Cartografia Portuguesa» no estrangeiro”,  p. 27.
  • “Génova 1992: «Colombo, o navio e o mar»”,  pp. 28 - 29.
  • BRANDÃO, Pedro, “Sagres, nos Jerónimos”, Público (19/11/90),  p. 30.
  • SERRÃO, Vitor, “Sagres... ponto final”, Público (30/11/90),  p. 31.
  • “SEC suspende projecto para a ponta de Sagres”, Diário de Notícias (31/12/90),  p. 31.
  • GUERREIRO, António, “Lusitália”, Expresso (22/12/90),  p. 32.
  • “«Peregrinação» integral editada em França”, Público (05/01/91),  p. 32.
  • “Oceanos”, Jornal do Fundão (04/01/91),  p. 32.
  • “Comissão dos Descobrimentos organiza ciclo «os desafios do milénio»”, Jornal de Notícias (15/11/90),  p. 32.
  • “Iluminuras na Torre do Tombo”,  p. 35.
  • MATOS, José Sarmento de, “1940. A Exposição que mudou Belém”,  p. 36.
  • TÁVORA, Luiz de Lancastre e (Marquês de Abrantes), “Garcia de Sá”,  pp. 45 – 46.
  • “A Descoberta da natureza”,  p. 47.
  • “O Jardim das Descobertas um grande projecto comemorativo”,  pp. 50 – 51.
  • ALMAÇA, Carlos, “Os Portugueses e o conhecimento das faunas exóticas”,  pp. 52 – 63.
  • ALMAÇA, Carlos, “Frei Cristóvão de Lisboa e a zoologia brasileira”,  pp. 64 – 65.
  • FARIA, Miguel, “As Plantas Tintureiras”,  pp. 66 – 78.
  • MATOS, José Sarmento de, “Comemorar a Restauração”,  p. 79.
  • SOBRAL, Luís de Moura, “A Ordem de Cister e a Restauração Brigantina. Um ciclo emblemático em Salzedas,  pp. 80 – 85.
  • COUCEIRO, Gonçalo, “A Igreja de S. Paulo em Macau”,  pp. 87 – 95.
  • HENRIQUES, Paulo, “Conto da Maia (1890 – 1981)”,  pp. 96 – 107.
  • “Prémio D. João de Castro: A «Peregrinação» traduzida por Rebecca Catz”,  p. 108.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “«The Travels of Mendes Pinto»”,  p. 109.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “The Periplus of the Erytraean Sea = Agatharchides of Cnidus, «On the Erytraean Sea»”,  p. 110 – 11.
  • GARCIA, José Manuel, “«Catálogo dos Impressos de Tipografia Portuguesa do Século XVI: A Colecção da Biblioteca Nacional»”,  p. 112.
  • “Editados três livros de Alfredo Pinheiro Marques”,  p. 113.
  • “Três novos títulos das Edições Inapa”,  p. 114.
  • “«Ciência e Mito nos Descobrimentos»”,  p. 114.
  • “Évora 1490. As bodas do Príncipe”,  pp. 116 – 123.
  • DODERER, Gerhard, “A música nas bodas”,  pp. 126 – 130.
7 - Fernão Mendes Pinto: Lisboa: o Oriente a descobrir, Lisboa, CNCDP, Julho de 1991
  • FERREIRA, António Mega, [Editorial],  p. 3.
  • “Expo 98: o maior projecto”,  pp. 8 – 11.
  • “João Paulo II: «Portugal foi púlpito da Boa Nova»”,  p. 12.
  • “Primeiro-Ministro no Brasil”,  p. 13.
  • “Portugal coloca primeira pedra em Sevilha”,  p. 14.
  • “Audiovisuais e os Descobrimentos”,  p. 15.
  • “Apoio à Investigação”,  p. 15.
  • “«O Trabalho» segura Sevilha”,  p. 17.
  • “Sociedade de Geografia”,  p. 17.
  • “Auto da Pimenta: Protocolo assinado”,  p. 18.
  • “Descobrimentos em Compact-Disc”,  p. 18.
  • “Escultura evoca Descobrimentos”,  p. 19.
  • “500 Anos de Santo Inácio de Loyola. Congresso Histórico/Cultural”,  p. 21.
  • “Cartografia em digressão”,  p. 21.
  • MOURÃO, António Martins, “John Roberts a Oceanos: «É impossível conceber Colombo sem a inspiração portuguesa»”, [Entrevista a John Roberts],  pp. 22 – 23.
  • “Temos argumentos para a Expo-98”, Diário de Notícias (29/03/91),  p. 25.
  • “Uma ilha dos Amores… no Algarve”, Público (14/01/91),  p. 25.
  • “«Expo-98» ajudará a recuperar a zona oriental de Lisboa”, Jornal de Notícias (29/03/91),  p. 25.
  • “Colóquio luso–francês. Historiadores debatem Descobrimentos”, Público (02/02/91),  p. 26.
  • ROCHA, Rui, “Oceanos Mare Liberum”, Expresso (27/04/91),  p. 26.
  • “Vasco da Gama é tema de ópera”, Diário Popular (25/03/91),  pp. 26 – 27.
  • “Dez audiovisuais sobre as Descobertas”, Público (02/02/91),  p. 27.
  • “Na rota dos navegadores”, O 1º de Janeiro (31/01/91),  p. 27.
  • “Portugueses preparam exposição para a cidade de Génova em 92”, Jornal de Notícias (25/01/91),  p. 27.
  • TÁVORA, Luís de Lancastre e (Marquês de Abrantes), “Nuno da Cunha”,  pp. 29 – 30.
  • BRANCO, Teresa Schedel Castelo, “Reinel: uma família de Lisboa”,  pp. 32 – 34.
  • “Fernão Mendes Pinto”,  p. 37.
  • CORREIA, João David Pinto, “Viajante e escritor”,  pp. 38 – 42.
  • GARCIA, José Manuel, “A «Peregrinação» e a literatura de viagens”,  pp. 43 – 49.
  • CATZ, Rebecca, “Em foco os gigantes das letras portuguesas”,  pp. 50 – 57.
  • LOURENÇO, Eduardo, “O Livro do Deslumbramento”,  pp. 58 – 62.
  • BAPTISTA, António Alçada, “Peregrinação, Peregrinações…”,  pp. 62 – 66.
  • D’INTINO, Rafaella, “A «utopia chinesa» de Fernão Mendes Pinto”,  pp. 67 – 71.
  • BOLÉO, João Paulo Paiva, “A «Peregrinação» e a banda desenhada”,  pp. 72 – 77.
  • LEMOS, Virgílio de, “Êxito em França da «Peregrinação»”,  pp. 78 - 79.
  • REIS, António Estácio dos, “Viagem à roda de um astrolábio pintado”,  pp. 81 – 93.
  • “Lisboa: O Oriente a descobrir”,  pp. 94 – 96.
  • PIMENTEL, Alberto, “«De Xabregas à Povoa de Santa Iria»”,  pp. 97 – 119.
  • VASCONCELOS, Jorge Ferreira de, “Memorial das Proezas da Segunda Távola Redonda”,  pp. 120 – 125.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, "«Géographie du monde au Moyen Âge et à la Renaissance»",  pp. 129 – 130.
8 - A Rainha D. Leonor, Lisboa, CNCDP, Outubro de 1991
  • FERREIRA, António Mega, [Editorial],  p. 3.
  • MATOS, José Sarmento de, “Marfins em exposição”,  pp. 8 - 9.
  • MATOS, José Sarmento de, Brilhos Régios”,  p. 10.
  • MATOS, José Sarmento de, “Josefa de Óbidos em exposição”,  p. 12.
  • “Prémio Europeu Vasco da Gama”,  p. 13.
  • MOURA, Vasco Graça, “Mensagem da C.N.C.D.P. na visita das caravelas de Espanha”,  p. 13.
  • “«Prémio da Boa Esperança» – discurso do Ministro do Planeamento”,  p. 15.
  • “Protocolo com Marconi”,  p. 15.
  • “Volta ao Mundo”,  p. 15.
  • “José Mattoso versus Colombo português”, O Comércio do Porto (16/06/91),  p. 17.
  • “«Os Descobrimentos Portugueses» em França”, JL (04/06/91),  p. 17.
  • “Regata dos Portos evoca Descobrimentos”, Correio da Manhã (15/06/91),  p. 17.
  • “Audiovisual tem comissão para os Descobrimentos”, JL (18/06/91),  p. 17.
  • “Cursos de Verão em Coimbra”, Diário de Coimbra (18/06/91),  p. 19.
  • “Estudos Portugueses em Oxford”, Público (03/06/91),  p. 19.
  • “A música e os Descobrimentos”, Público (01/06/91),  p. 19.
  • “«Descobrimentos, Expansão e Identidade Nacional»”, Primeiro Jornal (22/07/91),  p. 19.
  • “Singapura do Médio Oriente”, Público (15/07/91),  p. 19.
  • “E Portugal descobriu o mundo”, Correio Braziliense (07/05/91),  p. 21.
  • “Sagres: de lá, via-se a Terra”, Correio Braziliense (07/05/91),  p. 21.
  • “O mundo de portas abertas”, BSB – Brasil (07/05/91),  p. 21.
  • TÁVORA, Luís de Lancastre e (Marquês de Abrantes), “D. Luís de Ataíde Conde Atouguia Vice – Rei da Índia”,  pp. 22 – 23.
  • LUÍS, Fernando, “Europalia 91 Portugal”,  pp. 26 – 30.
  • REIS, António Estácio dos, “O Gabinete de Física da Universidade de Coimbra”,  pp. 31 – 35.
  • RADULET, Carmen M., “Diogo Cão no Reino do Congo”,  pp. 38 – 43.
  • “Congo 1491 – 1991”,  p. 37.
  • GARCIA, José Manuel, “De Rui de Pina a Duarte Lopes”,  pp. 44 – 55.
  • FERRONHA, António Luís A., “A Pedagogia da Sujeição”,  pp. 56 – 61.
  • MATOS, José Sarmento de, “O Congo no Século XIX”,  pp. 62 – 66.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “A Náutica Portuguesa Quinhentista na Europa”,  pp. 68 – 75.
  • “D. Leonor”,  pp. 76 – 78.
  • MATOS, José Sarmento de, “A Senhora do Povo”,  pp. 79 – 88.
  • TAVARES, Maria José Ferro, “D. Leonor e a fundação das Misericórdias”,  pp. 89 – 93.
  • RAMALHO, Américo da Costa, “A Rainha D. Leonor e o seu tempo”,  pp. 96 – 101.
  • SERRÃO, Vitor, “O mecenato da rainha D. Leonor e a pintura de corte”,  pp. 104 – 107.
  • SILVA, Nuno Vassallo e, “O Relicário que fez Mestre João”,  pp. 110 – 113.
  • “Lisboa – Expo 98. Edição da Comissão de Promoção da Exposição Internacional de Lisboa de 1998”,  p. 117.
  • MATOS, José Sarmento de, “A Baixela da Coroa Portuguesa”,  p. 120.
  • MATOS, José Sarmento de, “D. João II – um percurso humano e político nas origens da modernidade em Portugal”,  p. 121.
  • MATOS, José Sarmento de, “O confronto do olhar. O encontro dos povos na época das Navegações portuguesas”,  p. 121.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “«Cronaca dei Fatti di Guinea»”,  p. 123.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “Ciência e Mito nos Descobrimentos (Ensaio iconológico sobre Cosmografia e Cartografia)”,  p. 124 – 125.
  • LEMOS, Virgílio de, “De Camões a Mafalala ou o milagre da língua”, [Entrevista a José Craveirinha],  pp. 127 – 130.
