domingo, outubro 31, 2010

O p[ri]mero [-segu[n]do] liuro das Ordenações (1512-1513)

 
PORTUGAL.. Leis, decretos, etc.
O p[ri]mero [-segu[n]do] liuro das Ordenações. - Em Lixbõa : per Valentym Fernandez alemãao, 1512-1513. - 2 v. em um tomo.
http://purl.pt/14876

ORDEM DE CRISTO A Regra & diffinçoões [sic] da ordem do mestrado de nosso senhor Ih[e]su Xpo. (ca 1504)

ORDEM DE CRISTO
A Regra & diffinçoões [sic] da ordem do mestrado de nosso senhor Ih[e]su Xpo. - [Lisboa : Valentim Fernandes, ca 1504].
http://purl.pt/15153

Lyuro das obras de Garcia de Rese[n]de que trata da vida & grãdissimas virtudes (...) - Garcia de Resende (1545)

Resende, Garcia de - Lyuro das obras de Garcia de Rese[n]de que trata da vida & grãdissimas virtudes: & bõdades magnanimo esforço: excele[n]tes costumes & manhas & muy craros feitos do christianissimo... Rey dõ Ioão o segundo deste nome.... - [Lisboa] : em casa de Luys Rodriguez, 12 Iunho 1545.
http://purl.pt/14664

Cancioneiro Geral - Garcia de Resende (1516)

Resende, Garcia de - Cancioneiro geral : cum preuilegio / [Foy ordenado e eme[n]dado por Garcia de Reesende fidalguo da casa del Rey nosso senhor e escriuam da fazenda do principe]. - Almeyrym e acabouse na muyto nobre e sempre leall cidade de Lixboa : per Hermã de Cãmpos, 28 Sete[m]bro 1516.

quarta-feira, outubro 27, 2010

TRANSPARÊNCIA – ABEL SALAZAR E O SEU TEMPO, UM OLHAR (Museu Nacional Soares dos Reis)


Transparência - Abel Salazar e o seu tempo, um olhar
Comissário: Manuel Valente Alves
Inauguração: 28 de Setembro de 2010
Período de exibição: 30 de Setembro a 27 de Novembro de 2010
Local: Museu Nacional Soares dos Reis

Um Projecto da Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República

Organização:
Museu Nacional Soares dos Reis
Casa-Museu Abel Salazar
Reitoria da Universidade do Porto

Resumo:

Abel Salazar (1889-1946), médico cientista e artista plástico, é um caso singular no panorama cultural português e uma das personalidades mais prestigiadas da I República, que não pode ser avaliado somente numa perspectiva disciplinar. A exposição TRANSPARÊNCIA – ABEL SALAZAR E O SEU TEMPO, UM OLHAR, organizada em torno da sua obra plástica, pretende contribuir para uma melhor compreensão e posicionamento histórico do seu trabalho à luz do pensamento actual.

Abel Salazar não só aprofundou o estudo do corpo biológico, através da microscopia, como estreitou os laços com o corpo social através da arte, utilizando diversas técnicas: o desenho, a pintura, a escultura. Além disso, produziu uma importante obra teórica, em que convergem arte, ciência e filosofia, que organiza todo um corpo de saber. Para pensar a sua obra no presente é importante entender não só a exemplar coerência interna do seu discurso e da sua prática, como também a relação que estabelece com os movimentos artísticos mais relevantes da época, nuns casos de empatia (como é o caso do impressionismo) noutros de oposição e corte ideológico (como é o da «arte pela arte» modernista) mas nunca de completa identificação.

Estarão expostas cerca de duas centenas de obras de arte (pintura e desenho) da autoria de Abel Salazar e de alguns dos artistas mais relevantes do naturalismo, do impressionismo e do modernismo português, como Henrique Pousão, Silva Porto, António Carneiro, Columbano Bordalo Pinheiro, Amadeo de Souza Cardoso, Mário Eloy, Almada Negreiros, Vieira da Silva, Júlio Pomar, etc.

