terça-feira, março 24, 2009

«António Aragão» - Nelson Veríssimo

Nasceu em S. Vicente, Madeira, a 22 de Setembro de 1921.

Morreu no Funchal, em 11 de Agosto de 2008.

Vai não com mãos de fadas
a bailar quimeras…
Que outra voz
te anime o leme;
que outra vela
te guarde a saudade.

António Aragão, Arquipélago, Funchal, 1952, p. 15.

Licenciado em Ciências Histórico-Filosóficas pela Universidade de Lisboa.
Historiador, poeta, romancista, contista, dramaturgo e pintor.
Antigo director do Arquivo Distrital do Funchal (Arquivo Regional da Madeira).

Preservação do Património Cultural: um alerta de 1979 repetido em 1987

E se a cidade do Funchal é vítima impotente duma espécie de destruição sistemática, que devemos dizer também do que se passa em toda a Madeira? Realmente, se o património urbano do Funchal posterior à época manuelina (séculos XVII e XVIII – cidade do vinho), já profundamente delapidado, caminha para uma breve extinção, outro tanto devemos apregoar quanto às construções tradicionais da Madeira e Porto Santo, as quais constituem as peças mais valiosas do património rural insular e que nos nossos dias rapidamente estão morrendo por toda a parte.

Qualquer dia nada resta. Consumou-se um crime. Aliás um duplo crime. Matou-se uma cultura e, conjuntamente, o homem que a concebeu e viveu – esse homem europeu que, numa agigantada ocasião da sua história, levantou a primeira cidade portuguesa fora da Europa, nas distanciadas paragens do Mar Atlântico.

Para a História do Funchal, Funchal, 1987, p. 284.

OBRAS PRINCIPAIS

HISTÓRIA
Pelourinhos da Madeira, Funchal, 1959.
O Museu da Quinta das Cruzes, Funchal, 1970.
Para a História do Funchal: pequenos passos da sua memória, Funchal, 1979.
A Madeira vista por estrangeiros. Funchal, 1981.
As armas da cidade do Funchal no curso da sua História, Funchal, 1984
Para a História do Funchal, Funchal, 1987 (2.ª ed.).
O espírito do lugar: a cidade do Funchal, Lisboa, 1992.

Lançou, em 1972, a Série Documental do boletim Arquivo Histórico da Madeira, editado pelo Arquivo Distrital do Funchal, a fim de divulgar fontes para a história da Madeira.

LITERATURA
Poema primeiro, Covilhã, 1962.
Romance de Iza Morfismo, Lisboa, 1964.
Folhema 1, Funchal, 1966.
Folhema 2, Funchal, 1966.
Mais exacta mente p(r)o(bl)emas, Funchal, 1968.
Poema azul e branco, Funchal, 1970.
Poema vermelho e branco, Funchal, 1971.
um buraco na boca: romance, Funchal, 1971.
Os Bancos, Setúbal, 1975.
Metanemas, Funchal, 1981.
Desastre nu: peça em quatro episódios, Lisboa, 1981 (2.º Prémio do Concurso de Peças de Teatro Inéditas – 1980, promovido pela Secretaria de Estado da Cultura).
Pátria, Couves, Deus, etc., Lisboa, 1982.
Textos do Abocalipse, Lisboa, 1992.

Em 1956, organizou o caderno literário, Búzio, onde colaboraram Edmundo Bettencourt, David Mourão-Ferreira, Eurico de Sousa, Esther de Lemos, Herberto Helder, Jorge Sumares e J. Escada, além do próprio António Aragão.

ANTOLOGIAS

Arquipélago, Funchal, 1952.
Musa Insular (poetas da Madeira) / Luís Marino, Funchal, 1959.
Antologia da poesia concreta / José Alberto Marques e E. M. de Melo e Castro, Lisboa, 1973.
O Natal na voz dos poetas madeirenses / José António Gonçalves, Funchal, 1989.
Narrativa Literária de Autores da Madeira do Século XX: antologia / selecção de textos, prefácio e notas de Nelson Veríssimo, Funchal: DRAC, 1990.
Narrativas contemporâneas da Madeira. Récits contemporains de Madère / selecção de textos, choix des textes, Thierry Proença dos Santos, Funchal, 1997.
Contos Madeirenses / org. e nota introdutória de Nelson Veríssimo, Porto: Campo das Letras, 2005.

ETNOGRAFIA
As recolhas de António Aragão e Artur Andrade, com a colaboração de Jorge Valdemar Guerra e Luís Alberto Silva, nos anos de 1972 e 1973, deram origem a diversos discos editados pela DRAC (duplo LP em 1982) ou com o apoio deste departamento governamental (seis CD, 1996 e 1998). Constituem, sem dúvida, significativos contributos para o estudo da cultura popular tradicional madeirense.

Procedeu também a levantamentos de moinhos do Porto Santo e de espécimes da arquitectura tradicional madeirense.

BIBLIOGRAFIA PASSIVA
DIONÍSIO, F. P. (1997). O experimentalismo em António Aragão. Islenha, n.º 20, Funchal, pp. 12-20

Nota do blogue: O nome completo deste autor era António Manuel de Sousa Aragão Mendes Correia.

PORTUGAL E OS ESTRANGEIROS - Manuel Gomes Branco

Branco , Manuel Gomes – PORTUGAL E OS ESTRANGEIROS ,  Lisboa: Livraria A. M. Pereira, Imprensa Nacional, 1879-1895. 5 volumes.  In...