9 - O Ano de 92, Lisboa, CNCDP, Janeiro de 1992
  • FERREIRA, António Mega, [Editorial],  p. 3.
  • FERREIRA, António Mega, “Luís de Albuquerque (1917 – 1992)”,  pp. 8 – 9.
  • “Expo 98 vence etapa crucial”,  pp. 10 – 11.
  • “Fundação vai gerir Centro Cultural de Belém”,  p. 13.
  • “D. Duarte comemorado em Viseu”,  p. 13.
  • “Cátedra Vasco da Gama”,  p. 13.
  • “VII Colóquio Internacional de Heráldica”,  p. 13.
  • “Rui Veloso. Auto da Pimenta”,  p. 15.
  • LEITE, Carlos Câmara, “À espera de meio milhão de portugueses”, Público (11/12/91),  p. 16.
  • MELO, António, “Os Descobrimentos em imagens”, Público, (21/09/91),  p. 16.
  • FERREIRA, António Mega, “Antes e Depois”,  pp. 18 – 21.
  • REIS, António Estácio dos, “Globos antigos em colecção imaginária”,  pp. 36 – 49.
  • “1792. A Viagem Filosófica”,  p. 51.
  • ALMAÇA, Carlos, “Alexandre Rodrigues Ferreira e a exploração histórico-natural do Brasil”,  pp. 54 - 57.
  • FARIA, Miguel, “O desenho em viagem”,  pp. 65 – 73.
  • PEREIRA, Rui, “Amazónia Redescoberta”,  pp. 80 – 83.
  • “A Amazónia em Exposição”,  pp. 86 – 88.
  • MATOS, José Sarmento de, “1992”,  pp. 90 – 91.
  • LUÍS, Fernando, “Europália 91 Portugal. Um balanço”,  pp. 92 – 95.
  • COUCEIRO, Gonçalo, “O Cemitério Jesuíta em Pequim”,  pp. 100 – 112.
  • LUÍS, Fernando, “Onde o Mar Acaba. Antologia de Poesia e Prosa sobre as Descobertas”,  p. 113.
  • BESSA-LUÍS, Agustina, “Um mar de lágrimas”,  p. 114.
  • ANDRESEN, Sophia de Mello Breyner, “Ondas”,  p. 115.
  • “Tratado de Tordesilhas”,  pp. 116 – 117.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “I Viaggi di Giovanni e Sebastiano Caboto”,  p. 118.
  • COUCEIRO, Gonçalo, “História das relações diplomáticas entre Portugal e a China - «O padre António de Magalhães, S.J., e a embaixada de Kangxi a D. João V»”,  p. 119.
  • SOUSA, Maria Leonor Machado de, “Em torno de D. Sebastião”,  pp. 121 – 123.
  • MATOS, José Sarmento de, “José Mattoso: «Questões históricas são aquelas que nos atingem, o resto é erudição»”, [Entrevista a José Mattoso],  pp. 125 – 130.
10 - Portugal e o Mar, Lisboa, CNCDP, Abril de 1992
  • Vasco Graça Moura, [Editorial],  p. 3.
  • “Portugal na Expo 92”, pp. 10 – 13.
  • MARQUES, Luísa Pacheco, “Génova 92. Pavilhão Português”,  pp. 18 – 21.
  • MATOS, José Sarmento de, “Colombo”,  pp. 24 - 26.
  • GARCIA, José Manuel, “Colombo em Portugal”,  pp. 27 – 30.
  • PÉREZ, Demetrio Ramos, “De Lisboa saiu a Lisboa voltou”,  pp. 32 – 35.
  • VARELA, Consuelo, “A Influência Portuguesa”,  pp. 36 – 37.
  • CARACCI, Ilaria Luzzana, “Colombo: metas e projectos”,  pp. 38 – 41.
  • MOURA, Vasco Graça, “Camões e os Descobrimentos”,  pp. 44 – 49.
  • “Grão-Vasco”, Oceanos, nº 10, pp. 51 – 53.
  • SILVA, Nuno Vassallo e, “O Ouro de Quíloa”,  pp. 54 – 61.
  • MATOS, José Sarmento de, “Portugal e o Mar”,  pp. 62 – 64.
  • MACEDO, Jorge Borges de, “O Mar e a História”,  pp. 65 – 71.
  • CORREIA, João David Pinto, “O Mar e as Lágrimas”,  pp. 72 – 79.
  • MATOS, Artur Teodoro de, “Rotas portuguesas do Atlântico”,  pp. 80 – 85.
  • REIS, António Estácio dos e MACHADO, Raúl de Sousa, “Os instrumentos náuticos dos Descobrimentos”,  pp. 87 – 93.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “Roteiro do Mar Roxo de D. João de Castro”, Oceanos, nº 10, pp. 94 – 101.
  • RUIVO, Mário, “D. Carlos de Bragança. Naturalista e Oceanógrafo (1863 – 1908)”,  pp. 102 – 111.
  • FERREIRA, António Mega, “Os Oceanos, Portugal e o Futuro Expo 98”,  pp. 112 – 118.
  • CORREIA, Hélia, “Sul”,  pp. 119 – 120.
  • “História Trágico – Marítima. Jorge Molder”, pp. 121 – 128.
  • AMARÍLIS, Orlanda, “Josefa de Sta. Maria nas Ilhas de Cabo Verde Achadas pelo Piloto Diogo Gomes e pelo Genovês Antonioto Usodimore, Companheiro de Cadamosto no Ano de 1460”,  pp. 129 – 130.
11 - Sevilha. Lisboa, Lisboa, CNCDP, Julho de 1992
  • [Editorial],  p. 3.
  • FERREIRA, António Mega, “2000 dias para inventar o futuro”,  pp. 5 – 7.
  • “Regata Colombo”,  pp. 14 – 23.
  • MATOS, José Sarmento de, Charles R. Boxer. O português visto de fora”,  p. 25.
  • BOXER, Charles R., “O Governador mutilado”,  pp. 26 – 32.
  • REIS, António Estácio dos, “Um astrolábio diferente de todos os outros”,  1992, pp. 35 – 42.
  • “Nas vésperas do Mundo Moderno”,  pp. 44 – 46.
  • DIAS, Jill, “África e os africanos no imaginário europeu”,  pp. 47 – 56.
  • TRIGUEIROS, António Miguel, “As moedas também falam do Livro de Horas de D. João III”,  pp. 58 – 67.
  • “A Barra do Tejo”,  pp. 68 – 70.
  • RAMALHO, Margarida de Magalhães, “A Barra do Tejo e a defesa de Lisboa”,  pp. 71 – 75.
  • BOIÇA, Joaquim Manuel Ferreira e BARROS, Maria de Fátima Rombouts de, “O Bugio e São Julião da Barra”,  pp. 78 – 89.
  • MATOS, José Sarmento de, «Sucesso do segundo cerco de Diu» de Jerónimo Corte–Real”,  pp. 90 – 91.
  • SILVA, Nuno Vassallo e, “A Baixela Wellington”,  pp. 98 – 101.
  • NETO, Maria Amélia, “Caminhos e Vozes”,  pp. 103 – 105.
  • MATOS, José Sarmento de, Sevilha”,  pp. 114 – 130.
12 - Os Jesuítas e a Ideia de Portugal, Lisboa, CNCDP, Novembro de 1992
  • [Editorial],  p. 3.
  • “Expo’98 já tem Comissário”,  p. 5.
  • “Portugal na Exposição de Génova”,  pp. 6 – 8.
  • “450 Anos de Amizade Japão – Portugal”,  p. 11.
  • REAL, Manuel Luís, GOMES, Paulo Dórdio e TEIXEIRA, Ricardo Jorge, “Casa do Infante. Uma história a refazer”,  pp. 17 – 22.
  • REIS, António Estácio dos, “A vida atribulada de um dique”,  pp. 24 – 29.
  • “Navios no dique”,  pp. 30 – 31.
  • MATOS, José Sarmento de, “Os Jesuítas e a Ideia de Portugal”,  pp. 36 – 39.
  • P., J. F., “Cronologia da Companhia de Jesus”,  pp. 41 – 46.
  • LOURENÇO, Eduardo, “Portugal e os Jesuítas”,  pp. 47 – 53.
  • MATOS, José Sarmento de, “Padre António Vieira”,  pp. 54 – 55.
  • SERRÃO, Vitor, “Quadros de Vida de S. Francisco de Xavier”,  pp. 56 – 69.
  • P., J. F., “Azevedo, Padre Simão Rodrigues de”,  p. 70.
  • P., J. F., “Xavier, S. Francisco”,  p. 71.
  • PEREZ, Rosa Maria de Figueiredo, “Os Jesuítas portugueses e a representação das culturas”,  pp. 74 – 80.
  • P., J. F., “Andrade, Padre António de”,  p. 81.
  • P., J. F., “Góis, Irmão Bento de”,  p. 81.
  • F., A. M., “Do bom uso da matemática na propagação da fé”,  pp. 82 – 83.
  • PEREIRA, André, [Carta ao Pe Geral da Companhia de Jesus, Pequim, 20 de Novembro de 1732],  pp. 84 – 87.
  • COUCEIRO, Gonçalo, “O observatório de Pequim”,  pp. 88 – 89.
  • P., J. F., “Câmara, Padre Luíz Gonçalves da”,  p. 90.
  • P., J. F., “Silveira, Padre D. Gonçalo da”,  p. 90 – 91.
  • P., J. F., “Brito, Beato João de”,  p. 91.
  • COUCEIRO, Gonçalo, “Pintores jesuítas na China”,  pp. 92 – 101.
  • P., J. F., “Nóbrega, Padre Manuel da”,  p. 102.
  • P., J. F., “Anchieta, Padre José de”,  pp. 102 – 103.
  • P., J. F., “Gusmão, Padre Bartolomeu Lourenço de”,  p. 103.
  • PEREIRA, Paulo, “A Arquitectura Jesuíta. Primeiras Fundações”,  pp. 104 – 111.
  • SILVA, Nuno Vassallo e, “Os Relicários de São Roque”,  pp. 112 – 117.
  • F., A. M., “Padre Manuel Antunes. «Do Homem ao outro do Homem»”,  p. 118.
  • ANTUNES,  Manuel, “Um destino a cumprir: a universalidade”,  p. 119.
  • FERREIRA, António Mega, “Bibliografia”,  pp. 120 - 121.
  • DIAS, Pedro, “Um tríptico manuelino na Catedral de Burgos”,  pp. 124 – 130.
13 - Medos, Fantasias e Visões, Lisboa, CNCDP, Março de 1993
  • FERREIRA, António Mega e MATOS, José Sarmento de, [Editorial],  p. 3.
  • MATOS, José Sarmento de, “O Convento da Arrábida. As Conferências do Convento”,  pp. 6 – 15.
  • CORRÊA, Fernando Calapez, “O Processo de Martinho”,  pp. 20 – 24.
  • REIS, António Estácio dos, “Artífice e Poeta”,  pp. 26 – 35.
  • D’INTINO, Rafaella, “A Viagem das Palavras”,  pp. 36 – 38.
  • MATOS, José Sarmento de, “Medos, Fantasias e Visões”,  pp. 41 – 43.
  • PINTO, João da Rocha, “Os signos de Deus e o expansionismo português”,  pp. 44 – 49.
  • FARIA, Miguel, “Vaticínios e superstições 1524 – 1577”,  pp. 50 – 57.
  • “Memórias de um cronista do século XVI”,  pp. 58 – 59.
  • TAVARES, Maria José Ferro, “O medo à pobreza”,  pp. 60 – 63.
  • SOUSA, Maria Leonor Machado de, “Uma hipótese romântica do fantástico nos Descobrimentos”, Oceanos,  nº 13, 1993, pp. 66 – 69.