As obras expostas são provenientes das colecções da Casa-Museu Abel Salazar, do Museu Nacional Soares dos Reis, do Museu do Chiado, da Fundação Arpad Szenes/Viera da Silva e de colecções privadas.

O catálogo, além da documentação fotográfica da exposição e uma cronologia do tempo de Abel Salazar, contém estudos da autoria de Manuel Valente Alves, Maria do Carmo Serén e José Luís Porfírio.

Mais informações em: http://mnsr.imc-ip.pt/

Fontes:
Embora tardiamente de entre as muitas exposições relativas às Comemorações do Centenário da República não podia deixar de mencionar Transparência - Abel Salazar e o seu tempo, um olhar.
Abel Lima de Salazar foi uma figura ímpar da cultura portuguesa, distinguindo-se em várias vertentes: medicina, investigação, ciência, docência e artes plásticas.
Os meus especiais agradecimentos pela cedência do roteiro da exposição ao comissário da mesma, Dr. Manuel Velente Alves. 

terça-feira, outubro 26, 2010

O Impulso Alegrórico - Retratos, Paisagens, Naturezas Mortas - Manuel Valente Alves (direcção e coordenação)

Alves, Manuel Valente (dir. e coord.)- O Impulso Alegrórico - Retratos, Paisagens, Naturezas Mortas, Lisboa: Ordem dos Médicos, 1988.

Publicado por ocasião dos Encontros "O Impulso Alegórico", este livro, dirigido por Manuel Valente Alves, reúne o conjunto das intervenções dos Encontros, elementos iconográficos e um estudo transversal de Idalina Conde, professora de sociolologia no ISCTE, consultora do Observatório das Actividades Culturais do Ministério da Cultura, que analisa as diferentes fases do desenvolvimento deste projecto na perspectiva sociológica da cultura.

Textos: Carlos Ribeiro, Manuel Valente Alves, José Luís Porfírio, João Lima Pinharanda, Armando Sales Luís, Maria José Sampaio, Isabel Carlos, Constantino Sakellarides, Mónica Baldaque, Bernardo Pinto de Almeida, Ana Cristina Leite, Pedro Lapa, Luís Rebelo, Jorge Molder, Delfim Sardo, João Lobo Antunes, Miguel Von Hafe Pérez, Maria Filomena Molder, Daniel Serrão, João Fernandes, Carlos Vidal, António Bracinha Vieira, Maria Helena Soares Costa, José Gil, Adriano Vaz Serra, José Sommer Ribeiro, Fernando Pernes, Madalena Botelho, Joaquim pais de Brito, Maria Helena de Freitas, Nuno Félix da Costa, Artur Goulart, João Miguel Fernandes Jorge, Maria de Sousa, António Cerveira Pinto, Luís Campos, Raquel Henriques da Silva, José-Augusto França, Nuno Grande e Idalina Conde. Concepção gráfica: Victor Diniz

Texto e foto: http://www.valentealves.com/books.htm

Primeira[-quarta] parte da Historia de S. Domingos particular do reino, e conquistas de Portugal - Luís de Sousa, Luís de Cácegas (1767)

Sousa, Luís de; Cácegas, Luís de - Primeira[-quarta] parte da Historia de S. Domingos particular do reino, e conquistas de Portugal, 4 volumes, Lisboa : Off. de António Rodrigues Galhardo, 1767.

Primeira Parte
Segunda Parte
Terceira Parte
Quarta Parte

Obras de doutor Duarte Ribeiro de Macedo (1767)

 
Macedo, Duarte Ribeiro de - Obras de doutor Duarte Ribeiro de Macedo, Lisboa : Na officina de Antonio Rodrigues Galhardo; a' custa de Borel, e Rolland ..., 1767.

http://www.archive.org/details/obrasdedoutordua12mace

O principe dos patriarcas S. Bento (...) - João dos Prazeres (1683-1690)

 
 