  • “O maior monstro da natureza”,  pp. 70 – 71.
  • GRANJA, Cecília, “Os monstros no imaginário quinhentista”,  pp. 72 – 75.
  • MATOS, José Sarmento de, “As Tapeçarias de D. João de Castro”,  pp. 82 – 83.
  • FERNANDES, Maria Antónia Quina Carvalho, “Novos dados para um enigma”,  pp. 86 – 93.
  • MOREIRA, Rafael, “D. Álvaro de Castro. Filho do vice-rei”,  pp. 96 – 98.
  • SILVA, Nuno Vassallo e, “A cruz de Filipe I”,  pp. 108 – 111.
  • CAETANO, Joaquim Oliveira, “A identificação de um pintor”,  pp. 112 – 118.
  • MATOS, José Sarmento de, “Ideias e imagens em Portugal na época dos Descobrimentos. Francisco de Holanda e a Teoria da Arte”,  p. 120.
  • MATOS, José Sarmento de, “Portugal e a Ordem de Malta. Aspectos da Europa”,  p. 120.
  • GARCIA, José Manuel, “O Livro de Lisuarte de Abreu”,  p. 120 – 121.
  • GARCIA, José Manuel, “Exposição: «Indes Merveilleuses»”,  p. 121.
  • MATOS, José Sarmento de, “A Aventura das Plantas”,  p. 121.
  • MATOS, José Sarmento de, “As regências na menoridade de D. Sebastião. Elementos para história estrutural”,  p. 121.
  • “O adeus a Colombo,”Kenneth Maxwell,  pp. 122 – 130.
14 - Porcelanas e Mares da China, Lisboa, CNCDP, Junho de 1993
  • MOURA, Vasco Graça, [Editorial], p. 1.
  • COSTA, Maria Velho da, “Evocação de Luiz Távora, Marquês de Abrantes”, p. 4.
  • PEREIRA, Rui, “As Índias Maravilhosas”,  pp. 6 – 8.
  • “1994. O ano do Infante”,  p. 10.
  • “Expo’98 mascote e logotipo”,  p. 10.
  • “Prémios D. João de Castro”,  p. 13.
  • “António José Saraiva ou a cultura sem mestre”,  p. 13 – 14.
  • “António Quadros e o espírito português”,  p. 14.
  • “Portugal na Abertura do Mundo”,  p. 16.
  • “Albuquerque. Le lion des mers d’Asie”,  p. 16.
  • “Mal de Ausência”,  pp. 16 e 18.
  • MELLID-FRANCO, Luísa, “A world on the move”,  p. 18.
  • GARCIA, José Manuel, “Desastres da Carreira da Índia, Porcelanas e a Liberdade dos Mares”,  pp. 24 – 27.
  • D’INTINO, Rafaella, “A Imagem da China nas Informações Portuguesas do Século XVI”,  pp. 28 – 30.
  • SAPAGE, António, “Porcelana no Comércio Luso–Chinês”,  pp. 31 – 38.
  • MATOS, Maria Antónia Pinto de, “Porcelanas de Encomenda. Histórias de um Intercâmbio Cultural entre Portugal e a China”,  pp. 40 – 56.
  • ALBUQUERQUE, Martim de, “A Loiça Brasonada Portuguesa”,  pp. 58 – 66.
  • CASTRO, Nuno de, “Alguns Brasões Inéditos”,  pp. 68 – 75.
  • CALADO, Rafael, “A Porcelana da China como Fonte de Inspiração da Decoração da Faiança Portuguesa no Século XVII”,  pp. 76 – 83.
  • CARVALHO, Eduardo Henrique Cansado, “A Companhia das Índias e a Porcelana. O Século XVIII e a «Família Rosa»”,  pp. 84 – 91.
  • CLÁUDIO, Mário, “Período Wanli, Azul e Branco”,  pp. 92 – 93.
  • “Poesia Chinesa”,  pp. 94 – 96.
  • VIEGAS, Francisco José, “Milred Motahedeh: Peças de Sonho”,  pp. 99 – 102.
  • PTAK, Roderich, “A China e Portugal no Mar: Comparação Entre o Sistema Ming e o Estado da Índia”,  p. 104 – 113.
  • BOXER, Charles R., “O Cronista João de Barros e o seu Interesse pela China Ming”,  pp. 114 – 116.
  • CANAVEIRA, Manuel Filipe, “Os Matemáticos Jesuítas da Corte do Imperador Kam–Hi”,  pp. 118 – 124.
  • MAGALHÃES, Ana Maria e ALÇADA, Isabel, “Negócio da China”,  pp. 125 – 128.
15 - O Regresso do Japão, Lisboa, CNCDP, Setembro de 1993
  • MELO, Eurico de, “Mensagem do Presidente de Honra Para as Comemorações dos 450 Anos da Chegada dos Portugueses ao Japão”,  p. 1.
  • MOURA, Vasco Graça, “Uns Panos Pintados que se Dobram ou Editorial com Paraventos”,  pp. 4 – 8.
  • “Portugal-Japão: O Reencontro da Amizada”,  pp. 10 – 11.
  • MELLID-FRANCO, Luísa, “O Japão visto pelos Portugueses”,  p 11.
  • “Manuscritos Portugueses do século XVII adquiridos em Londres”,  p. 12.
  • “Erros meus…”,  p. 12.
  • TRIGUEIROS, António Miguel, “Moedas e medalhas comemoram o século Namban no Japão”,  p. 14.
  • FIGUEIREDO, António José, “Memórias do Japão na Europa”,  pp. 15 - 16.
  • ALMEIDA, Cristina Ferreira de, “Entre a Europa e o Atlântico”, [Entrevista a Kenneth Maxwell],  pp. 18 – 22.
  • COSTA, João Paulo Oliveira e, “A Coroa Portuguesa e o Japão”,  pp. 26 – 33.
  • CASTRO, Aníbal Pinto de, “De Montemor–O-Velho às Ilhas do Japão: A Peregrinação de Fernão Mendes Pinto e o Encontro de Culturas”,  pp. 35 – 42.
  • GARCIA, José Manuel, “Contradições e Diferenças de Costumes Entre a Europa e o Japão no Século XVI”,  pp. 44 – 47.
  • SANTOS, Paula Ferreira, “1563. Religião e Comércio: Confluência de Interesses?”,  pp. 49 – 56.
  • MONTEIRO, Sandra Amaral, “1582. O Apogeu”,  pp. 58 – 63.
  • CASTELO, Cláudia, “1597. O Primeiro Martírio”,  pp. 64 – 70.
  • LEITÃO, Ana Maria Ramalho Prosérpio, “1623. O Afastamento”,  pp. 72 – 78.
  • CANAVEIRA, Manuel Filipe, “É o Japão, Onde Nasce a Prata Fina, que Ilustrada Será Com a Lei Divina”,  pp. 80 – 85.
  • SILVA, Denise, “A Embaixada dos Príncipes Japoneses na Penha Longa”,  pp. 86 – 90.
  • BRANQUINHO, Isabel, “Os Capitães–mores da Viagem do Japão”,  pp. 92 – 98.
  • SALGADO, Abílio José e SALGADO, Anastásia Mestrinho, “Luís de Almeida. Missionário e Médico Português no Japão do Século XVI”,  pp. 99 – 102.
  • OI, Célia Abe, “Yo Nom Compurende («Eu não Compreendo»). A Língua na História dos 85 anos de Imigração Japonesa”,  pp. 103 – 108.
  • SEVERY, Merle, “A Estrada Para Shimabara”,  pp. 109 – 116.
  • PINTO, Carla Alferes, “Arte Namban: Arte para Bárbaros?”,  pp. 117 – 126.
  • CANAVEIRA, Manuel Filipe, “Alessandro Valignano. Visitador da Companhia de Jesus no Império do Sol Nascente”,  pp. 127 – 128.
16 - O repto da Europa, Lisboa, CNCDP , Dezembro 1993
  • DELORS, Jacques, “A Europa do Mundo”,  p. 1.
  • MOURA, Vasco Graça, “Viagens na Nossa Terra” [Editorial],  p. 5.
  • LOURENÇO, Eduardo,Portugal: Entre a Realidade e o Sonho”,  pp. 10 – 11.
  • ALBUQUERQUE, Martim de, “Portugal e a Consciência da «Europa»”,  pp. 13 – 23.
  • MARTINS, Guilherme d’Oliveira, “Europa: Abertura e Interesses Comuns - A Liberdade Solidária”,  pp. 24 – 27.
  • GARCIA, José Manuel, “A Carta de D. Manuel a Maximiliano Sobre o Descobrimento do Caminho Marítimo para a Índia”,  pp. 28 – 32.
  • PEPETELA, “As Minhas Europas”,  pp. 34 – 35.
  • LOPES, Carlos, “Mosaicos que Encaixam”,  pp. 36 – 38.
  • ALMEIDA, Germano, “A Europa e Nós Outros”,  pp. 40 – 42.
  • SILVA, Alberto da Costa e, “A Europa e o Brasil”,  pp. 44 – 47.
  • JAMBA, José Sousa, “Reflexões Sobre uma Europa Multiétnica”,  pp. 49 – 51.
  • LISBOA, Eugénio, “Sonhar Europa”,  pp. 52 – 53.
  • SOUZA, Teotónio R. de, “Qual a Imagem dos Europeus Entre os Indianos?”,  pp. 54 – 56.
  • MOURA, Vasco Graça, “Camões e uma Concepção da Europa”,  pp. 58 – 61.
  • GSCHWEND, Annemarie Jordan, “Catarina de Áustria: Colecção e Kunstkammer de uma Princesa Renascentista”,  pp. 62 – 70.
  • MOURA, Vasco Graça Moura “O Toucado de Roma (Gaspar Correia, Erasmo, Gil Vicente e o Mais que se Verá)”,  pp. 72 – 85.
  • PAVIOT, Jacques e RIETH, Éric, “Um Relatório Sobre a Construção de Caravelas Portuguesas em Bruxelas (1438–1439)”,  pp. 86 – 92.
  • MIRANDA, José A. Bragança de, “Europa e Extraterritorialidade”,  pp. 94 – 101.
  • “«Relação em que se Trata, e Faz uma Breve Descrição dos Arredores Mais Chegados à Cidade de Lisboa e Seus Arrebaldes»”,  pp. 104 – 107.
  • MOURA, Vasco Graça, “Itinerário da Terra Santa, um quarteto”,  pp. 108 – 109.
  • COSTA, Maria Velho da, “Aldeias de Londres”,  pp. 110 – 111.
  • VIEGAS, Francisco José, “Os dois mares de Irlanda”,  pp. 112 – 116.
  • BESSA-LUÍS, Agustina, “A mulher velada”,  pp. 118 – 119.
  • MENDES, Luís Filipe de Castro, “Monólogo da Rainha Maria Teresa da Hungria e Boémia a Propósito do Conselheiro da sua Corte Manuel Teles da Silva Tarouca”,  p. 120.
  • ISÓCRATES, “Elogio de Atenas”,  p. 121.
  • GOETHE, “Veneza”,  pp. 122 – 123.
  • POPPE, Manuel, “Roma: a educação permanente”,  pp. 124 – 125.
  • GOMES, Luísa Costa, “Uma aventura na Holanda (Primeira Missão Diplomática de Vieira nos Países Baixos)”,   pp. 126 – 128.
  • KAVAFIS, Constandinos, “Reis de Alexandria”,  pp. 130.
  • VIEGAS, Francisco José, “O Céu da Islândia”,  pp. 131 – 132.
  • MAGALHÃES, Ana Maria e ALÇADA, Isabel, “Os Portugueses na Europa”,  pp. 133 – 136.
17 - O ano do Infante, Lisboa, CNCDP, Março 1994
  • NOGUEIRA, Fernando, “Palavras Proferidas pelo Ministro da Presidência e da Defesa Nacional e Presidente da Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses por Ocasião da Cerimónia de Inauguração das Comemorações do VI Centenário do Nascimento do Infante D. Henrique no Porto”,  p. 1.
  • MOURA, Vasco Graça, “Brilho das Esferas” [Editorial],  p. 5.
  • REAL, Manuel Luís, “Sobre o Local de Nascimento do Infante D. Henrique”,  pp. 8 – 10.
  • GARCIA, José Manuel, “O Elogio do Infante D. Henrique pelo Humanista Poggio Bracciolini”,  pp. 12 – 14.
  • MORENO, Humberto Baquero, “O Infante D. Henrique na Regência do Infante D. Pedro”,  pp. 16 – 18.
  • SILVA, Isabel L. Morgado S., “A Ordem de Jesus Cristo. Do mestrado de D. Gil Martins, à administração e Governo do Infante D. Henrique”,  pp. 20 – 24.
  • PONTE, Salete da, “O Infante D. Henrique em Tomar”,  pp. 26 – 31.
  • SOUSA, João Silva de, “A Casa Senhorial do Infante D. Henrique”,  pp. 33 – 38.
  • GARCIA, José Manuel, “Um pedido do Infante D. Henrique”,  p. 39.
  • LOUREIRO, Rui Manuel, “Lagos e o Infante D. Henrique”,  pp. 41 – 47.
  • DIAS, Pedro, “O Século do Infante. Os Homens e a Arte”,  pp. 49 – 56.
  • NASCIMENTO, Aires A., “Leitura de Príncipes: Gui de Warwick, um Romance de Cavalaria na Corte de Avis”,  pp. 58 – 64.
  • “Cavaleiro, Cientista, Mercador: Imagens do Infante”, Manuel Filipe Canaveira,  pp. 66 – 72.
  • CARVALHO, Filipe Nunes de, “Historiografia Henriquina: Um pretérito imperfeito”,  pp. 74 – 80.
  • ALMEIDA, Cristina Ferreira de, “Glória e História: O combate de Peter Russel”,  p. 82 – 85.
  • VERGÉ-FRANCESCHI, Michel, “Henrique, o Navegador. Um Descobridor no século XV”,  pp. 86 – 89.
  • SEVERY, Merle, “Marrocos: o Sonho Dourado do Infante D, Henrique. Fatal miragem para Portugal”,  pp. 92 – 102.
  • GARCIA, José Manuel,O Encontro de D. João II com Cristóvão Colombo em 1483”,  pp. 104 – 108.
  • RAPOSO, Francisco Hipólito“Os Azulejos Náuticos da Quinta de São Lourenço”,  pp. 109 – 115.
  • REIS, António Estácio dos, “Medir Estrelas, Direis...”,  pp. 117 – 124.
  • MAGALHÃES, Ana Maria Magalhães e ALCADA, Isabel, “Henrique, O Príncipe dos Oceanos”,  pp. 133 – 136.
18 - Tordesilhas. A partilha do Mundo, Lisboa, CNCDP, Junho 1994
  • MOURA, Vasco Graça, “Tordesilhas e algumas diagonalidades” [Editorial],  p. 5.
  • FONSECA, Luís Adão da, “Significado do Tratado de Tordesilhas”,  pp. 8 – 10.
  • MORENO, Humberto Baquero, “Dois negociantes do Tratado de Tordesilhas: Rui de Sousa e João de Sousa”,  pp. 12 – 14.
  • COELHO, António Borges, “A Primeira Reserva do Mundo Recém–Descoberto e a Descobrir”,  pp. 16 – 22.
  • MACEDO, Jorge Borges de, “Tratado de Tordesilhas. Relatividade e relevâncias”,  pp. 24 – 30.
  • RAMALHO, Américo da Costa, “A Cultura na época do Tratado de Tordesilhas”,  pp. 32 – 40.
  • PEREIRA, Fernando António Baptista, “A Arte em Portugal no tempo do Tratado de Tordesilhas. 1470 – 1530”,  1998, pp. 44 – 59.
  • GARCIA, José Manuel, “A Minuta do Tratado de Tordesilhas”,  pp. 62 – 76.
  • CANAVEIRA, Manuel Filipe, “O Tratado de Tordesilhas na Historiografia portuguesa e espanhola”, Oceanos,  nº 18, 1994, pp. 78 – 84.
  • MENDONÇA, Manuela, “D. João II e a Europa do seu Tempo: Uma visão das relações externas de Portugal”,  pp. 86 – 98.
  • CANAVEIRA, Manuel Filipe, “Os Pontífices Romanos e a Partilha do Mundo”,  pp. 100 – 102.
  • REIS, António Estácio dos, “Um Erro que o Cosmógrafo Jaime Ferrer Não Cometeu”,  pp. 105 – 112.
  • GARCIA, José Manuel,D. Leonor e a «Grande Desavença»”,  pp. 114 – 118.
  • CABRITA, Teresa, “As Pinturas Murais de Meijinhos”,  pp. 121 – 124.
  • LOPES, Óscar, “Apologia e Crítica Contemporâneas da Expansão”,  pp. 126 – 131.
  • VIEGAS, Francisco José, “Um Sábado em Thor–Shilah. Páginas de um diário em Tordesilhas”,  pp. 133 – 136.
19/20 - Indo-portuguesmente, Lisboa, CNCDP, Setembro / Dezembro 1994
  • MOURA, Vasco Graça, “Indo-Portuguesmente Falando” [Editorial],  p. 2.
  • MATHIAS, Marcello, “A Memória Presente”,  p. 3.
  • SOUSA, Teotónio R. de, “A Arte Cristã de Goa: Uma introdução histórica para a dialéctica da sua evolução”,  pp. 8 – 14.
  • RAPOSO, Francisco Hipólito, “O Encanto dos Contadores Indo–Portugueses”,  pp. 16 – 32.
  • FELGUEIRAS, José Jordão, “Arcas Indo–Portuguesas de Cochim”,  pp. 34 – 41.
  • PINTO, Maria Helena Mendes, “Sentando-se em Goa”,  pp. 43 – 58.
  • OSSWALD, Maria Cristina, “Marfins formas e técnicas, com especial incidência na imaginária indo-portuguesa”,  pp. 60 – 70.
  • BORGES, Charles J., “Questões em Torno das Formas de Representação na Arte Religiosa Indo–Portuguesa”,  pp. 72 – 86.
  • SILVA, Nuno Vassallo e, “Tesouros da «Terra de Promissam»: A ourivesaria entre Portugal e a Índia”,  pp. 88 – 100.
  • SERRÃO, Vitor, “A Pintura na Antiga Índia Portuguesa nos Séculos XVI e XVII”,  pp. 102 – 112.
  • CARITA, Helder, “Arquitectura Civil Indo–Portuguesa. Génese e primeiros modelos”,  pp. 114 – 133.
  • FERNANDES, José Manuel, “Vestígios do Manuelino na Arquitectura Religiosa de Influência Portuguesa na ndia: Malabar, Coromandel, Goa”,  pp. 136 – 154.
  • MOREIRA, Rafael, “A Primeira Comemoração: O Arco dos Vice–Reis”,  pp. 156 – 160.
  • PEREIRA, Rui Mateus, e VIEGAS, Francisco José, “José Blanco: A Paixão de Goa”, [Entrevista a José Blanco],  pp. 162 – 164.
  • “Museu de Arte Sacra de Rachol”,  pp. 165 – 170.
  • BRITO, Raquel Soeiro de, “Goa: Ontem e hoje”,  pp. 174 – 180.
  • CRUZ, Maria Augusta Lima, “As Vozes da Índia nas Décadas da Ásia de Diogo do Couto”,  pp. 182 – 188.
  • SUBRAHMANYAM, Sanjay, “O Gentio Indiano Visto Pelos Portugueses do Século XVI”,  pp. 190 – 196.
  • HENRIQUES, Cristina Delgado, “Velha Goa”,  pp. 199 – 202.
  • CANAVEIRA, Manuel Filipe, “«Goa Dourada»”,  pp. 204 – 210.
  • RODRIGUES, Vítor Luís Gaspar, “As Companhias de Ordenança no Estado Português da Índia, 1510 – 1580: Ensaios de criação do insucesso”,  pp. 212 – 218.
  • SEVERY, Merle, “Três Homens em Goa”,  pp. 220 – 230.
  • PEREZ, Rosa Maria, “Goa: Modos de Olhar”,  pp. 232 – 238.
  • POEIRA, Maria de Lourdes, “Goa: Civilização e Ambiente”,  pp. 239 – 244.
  • SARDO, Susana, “Goa: Sons e Silêncios”,  pp. 246 – 256.
  • COUTO, Dejanirah, “Baçaim: A Capital do Norte”,  pp. 258 – 266.
  • FERNANDES, José Manuel, “Chaúl: Um percurso urbano e fotográfico”,  pp. 268 – 271.
  • “Errata. D. Leonor e a «Grande Desavença»”,  p. 272.
21 - Mulheres no Mar Salgado, Lisboa, CNCDP, Janeiro/Março 1995
  • MOURA, Vasco Graça, “Mulheres no Mar Salgado” [Editorial],  pp. 4–5.
  • HESPANHA, António Manuel, “O Estatuto Jurídico da Mulher na Época da Expansão”,  pp. 8 – 16.
  • MACEDO, Jorge Borges de, “Mulheres e Política no Século XV Português. Consideração crítica”,  pp. 18 – 24.
  • MAGALHÃES, Isabel Allegro, “A «Boa Selvagem» n’ A Carta, de Pero Vaz de Caminha: Um olhar europeu, masculino, de Quinhentos”,  pp. 26 – 31.
  • COATES, Thimothy, “Colonização Feminina Patrocinada pelos Poderes Públicos no Estado da Índia (1550 – 1750)”,  pp. 34 – 43.
  • KAMAT, Pratima, “Instituições Cristãs de Caridade e a Mulher em Goa (1510 – 1835)”,  pp. 45 – 51.
  • HENRIQUES, Isabel Castro, “As Outras Africanas: As reais e as inventadas”,  pp. 53 – 63.
  • PEREIRA, Maria Helena Rocha, “Presenças Femininas na Época dos Descobrimentos”,  pp. 65 – 70.
  • NEVES, Leonor Curado, “A Menina e Moça de Bernardim Ribeiro e os debates em torno da Mulher”,  pp. 72 – 79.
  • SILVA, Maria Regina Tavares da, “O Que se Dizia Sobre as Mulheres”,  pp. 81 – 88.
  • BRANQUINHO, Isabel, “Breve Dicionário Histórico de Damas Notáveis”,  pp. 91 – 98.
  • SILVA, Nuno Vassallo e, “A Joalharia Feminina em Portugal na Época dos Descobrimentos”,  pp. 102 – 110.
  • ALBUQUERQUE, Martim de, “Uma Grande Jóia: S. Miguel Cavaleiro de Cristo. Ideologia e Arte”,  pp. 112 – 117.
  • BERTINI, Giuseppe,O «Livro de Cozinha» de Maria de Portugal e a cozinha de Corte em Bruxelas e em Lisboa ao tempo das suas núpcias com Alexandre Farnésio”,  pp. 119 – 125.
  • OLIVEIRA, Fernando de, “O Vestuário Feminino dos Séculos XV e XVI”,  pp. 128 – 142.
22 - Heranças de Neptuno, Lisboa, CNCDP, Abril/Junho 1995
  • MOURA, Vasco Graça, “Heranças de Neptuno” [Editorial],  p. 5.