Prazeres, João dos - O principe dos patriarcas S. Bento. Primeiro Tomo. De sua vida, discursada em emprezas politicas e predicaveis, pello... Fr. Joaõ dos Prazeres... Offerecido ao... P.e Fr. Joaõ Ozorio Dom Abbade Geral da Congregaçaõ do mesmo Principe, 2 volumes, Em L[i]x[bo]a : na Impressão de Antonio Craesbeeck de Mello impressor da Caza Real, e á sua custa, 1683-1690.
http://www.archive.org/details/oprincipedospatr01praz
http://www.archive.org/details/oprincipedospatr02praz

segunda-feira, outubro 25, 2010

António José da Silva Pinto - Infopédia (Porto Editora)

Silva Pinto

Nome: António José da Silva Pinto
Nascimento: 14-4-1848, Lisboa
Morte: 4-11-1911, Lisboa

Crítico literário, ensaísta, dramaturgo e romancista português, da segunda metade do século XIX, nascido a 14 de Abril de 1848, em Lisboa, e falecido a 4 de Novembro de 1911, na mesma cidade. Foi um dos principais doutrinadores do Realismo-Naturalismo, privilegiando a estética de Balzac, de cuja obra foi tradutor e grande admirador, e a crítica de Gustavo Planche.Depois de uma passagem pelo colégio de jesuítas de Campolide, começa a trabalhar como ajudante de despachante de alfândega. A partir de 1872, dedica-se ao jornalismo, estreando-se como colaborador no jornal O Trabalho e fundando, juntamente com Magalhães Lima, Gomes Leal, Guilherme de Azevedo e Luciano Cordeiro, a revista literária O Espectro de Juvenal. Ao longo da sua vida, deixará uma imensa colaboração dispersa por periódicos como O Ocidente, Jornal da Tarde, A Actualidade, A Voz do Povo, Revista do Norte e Revista Literária, parte da qual foi posteriormente recolhida nos três volumes dos Combates e Críticas. Em Espanha, combate ao lado dos republicanos contra os carlistas. Depois de uma estada de dois anos no Brasil, regressa a Portugal. Em 1887, recolhe os poemas de Cesário Verde, organizando a edição do seu livro póstumo, que prefaciou e anotou. A partir de 1889, dedica cada vez mais a sua atenção à obra de Camilo, publicando a correspondência mantida com o escritor.

Bibliografia: O Padre Maldito, 1873 (romance); Os Homens de Roma, 1875 (drama); O Padre Gabriel, 1878 (drama); Controvérsias e Estudos Literários (1875-1878), 1878 (ensaio e crítica literária); Realismos, 1880 (romance); Combates e Críticas (1875-1881), 1882 (ensaio e crítica); Novos Combates e Críticas (1875-1884), 1884 (ensaio e crítica); Terceiro Livro de Combates e Críticas (1874-1886), 1886 (ensaio e crítica); Saldos, 1912 (ensaio e crítica)

http://www.infopedia.pt/$silva-pinto

Camões e Os Lusiadas, ensaio historico-critico-litterario - Francisco Evaristo Leoni (1872)

Leoni, Francisco Evaristo - Camões e Os Lusiadas, ensaio historico-critico-litterario, Lisboa: Livraria de A. M. Pereira, 1872.
http://www.archive.org/details/cameseoslusiad00leonuoft

Alfacinhas - Alfredo de Mesquita (1910)

Mesquita, Alfredo de - Alfacinhas, Colecção Antonio Maria Pereira nº 75, Lisboa: Antonio Maria Pereira, 1910.
http://www.archive.org/details/alfacinhas00mesq

Para o fim : 1908-1909 - Silva Pinto (1909)

Pinto, Antonio José da Silva - Para o fim : 1908-1909, Lisboa : Parceria Antonio Maria Pereira, 1909.
http://www.archive.org/details/paraofim19081909silv

Na Ilha da Madeira: hospital improvisado - António Balbino Rego (1901)

Rego , António Balbino - Na ilha da Madeira : hospital improvisado , Porto : Vap. da Emprêsa Litteraria e Typographica, 1901. https://a...