  • GUEDES, Max Justo, “Brasil – O Museu Naval e Oceanográfico”,  pp. 8 – 13.
  • HIGUERAS RODRIGUEZ, Maria Dolores, “Espanha – Valiosa e Profunda Memória”,  pp. 16 – 26.
  • MALLEY, Richard C., “Estados Unidos da América – O Controlo dos Mares”,  pp. 29 – 36.
  • BELLEC, François, “França – A Dimensão Humana do Mar”,  pp. 38 – 44.
  • MERWE, Pieter Van Der, “Grã–Bretanha – Colecções de Três Museus”,  pp. 46 – 56.
  • BRYUNS, Willem F. J. Mörzer, “Holanda. A Época de Ouro das Descobertas Holandesas: 1594 – 1644”,  pp. 58 – 69.
  • KORCHAGIN, E., “Rússia – A Casa que Encerra os Tesouros da Glória Naval Russa”,  pp. 72 – 78.
  • KVARING, Lars – Ake e HAASUM, Sibylla, “Suécia – Dois Museus e Uma Memória”,  pp. 81 – 93.
  • “Portugal – Humanismo e Descobertas”, José Vale,  pp. 97 – 108.
  • REIS, António Estácio dos, “Navio de Marfim com Alguma Prata e Muitas Safiras”,  pp. 110 – 118.
23 - Agora, peregrino vago e errante, Lisboa, CNCDP, Julho/Setembro de 1995
  • MOURA, Vasco Graça, “regresso de camões a lisboa”, [Editorial],  pp. 4 – 5.
  • LOPES, Óscar, “Camões. Um Pacto de Leitura”,  pp. 8 – 20.
  • DIAS, João José Alves, “Em Torno das Rimas de Camões (1595–1616). A Colecção da Biblioteca Nacional”,  pp. 24 – 48.
  • CAMÕES, Luís de, “Canção X”,  pp. 52 – 53.
  • MATOS, Maria Vitalina Leal de, “O Mar em Camões”,  pp. 54 – 65.
  • CAMÕES, Luís de, “Transforma-se o amador na cousa amada”,  p. 66.
  • CAMÕES, Luís de, “Canção IX”,  p. 69.
  • REBELO, Luís de Sousa, “Bucolismo e Eticidade N’ Os Lusíadas”,  pp. 72 – 80.
  • CAMÕES, Luís de, “Amor é um fogo que arde sem se ver”,  p. 83.
  • ANDRÉ, Carlos Ascenso, “Camões, na Esteira de Ovídio: A Construção Poética do Degredo”,  pp. 84 – 92.
  • CAMÕES, Luís de, “No mundo quis um tempo que se achasse”,  p. 94.
  • CAMÕES, Luís de, “No tempo que de Amor viver soía”,  p. 96.
  • CAMÕES, Luís de, “Doces lembranças da passada glória”,  p. 98.
  • CAMÕES, Luís de, “Labirinto”,  pp. 101 – 102.
  • BUESCU, Maria Leonor Carvalhão, “Convenção e Inovação na Poética Camoniana”,  pp. 104 – 110.
24 - O Teatro da Natureza. Maximiliano no Brasil, Lisboa, CNCDP, Outubro/Dezembro 1995
  • MOURA, Vasco Graça, “Uma viagem ao Brasil” [Editorial],  p. 7.
  • SILVA, Maria Beatriz Nizza da, “A História Natural no Brasil antes das viagens do Príncipe Maximiliano”,  pp. 12 – 24.
  • PIJNING, Ernest, “O ambiente científico da época e a viagem ao Brasil do príncipe alemão Maximiliano de Weid-Newwied",  pp. 26 – 36.
  • DOMINGUES, Ângela, “O Brasil de Maximiliano de WeidNeuwied. Ou as Aventuras de um Príncipe Alemão em Viagem por Terras Brasileiras”,  pp. 39 – 54.
  • PINTO, João Rocha, “O Idealismo Alemão e os Índios do Brasil. A Vertente Etnográfica do Livro da Viagem ao Brasil, de Maximiliano, Príncipe de WeidNeuwied, Naturalista e Filósofo“,  pp. 57 – 66.
  • FARIA, Miguel, “Brasil: visões europeias da América Lusitana”,  pp. 70 – 100.
  • HORCH, Rose Marie Erika, “Notas Bibliográficas sobre a obra do Príncipe Maximiliano de Wied – Neuwied”,  pp. 102 – 110.
25 - Ilha de todos. Ilha de Moçambique, Lisboa, CNCDP, Janeiro/Março 1996
  • HESPANHA, António Manuel, “Editorial”, p. 5.
  • LOBATO, Manuel, “A Ilha de Moçambique antes de 1800. Algumas Notas Sobre a História e o Património de uma Capital Colonial”, pp. 10 – 26.
  • RITA-FERREIRA, António, “Ilha de Moçambique. Cidade de um Oceano”, pp. 30 – 44.
  • SOPA, António, “Alguns aspectos culturais da Ilha de Moçambique na segunda metade do século XIX”, pp. 48 – 58.
  • LEMOS, Manuel Jorge Correia de, “Reviver a Ilha, na Mafalala”, pp. 60 – 64.
  • CAPÃO, José, “Ilha de Moçambique: Sem desenvolvimento não há conservação”, pp. 67 – 74.
  • LISBOA, Eugénio, “Camões, a Ilha de Moçambique e Nós”, pp. 76 – 80.
  • PATRAQUIM, Luís Carlos, “Mapeamento Onírico para a Descoberta da «Rua de Fogo»”, pp. 82 – 86.
  • COUTO, Mia, “Quinze dias na Ilha de Moçambique”, pp. 88 – 92.
  • PITTA, Eduardo, “Fragmentos de uma memória clandestina”, pp. 95 – 97.
  • VIEGAS, Francisco José, “Diário encontrado entre os papéis da Ilha”, pp. 98 – 104.
  • KNOPFLI, Rui, “Muipiti”, p. 109.
  • PATRAQUIM, Luís Carlos, “Muhipiti”, p. 111.
  • LACERDA, Alberto de, “L’Isle joyeuse”, p. 113.
  • MENDES, Orlando, “Minha Ilha”, p. 115.
  • KNOPFLI, Rui, “Mesquita grande”, p. 117.
  • LOBO, Manuela Sousa, “Austrolírica”, p. 119.
  • SENA, Jorge de, “Camões na Ilha de Moçambique”, p. 121.
  • SAÚTE, Nelson, “A ilha dos poetas”, p. 123.
  • CAMÕES, Luís de, “Esta ilha pequena, que habitamos…”, p. 125.
  • SAÚTE, Nelson e SOPA, António, “De longe esta ilha parece pequena”, p. 127.
  • “En’hipiti nawehaka onira yankani”, p. 127.
26 - A luz do mundo. Iluminura Portuguesa Quinhentista, Lisboa, CNCDP, Abril/Junho 1996
  • HESPANHA, António Manuel, “Editorial”,  p. 5.
  • DIAS, Pedro, “A crónica iluminada de D. João I da Biblioteca Nacional de Madrid”, pp. 10 – 22.
  • GARCIA, José Manuel, “Poder, História e Exotismo na Iluminura Portuguesa Quinhentista”,  pp. 25 – 48.
  • PEIXEIRO, Horácio Augusto, “Um Missal Iluminado de Santa Cruz”,  pp. 52 – 72.
  • SILVA, Nuno Vassallo e, “Algumas Iluminuras Quinhentista nas Misericórdias Portuguesas”,  pp. 75 – 80.
  • MENDONÇA, Manuela, “A Iluminura nos Arquivos Nacionais: conservação e comunicação”,  pp. 83 – 88.
  • TRIGUEIROS, António Miguel, “Moedas Iluminadas”,  pp. 91 – 102.
  • LOPES, Marília dos Santos, “Portugueses do século XVI no Trachtenbuch de Christoph Weiditz”,  pp. 104 – 107.
  • REIS, António Estácio dos, “Instrumentos Náuticos na Iluminura Portuguesa Quinhentista”,  pp. 109 – 111.
27 - João de Barros e o Cosmopolitismo do Renascimento, Lisboa, CNCDP, Julho/Setembro 1996
  • HESPANHA, António Manuel, “Editorial”,  p. 5.
  • BUESCU, Ana Isabel, “João de Barros: Humanismo, mercancia e celebração imperial”,  pp. 10 – 24.
  • CARDIM, Pedro, “Livros, literatura e homens de letras no tempo de João de Barros”,  pp. 27 – 47.
  • BUESCU, Maria Leonor Carvalhão, “«A quem não lhe falecer matéria não lhe falecerão vocábulos». João de Barros e a Língua Portuguesa”,  pp. 51 – 64.
  • RAMALHO, Américo da Costa, “João de Barros, Humanista”,  pp. 68 – 73.
  • COELHO, António Borges, “João de Barros e a questão judaico–cristã–nova”,  pp. 75 – 82.
  • EARLE, T. F., “A linguagem pictórica de João de Barros nas Décadas da Ásia”,  pp. 84 – 90.
  • MARKL, Dagoberto L., “O Xadrez e os Descobrimentos. O Tempo de João de Barros (1496–1570)”,  pp. 92 – 98.
  • MOREIRA, Rafael e THOMAS, William M., “Desventuras de João de Barros primeiro colonizador do Maranhão. O achado da nau de Aires da Cunha naufragada em 1536”,  pp. 101 – 111.
28 - Fortalezas da Expansão Portuguesa, Lisboa, CNCDP, Outubro/Dezembro 1996
  • HESPANHA, António Manuel, “Editorial”,  p. 5.
  • DIAS, Pedro, “As fortificações portuguesas da cidade magrebina de Safi”,  pp. 10 – 22.
  • BALLONG-WEN-MEWUDA, J. Bato’Ora, “A Fortaleza de São Jorge da Mina. Testemunho da presença portuguesa na costa do Golfo da Guiné do século XV ao século XVII”,  pp. 27 – 39.
  • FERNANDES, José Manuel, “Luís Benavente e as Fortalezas de África (1956–1973)”,  pp. 41 – 52.
  • FARIA, Miguel, “Príncipe da Beira: a fortaleza para além dos limites”,  pp. 54 – 68.
  • CARITA, Rui, “O códice de Santa Catarina, suas fortalezas e seus uniformes”,  pp. 73 – 78.
  • CARITA, Rui, “A colónia do Sacramento no Uruguai. Os engenheiros militares na construção da expansão dos séculos XVII e XVIII”,  pp. 81 – 94.
  • ABUNGU, George, “Forte Jesus de Mombaça. Poder, autoridade e conflito”,  pp. 96 – 102.
  • COUTO, Dejanirah, A Fortaleza de Baçaim”,  pp. 105 – 118.
  • GARCIA, José Manuel, “Breve Roteiro das fortificações portuguesas no Estado da Índia”,  pp. 121 – 126.
29 - Diáspora e Expansão. Os Judeus e os Descobrimentos Portugueses, Lisboa, CNCDP, Janeiro/Março 1997
  • HESPANHA, António Manuel, “Editorial”,  p. 5.
  • TAVARES, Maria José Ferro, “A Expulsão dos Judeus de Portugal: conjuntura peninsular”,  pp. 10 – 20.
  • ALMEIDA, A. A. Marques de, “O Zangão e o Mel. Uma metáfora sobre a diáspora sefardita e a formação das elites financeiras na Europa (séculos XV a XVII)”,  pp. 25 – 35.
  • COELHO, António Borges, “Judeus e Cristãos–Novos Portugueses (séculos XVI e XVII)”,  pp. 37 – 47.
  • ARAÚJO, Maria Benedita, “Família e grupo social no criptojudaísmo português (século XVII)”,  pp. 49 – 66.
  • MEA, Elvira Cunha de Azevedo, “Resistência da minoria judaica transmontana à assimilação (século XVI)”,  pp. 71 – 82.
  • CUNHA, Ana Cannas da, “Cristãos – novos e judeus entre Portugal e o Norte de África (século XVI)”,  pp. 85 – 91.
  • VENTURA, Maria da Graça A., “Cristãos-novos portugueses nas Índias de Castela: dos negócios aos cárceres da Inquisição (1590-1639)”,  pp. 93 – 105.
  • TAVIM, José Alberto Rodrigues da Silva, “Uma presença portuguesa em torno da «sinagoga nova» de Cochim”,  pp. 108 – 117.
  • CRESPO, Victor, “Abraão Zacuto e a Ciência Náutica dos Descobrimentos Portugueses”,  pp. 119 – 128.
30/31 - Vieira, Lisboa, CNCDP, Abril/Setembro de 1997
  • HESPANHA, António Manuel, “Editorial”,  p. 5.
  • PINTO, P. António Vaz, s.j., “A imagem de Deus na obra e acção do Padre António Vieira”,  pp. 10 – 22.
  • PIRES, Maria Lucília Gonçalves, “O protótipo do Missionário em textos de Vieira”,  pp. 25 – 32.
  • VILELA, Magno, “Uma questão de igualdade... António Vieira e a escravidão negra na Bahia”, Oceanos, nº 30/31, pp. 37 – 52.
  • CASTELNAU-L’ÉSTOILE, Charlotte, “Salvar-se, salvando os outros: o Padre António Vieira, missionário do Maranhão 1652–1661”,  pp. 55 – 64.
  • CARITA, Rui, “O Padre António Vieira e os colégios das Ilhas”,  pp. 66 – 80.
  • FOLCH, Luisa Trias, “A obra do Padre António Vieira em Espanha”,  pp. 82 – 88.
  • CANAVEIRA, Manuel Filipe, “A parénese do Princeps Perfectus na oratória vieiriana”,  pp. 90 – 107.
  • COUTO, Jorge, “Vieira e o domínio neerlândes da Cidade do Salvador da Bahia 1624–1625”,  pp. 110 – 132.
  • CARDIM, Pedro, “Entre Paris e Amesterdão. António Vieira, legado de D. João IV no Norte da Europa 1646–1648”,  pp. 134 – 154.
  • ESPÍRITO SANTO, Arnaldo do, “Apresentação da Clavis Prophetarum.Trasmissão manuscrita, estrutura e aspectos do pensamento do Padre António Vieira (à memória de Margarida Vieira Mendes)”,  pp. 156 – 172.
  • SMULDERS, Frits, “Palavras antigas e modernas; universalismo intelectual de António Vieira (À memória do amigo-professor J. J. van den Besselaar)”,  pp. 174 – 184.
  • PEREIRA, José Fernandes, “O pensamento artístico de Vieira”,  pp. 187 – 200.
  • SERRÃO, Vítor, “A linguagem da pintura portuguesa proto-barroca e a arte da parenética na obra do Padre António Vieira (à memória de Margarida Vieira Mendes)”,  pp. 202 – 214.
  • SOBRAL, Luís de Moura, “Pintura e composição de lugar: um ciclo jesuítico na Bahia do Padre António Vieira”,  pp. 218 – 229.
  • ATHAYDE, Sylvia Menezes de, “Vieira e a Bahia do seu tempo”,  pp. 231 – 254.
  • AMADO, Teresa, “Coincidências”,  p. 255.
32 - Olhares cruzados, Lisboa, CNCDP, Outubro/Dezembro 1997
  • HESPANHA, António Manuel, “Editorial”,  p. 5.
  • CAMACHO, Maria João, “Olhares cruzados”,  pp. 8 – 9.
  • BOUCHON, Geneviève, “A imagem da Índia na Europa renascentista”,  pp. 11 – 30.
  • GUEDES, Maria Ana Marques, “O estabelecimento português no Sirião segundo uma crónica birmane”,  pp. 35 – 43.
  • PINTO, Paulo Jorge de Sousa, “Capitães e casados. Um retrato de Malaca nos finais do século XVI”,  pp. 45 – 60.
  • O’NEILL, Brian Juan, “A tripla identidade dos portugueses de Malaca”,  pp. 63 – 83.
  • MOURÃO, Isabel A. Tavares, “Notícias do Laos...”,  pp. 87 – 101.
  • MOURÃO, Isabel A. Tavares, “Olhares portugueses sobre o reino do Dai-Viet no século XVI e na primeira metade do século XVII”,  pp. 105 – 117.
  • SCHOUTEN, Maria Johanna, “Encontros e desencontros na zona leste do arquipélago malaio”,  pp. 121 – 130.
  • BARRETO, Luís Filipe, “O estatuto de Macau (séculos XVI e XVII)”,  pp. 133 – 148.
  • PINA-CABRAL, João de e CHAN, Mónica, “O Parasita do Mandarim: a lotaria dos exames imperiais (vaeseng) em Cantão e Macau”,  pp. 151 – 163.
  • PINTO, Ana Fernandes, “Oda Nobunaga nos escritos de Fróis: uma imagem política”,  pp. 165 – 174.
33 - Vasco da Gama, Lisboa, CNCDP, Janeiro/Março 1998
  • HESPANHA, António Manuel, “Editorial”,  p. 7.
  • BOUCHON, Geneviève, “A Islamização das Regiões Costeiras da Índia na Época das Viagens de Vasco da Gama”,  pp. 12 – 21.
  • CANAVEIRA, Manuel Filipe, “Dharma e Artha: Religião e política na génese da ideia de império e de realeza no Indostão”,  pp. 25 – 36.
  • SUBRAHMANYAM, Sanjay, “Profecias e Feitiços: Gaspar Correia e a Primeira Viagem de Vasco da Gama”,  pp. 41 – 54.
  • VILLIERS, John, “Vasco da Gama, o Preste João das Índias e os cristãos de S. Tomé”,  pp. 57 – 70.
  • FONSECA, Luís Adão da, “Vasco da Gama: uma Biografia Fantástica”,  pp. 73 – 89.
  • GARCIA, José Manuel, “Vasco da Gama em Terras da Índia”,  pp. 93 – 114.
  • CRUZ, M. Augusta Lima, “O Tratado dos Gama de Diogo do Couto”,  pp. 117 – 134.
  • RADULET, Carmen M., “O feito de Vasco da Gama: política nacional e reflexos internacionais”,  pp. 138 – 148.
  • PEREIRA, Paulo, “A Arquitectura Manuelina e o Problema do Exotismo”,  pp. 151 – 160.
  • ABREU, Maria Fernanda de, “A expedição de Vasco da Gama e a Índia no Romantismo literário português”,  pp. 163 – 175.
34 - Culturas do Índico, Lisboa, CNCDP, Abril/Junho 1998
  • HESPANHA, António Manuel, “Editorial”,  p. 7.
  • BAYLY, C. A. Bayly, “A presença portuguesa no Oceano Índico e a emergência do «Estado Moderno» 1498-1798”,  pp. 14 – 21.
  • BOSE, Sugata, “Estado, economia e cultura na orla do Índico: teoria e história”,  pp. 25 – 36.
  • GUY, John, “Têxteis, Sociedade e Comércio no Oceano Índico”,  pp. 41 – 50.
  • CHAUDHURI, K. N., “O Estado e as formas de controlo social: os nomes e a sua atribuição na história do Oceano Índico”,  pp. 53 – 59.
  • NEWITT, Malyn, “O impacto dos portugueses no comércio, política e estruturas de parentesco da África Oriental no século XVI”,  pp. 62 – 72.
  • MCPHERSON, Kenneth, “Uma História de Duas Conversões: Deus, a Cobiça e o Desenvolvimento de Novas Comunidades na Região do Oceano Índico”,  pp. 74 – 85.
  • ALAM, Muzaffar e SUBRAHMANYAM, Sanjay, “Uma Sociedade de Fronteira do Século XVI: Perspectivas Indo-Persas no Decão Ocidental”,  pp. 88 – 101.
  • SILVA, Chandra R. de, “Algumas reflexões sobre o impacto português na religião entre os singaleses durante os séculos XVI e XVII”,  pp. 104 – 116.
  • RADULET, Carmen M., “As sociedades do Índico e as relações com o Cataio através da documentação relativa às viagens de Vasco da Gama e Pedro Álvares Cabral”,  pp. 118 – 126.
  • PENRAD, Jean-Claude, “O encontro dos mundos. Islamismo, redes de confrarias e competição na África Oriental”,  pp. 132 – 140.
  • YÁÑEZ CASAL, Adolfo, “A Expansão Marítima Portuguesa no Índico e as transformações culturais ao Norte de Moçambique. O caso Makwa”,  pp. 142 – 150.
  • ASSAYAG, Jackie, “Por e contra, muçulmanos e hindus. A construção do outro numa cultura compósita: a Índia”,  pp. 152 – 162.
  • DELIÈGE, Robert, “Cristianismo e Intocabilidade numa aldeia Paraiyar (Sul da Índia)”,  pp. 164 – 172.
  • PEREZ, Rosa Maria, “Hinduísmo e cristianismo em Goa (II). Deuses clandestinos e devotos e fiéis”,  pp. 174 – 180.
  • TOFFIN, Gérard, “Notas sobre o Sincretismo Hindu-budista dos Newar do Vale de Katmandu, Nepal”,  pp. 182 – 192.
35 - Misericórdias. Cinco Séculos, Lisboa, CNCDP, Julho/Setembro 1998
  • HESPANHA, António Manuel, “Editorial”,  p. 5.
  • SERRÃO, Joaquim Veríssimo, “Nos 5 séculos da Misericórdia de Lisboa: um percurso na História”,  pp. 8 – 22.
  • SOUSA, Ivo Carneiro de, “Da Fundação e da Originalidade das Misericórdias Portuguesas (1498 – 1500)”,  pp. 24 – 39.
  • SÁ, Isabel dos Guimarães, “Práticas de caridade e salvação da alma nas Misericórdias metropolitanas e ultramarinas (séculos XVI-XVIII): algumas metáforas”,  pp. 42 – 50.
  • CABAÇO, Mariano, “O Quadro da Misericórdia de Lisboa”,  pp. 52 – 60.
  • CAETANO, Joaquim Oliveira, “A Virgem da Misericórdia: uma aproximação iconográfica”,  pp. 62 – 77.
  • LEÃO, Francisco G. Cunha, “Os Caminhos da Piedade: o impressor Valentim Fernandes e a Misericórdia de Lisboa”,  pp. 80 – 88.
  • PENTEADO, Pedro, “Os arquivos e a História das Misericórdias em Portugal: problemas e perspectivas”,  pp. 90 – 97.
  • ALBUQUERQUE, Maria João, “A irmandade e Confraria da Misericórdia de Vila Verde dos Francos”,  pp. 100 – 109.
  • IGNATIA, Irmã (Rumiko Kataoka), “Fundação e Organização da Confraria da Misericórdia de Nagasáqui”, Oceanos, nº 35, pp. 111 – 120.
  • SILVA, Nuno Vassallo e, “«Obras da Índia» nas Misericórdias Portuguesas”,  pp. 123 – 132.
  • SERRÃO, Vitor, “Sobre a iconografia da Mater Omnium: a pintura de intuitos assistenciais nas Misericórdias durante o século XVI”,  pp. 134 – 144.
36/37 - Azulejos. Portugal e Brasil, Lisboa, CNCDP, Outubro 1998/Março 1999
  • HESPANHA, António Manuel, “Editorial”,  p. 5.
  • MECO, José, “A Expansão da Azulejaria Portuguesa”,  pp. 8 – 17.
  • SIMÕES, J. M. dos Santos, “Iconografia lisboeta em azulejos no Brasil. Visitas de Lisboa em painéis de azulejos na cidade do Salvador”,  pp. 20 – 50.
  • MECO, José, “Azulejaria Portuguesa na Bahia”,  pp. 52 – 86.
  • MAIA, Pedro Moacir, “Uma visão panorâmica da Azulejaria e na Iconografia na Igreja e no Convento da Ordem Terceira de S. Francisco, em Salvador, Bahia”,  pp. 88 – 98.
  • PAIS, Alexandre Nobre, “O «Theatro Moral de la Vida Humana» no Convento de São Francisco da Bahia”,  pp. 100 – 112.
  • CARITA, Rui, “A pompa e aparato das sacristias ultramarinas portuguesas”,  pp. 114 – 124.
  • ARRUDA, Luísa, “Figuras de Convite em Portugal e no Brasil”,  pp. 126 – 154.
  • MONTEIRO, João Pedro, “O frontal de altar da capela de Nossa Senhora da Piedade, Jaboatão, Pernambuco”,  pp. 158 – 176.
  • CORREIA, Ana Paula, “Palácios, Azulejos e Metamorfoses”,  pp. 179 – 208.
  • PEREIRA, João Castel-Branco, “Azulejos Neoclássicos”,  pp. 211 – 232.
  • CALADO, Rafael Salinas, “Os Azulejos da Rua”,  pp. 234 – 240.
  • BURLAMAQUI, Suraya, “Azulejos de Jorge Barradas no Brasil”,  pp. 242 – 250.
  • HENRIQUES, Paulo, “Módulo, padrão e jogo. Azulejos de repetição na segunda metade do século XX”,  pp. 253 – 269.
  • MECO, José, “Glossário”,  pp. 270 – 272.
38 - Navios e navegações. Portugal e o Mar, Lisboa, CNCDP, Abril/Junho 1999
  • MAGALHÃES, Joaquim Romero, “Editorial”,  p. 5.
  • GUEDES, Max Justo, “Portugal e o Mar”,  pp. 8 – 15.
  • CRESPO, Victor, “Navegação Medieval Árabe”,  pp. 19 – 34.
  • BELLEC, François, “Da «Arte de Navegar» no Zeevaerdt”,  pp. 36 – 52.
  • MATOS, Rita Cortez de, “O Cosmógrafo-Mor: O Ensino Náutico em Portugal nos séculos XVI e XVII”,  pp. 55 – 64.
  • REIS, António Estácio dos, “O Nónio de Pedro Nunes”,  pp. 66 – 80.
  • RIBEIRO, António Silva, “As Marés na Náutica Quinhentista”,  pp. 84 – 96.
  • MACHADO, Raúl Sousa, “Das Barcas aos Galeões”,  pp. 98 – 110.
  • SILVA, Amélia Polónia da, “Os Náuticos das Carreiras Ultramarinas”,  pp. 113 – 128.
  • SANTOS, N. Valdez dos, “Artilharia e Artilheiros do Mar”,  pp. 130 – 147.
  • GUERREIRO, Inácio, “Particularidades da vida no mar”,  pp. 149 – 160.
39 - O achamento do Brasil, Lisboa, CNCDP, Julho/Setembro 1999
  • MAGALHÃES, Joaquim Romero, “Editorial”,  p. 5.
  • GUEDES, Max Justo, “O Descobrimento do Brasil”,  pp. 8 – 16.
  • COUTO, Jorge, “A Expedição Cabralina: Casualidade versus Intencionalidade”,  pp. 18 – 31.
  • GÓES, Synésio Sampaio, “Navegantes do Brasil”,  pp. 34 – 52.
  • FARINHA, António Dias, “A Viagem de Pedro Álvares Cabral ao Brasil e à Índia”,  pp. 54 – 68.
  • DOMINGUES, Francisco Contente, “Os Navios de Cabral”,  pp. 70 – 80.
  • MATOS, Jorge Semedo de, “A navegação atlântica dos portugueses em 1500”,  pp. 82 – 99.
  • MAGALHÃES, Joaquim Romero, “O reconhecimento da costa”,  pp. 102 – 112.
  • GUERREIRO, Inácio, “A revelação da Imagem do Brasil (1500-1540)”,  pp. 114 – 126.
  • AZEVEDO, Ana Maria de, “A Carta de Pêro Vaz de Caminha e o Encontro do «Outro»”,  pp. 128 – 142.
  • WEHLING, Arno, “As Recepções do Descobrimento. História, memória e identidade no historicismo brasileiro”,  pp. 144 – 154.
  • FRANZEN, Beatriz Vasconcelos, “O «descobrimento do Brasil» nos livros didáticos brasileiros”,  p. 156 - 161.
  • AZEVEDO, Ana Maria de e BOAVIDA, Maria Madalena, “O «Descobrimento do Brasil» nos manuais escolares portugueses”,  pp. 162 – 168.
  • MIRANDA, Tiago C. P. dos Reis, “Rasgos de Veracidade”, [Recensão Crítica],  pp. 170 – 172.
40 - A formação territorial do Brasil, Lisboa, CNCDP, Outubro/Dezembro 1999
  • MAGALHÃES, Joaquim Romero, “Editorial”,  p. 5.
  • PEREIRA, Rui Mateus, “A formação territorial do Brasil”,  pp. 6 – 7.
  • RUSSEL-WOOD, A. J. R., “Fronteiras no Brasil Colonial”, Oceanos, nº 40, 1990, pp. 8 – 20.
  • GUERREIRO, Inácio, “Fonteiras do Brasil Colonial. A cartografia dos limites na segunda metade do século XVIII”,  pp. 24 – 42.
  • GÓES, Synésio Sampaio, “Alexandre de Gusmão e o Tratado de Madrid”,  pp. 45 – 62.
  • GIRALDO, Manuel Lucena, “Reformar as florestas. O Tratado de 1777 e as demarcações entre a América espanhola e a América portuguesa”,  pp. 66 – 76.
  • ALMEIDA, André Ferrand de, “Os jesuítas matemáticos e os mapas da América portuguesa (1720 - 1748)”,  pp. 79 – 92.
  • RODRIGUES, Isabel Vieira, “A Política de Francisco Xavier de Mendonça Furtado no Norte do Brasil (1751-1759)”,  pp. 94 – 110.
  • KERN, Arno Alvarez, “Nas Fonteiras do Brasil Meridional: Jesuítas, Bandeirantes e Guaranis”,  pp. 112 – 126.
  • FIGUEIREDO, Luciano, “Furores sertanejos na América portuguesa: rebelião e cultura política no sertão do rio São Francisco, Minas Gerais (1736)”, Oceanos, nº 40, 1990, pp. 128 – 144.
  • SILVA, Maria Beatriz Nizza da, “A saga dos sertanistas”,  pp. 148 – 158.
  • FARIA, Miguel, “Mato Grosso: Estado Fronteira”,  pp. 161 – 178.
  • BERTOLETTI, Esther Caldas Guimarães, “Brasil Colónia: 300 anos de História em documentos organizados e acessíveis”,  pp. 181 – 190.
41 - A Construção do Brasil Urbano, Lisboa, CNCDP, Janeiro/Março 2000
  • MAGALHÃES, Joaquim Romero, “Editorial”,  p. 5.
  • ROSSA, Walter, “A construção do Brasil urbano”,  pp. 8.
  • ROSSA, Walter, “No primeiro dos elementos. Dados para uma leitura sintética do Urbanismo e da Urbanística Portugueses da Idade Moderna”,  pp. 8 – 21.
  • CONCEIÇÃO, Margarida Tavares da, “A Praça da Guerra. Aprendizagens entre a Aula do Paço e a Aula de Fortificação”,  pp. 24 – 38.
  • BUENO, Beatriz Siqueira, “Desenho e desígnio – o Brasil dos engenheiros militares”,  pp. 40 – 58.
  • REIS, Nestor Goulart, “As principais cidades e vilas do Brasil – importância da vida urbana colonial”,  pp. 60 – 67.
  • PESSÔA, José, “Em tudo semelhante, em nada parecido. Modelos e modos de urbanização na América Portuguesa”,  pp. 70 – 81.
  • FONSECA, Cláudia Damasceno, “Agentes e contextos das intervenções urbanísticas nas Minas Gerais do século XVIII”,  pp. 84 – 102.
  • JÚNIOR, Romeu Darte, “Ceará no século XVIII: Icó, Aracati e Sobral”,  pp. 104 – 118.
  • RHODEN, Luiz Fernando, “A formação da rede urbana do sul do Brasil nos séculos XVII e XVIII”,  pp. 120 – 134.
  • MENEZES, José Luiz Mota, “Olinda e o Recife: 1537-1630”,  pp. 136 – 150.
  • DUARTE, Cristovão Fernandes, “São Luís e Belém: marcos inaugurais da conquista da Amazônia no período filipino”,  pp. 152 – 160.
  • PORTAS, Nuno, “Os tempos das formas nas cidades lusas do Brasil”,  pp. 162 – 172.
  • CARITA, Rui e CARITA, Helder, “Modelos, instituições e personagens. A urbanização do espaço atlântico nos séculos XV e XVI”,  pp. 174 – 190.
  • SILVA, António Correia e, “A construção do Atlântico e as cidades-porto cabo-verdianas”,  pp. 192 – 207.
  • GOMES, Paulo Varela e ROSSA, Walter, “O primeiro território. Bombaim e os Portugueses”,  pp. 210 – 224.
42 - Viver no Brasil colónia, Lisboa, CNCDP, Abril/Junho 2000
  • MAGALHÃES, Joaquim Romero, “Editorial”,  p. 5.
  • SILVA, Maria Beatriz Nizza da, “Viver no Brasil colónia”,  pp. 6 – 7.
  • PERRONE-MOISÉS, Beatriz, “A vida nas aldeias dos Tupi da costa”,  pp. 8 – 20.
  • SILVA, Maria Beatriz Nizza da, “Culinária colonial”,  pp. 22 – 32.
  • GOLDSCHMIDT, Eliana Rea, “Vida Familiar em São Paulo Colonial. Alternativas conjugais e o «modo de vida dos casados» (1719-1822)”,  pp. 36 – 48.
  • AGUIAR, Marcos Magalhães de, “Quotidiano da população forra em Minas Gerais do período colonial”,  pp. 50 – 66.
  • FLEXOR, Maria Helena Ochi, “Oficiais Mecânicos e a vida quotidiana no Brasil”,  pp. 70 – 84.
  • MARX, Murillo, “Costa do Mar e Serra Acima”,  pp. 86 – 96.
  • ALGRANTI, Leila Mezan, “Honra, Devoção e Educação: a vida nos Conventos e Recolhimentos femininos”,  pp. 98 – 110.
  • NEVES, Guilherme Pereira das, “Um Mundo ainda Encantado. Religião e Religiosidade ao fim do Período Colonial”,  pp. 114 – 130.
  • VILLALTA, Luiz Carlos, “Posse e usos dos livros”,  pp. 132 – 144.
  • NEVES, Lúcia Maria Bastos P., “A Política na Praça Pública ao fim do Período Colonial”,  pp. 148 – 160.
  • PEREIRA, Maria Helena da Rocha, “As Amazonas: Destino de um Mito Singular”,  pp. 162 – 170.
43 - Ourivesaria luso-brasileira do ciclo do ouro e dos diamantes, Lisboa, CNCDP, Julho/Setembro 2000
  • MAGALHÃES, Joaquim Romero, “Editorial”,  p. 5.
  • PIMENTEL, António Filipe, “Ourivesaria luso-brasileira do ciclo do ouro e dos diamantes”,  pp. 6 – 7.
  • D’OREY, Leonor, “Esplendor e Fantasia”,  pp. 8 – 32.
  • CARVALHO, Rui Galopim de, “Algumas Gemas do Portugal de Setecentos e suas proveniências”,  pp. 36 – 50.
  • PIMENTEL, António Filipe, “Percursos do Barroco nos Caminhos do Atlântico: o Culto e o Tesouro Açoriano do Senhor Santo Cristo dos Milagres”,  pp. 55 – 64.
  • SILVA, Nuno Vassallo e, “Os Pollet, joalheiros de D. Maria I”,  pp. 66 – 76.
  • SILVA, Nuno Vassallo e, “As Custódias-jóias de Setecentos”,  pp. 78 – 92.
  • PIMENTEL, António Filipe, “A Honra e os seus Ícones. Sobre a joalharia de função”,  pp. 94 – 110.
  • PENALVA, Luísa, “Jóias e Representação. As festas da Corte portuguesa no século XVIII”,  pp. 112 – 130.
  • BORGES, Nelson Correia, “Os Túmulos de Prata das Santas Rainhas de Lorvão”,  pp. 134 – 144.
  • PIMENTEL, António Filipe, “Uma jóia em forma de templo. A capela de São João Baptista”,  pp. 146 – 164.
  • TOSTES, Vera Lucia Bottrel, “Ourivesaria luso-brasileira do século XVIII. Colecção Museu Histôrico Nacional (Rio de Janeiro)”,  pp. 166 – 176.
  • ROSA, Mercedes, “Jóias luso-brasileiras. Museu Carlos Costa Pinto (Salvador, Bahia)”,  pp. 178 – 182.
  • FERREIRA, Mário Clemente, “Uma ideia de Brasil num mapa inédito de 1746”,  pp. 184 – 195.
44 - Portugueses no Brasil independente, Lisboa, CNCDP, Outubro/Dezembro 2000
  • MAGALHÃES, Joaquim Romero, “Editorial”,  p. 5.
  • ROWLAND, Robert, “Portugueses no Brasil independente”,  pp. 6 – 7.
  • ROWLAND, Robert, “Portugueses no Brasil independente: processos e representações”,  pp. 8 - 20.
  • BACELLAR, Carlos de Almeida Prado, “Os Reinóis na população paulista às vésperas da Independência”,  pp. 22 – 36.
  • FLORENTINO, Manolo, “Um comércio singular: tráfico e traficantes de africanos no Rio de Janeiro (1790-1830)”,  pp. 40 – 58.
  • VENANCIO, Renato Pinto, “A imigração portuguesa, 1822-1930”,  pp. 60 – 66.
  • RIBEIRO, Gladys Sabina, “A guerra aos portugueses no Rio de Janeiro no final do século XIX”,  pp. 68 – 84.
  • ABREU, Martha, “Uma festa portuguesa na Corte Imperial do Brasil: as comemorações do Divino Espírito Santo no Rio de Janeiro do século XIX”,  pp. 88 – 98.
  • FLORENTINO, Manolo e MACAHDO, Cacilda, “Miscigenação e exclusão no Rio de Janeiro c. 1800-1850”,  pp. 100 – 110.
  • NOGUEIRA, Ana Maria de Moura, “Ponta d’Areia: um bairro português em Niterói”,  pp. 112 – 122.
  • SCOTT, Ana Silvia Volpi, “Verso e reverso da imigração portuguesa: o caso de São Paulo entre as décadas de 1820 a 1930”,  pp. 126 – 142.
  • FREITAS, Caroline Cotta de Mello, “Deolinda Imperatriz Martins, uma imigrante portuguesa em São Paulo”,  pp. 144 – 152.
  • “Portuguezes no Brazil, c. 1860-1910. Album Photográphico”, pp. 154 – 160.
45 -Terra Nova. A epopeia do bacalhau, Lisboa, CNCDP, Janeiro/Março 2001
  • MAGALHÃES, Joaquim Romero, “Editorial”,  p. 5.
  • PEREIRA, Rui Mateus, “Terra Nova: a epopeia do bacalhau”,  pp. 6 – 7.
  • MATOS, Luís Jorge Semedo de, “O Atlântico Noroeste e a Terra Nova (Terra dos Corte Reais)”,  pp. 8 – 20.
  • VARELA, Consuelo, “O Controlo das Rotas do Bacalhau nos séculos XV e XVI”,  pp. 22 – 30.
  • GUERREIRO, Inácio, “Reflexos Carto-Geográficos das Navegações no Atlântico Noroeste no século XVI”,  pp. 32 – 46.
  • SALGADO, Augusto A. Alves, “O confronto pelo domínio do Atlântico Norte”,  pp. 48 – 60.
  • CANAS, António José Duarte Costa, “A Pesca do Bacalhau nos séculos XVII e XVIII. Franceses, ingleses e americanos disputam a Terra Nova”,  pp. 65 – 74.
  • RODRIGUES, Manuel Ferreira, “O regresso à Terra Nova dos bacalhaus de navios armados em Aveiro e Ílhavo”,  pp. 76 – 88.
  • GARRIDO, Álvaro, “O Estado Novo e a frota bacalhoeira. Economia e política da pesca à linha”,  pp. 90 – 106.
  • CARVALHO, António Vítor Nunes de, “Os primeiros passos na modernização da frota bacalhoeira portuguesa, 1935-1945. Aspectos da construção naval”,  pp. 108 – 120.
  • GARRIDO, Álvaro, “O Estado Novo e a pesca do bacalhau. Encenação épica e representações ideológicas”,  pp. 124 – 134.
  • MARQUES, Francisco Correia, “A Pesca do Bacalhau”,  pp. 136 – 152.
  • GONÇALVES, António Manuel, “Navios com História. Lugares do gelo, cisnes dos oceanos”,  pp. 154 – 175.
46 - Ilhas Fantásticas, Lisboa, CNCDP, Abril/Junho 2001
  • MAGALHÃES, Joaquim Romero, “Ilhas, isolamento, solidão”, [Editorial],  p. 5.
  • BARRETO, Luís Filipe, “As Ilhas Fantásticas”,  pp. 6 – 7.
  • GIL, Juan, “As Ilhas Imaginárias”,  pp. 11 – 24.
  • GUERREIRO, Inácio, “Tradição e Modernidade nos Isolarios ou «Livros de Ilhas» dos séculos XV e XVI”,  pp. 28 – 40.
  • COSTA, João Paulo Oliveira e, “Um Oceano a Explorar. A Doação de Ilhas desconhecidas pela Coroa portuguesa no século XV”,  pp. 44 – 52.
  • VIEIRA, Alberto, “A Fortuna das Afortunadas”,  pp. 56 – 80.
  • FILHO, João Lopes, “Cabo Verde, as Ilhas Hesperitanas”,  pp. 84 – 96.
  • FLORES, Jorge Manuel, “A Ilha de Ceilão e o Império Asiático Português”,  pp. 98 – 112.
  • VARELA, Consuelo, “Do território de Mayi às ilhas Filipinas”,  pp. 114 – 122.
  • MOURA, Vasco Graça, “A ilha que não se chamava assim”,  pp. 125 - 127.
47/48 - Os pescadores, Lisboa, CNCDP, Julho/Dezembro 2001
  • MAGALHÃES, Joaquim Romero, “Editorial”,  p. 5.
  • BRANDÃO, Raul, “Os pescadores”,  pp. 6 – 7.
  • SILVA, Francisco Ribeiro da, “A Pesca e os Pescadores na rede dos Forais Manuelinos”,  pp. 8 – 28.
  • AMORIM, Inês, “Gestão de espaços de pesca: poder, administração e conflitos na época moderna. O estudo de um caso: as pesqueiras do rio Ave”,  pp. 30 – 46.
  • VICENTE, António Pedro, “O «Bom Sucesso» numa viagem ao Brasil dos Pescadores de Olhão na época das Invasões Francesas”,  pp. 50 – 62.
  • RAMOS, Luís A. de Oliveira, “Apúlia, terra de lavradores-sargaceiros e pescadores”,  pp. 64 – 76.
  • PENTEADO, Pedro, “A Nazaré e os seus pescadores: entre representações sociais e novas leituras histórico-antropológicas”,  pp. 80 - 92.
  • ARAÚJO, Agostinho, “Práticas votivas numa comunidade piscatória (Póvoa de Varzim, séculos XVIII-XIX)”,  pp. 94 – 112.
  • DIAS, Geraldo J. A. Coelho, “A religião dos pescadores portugueses”,  pp. 114 – 134.
  • SOEIRO, Teresa, “Pescadores de terra adentro”,  pp. 136 – 158.
  • MARQUES, João Francisco, “O Pescador Poveiro na História e na Literatura”,  pp. 162 – 182.
  • CRUZ, Duarte Ivo, “O Mar no Teatro Português”,  pp. 184 – 198.
  • CUNHA, Paulo Manuel Ferreira da, “O Pescador: representações do homem e do seu meio no Cinema Português”,  pp. 200 – 212.
  • PIWNIK, Marie-Hélène, “Os Pescadores, de Raul Brandão, ou a poesia do real”,  pp. 214 – 224.
  • MONTEIRO, Maria Inês Líbano, “A Quarta Coberta. Novos dados sobre a Baixela do Germain”,  pp. 226 – 240.
49 - Pedro Nunes, Lisboa, CNCDP, Janeiro/Março 2002
  • MAGALHÃES, Joaquim Romero, “Editorial”,  p. 5.
  • DOMINGUES, Francisco Contente, “Pedro Nunes”,  pp. 6 – 7.
  • ALMEIDA, Onésimo Teotónio de, “«...fique a dúvida para Pedro Nunes»: sobre a cooperação entre «cientistas» e navegadores”,  pp. 9 – 17.
  • REIS, António Estácio dos, “Os instrumentos de medida de Pedro Nunes”,  pp. 20 – 34.
  • MATOS, Luís Jorge Semedo de, “Em defensam da carta de marear”,  pp. 36 – 52.
  • CANAS, António José Duarte Costa, “Pedro Nunes e as Linhas de Rumo”,  pp. 54 – 66.
  • GONÇALVES, António Manuel, “A náutica no Roteiro de Lisboa a Goa (1538), de D. João de Castro: inovações e continuidade”,  pp. 68 – 80.
  • DOMINGUES, Francisco Contente, “Fernando Oliveira crítico de Pedro Nunes”,  pp. 86 – 94.
  • TARRÍO, Ana Maria S., “Do humanista Pedro Nunes”,  pp. 96 – 108.
  • LEITÃO, Henrique, “Sobre a difusão europeia da obra de Pedro Nunes”,  pp. 110 – 128.
  • AGUDO, F. R. Dias, “A Academia das Ciências de Lisboa e as edições de Pedro Nunes”,  pp. 130 – 135.
  • SILVA, Luciano Pereira da, “Os dois Doutores Pedro Nunes”,  pp. 137 – 142.
  • ALBUQUERQUE, Luís de, “ Pedro Nunes e os homens do mar do seu tempo”,  pp. 143 – 147.
  • GODINHO, Vitorino Magalhães, “Portugal e a Comemoração do Centenário da Independência do Brasil”,  pp. 149 – 152.
 
Compilação de Ana Celeste Silva e Carina Simões

Na Ilha da Madeira: hospital improvisado - António Balbino Rego (1901)

Rego , António Balbino - Na ilha da Madeira : hospital improvisado , Porto : Vap. da Emprêsa Litteraria e Typographica, 1901. https://a...